Naturalização da Lagoa: solução baseada na natureza para mitigação e adaptação às mudanças climáticas

Flávio Valle e Marios Moscatelli falam sobre o processo de naturalização da Lagoa Rodrigo de Freitas na altura do Parque do Cantagalo

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

com Mario Moscatelli biólogo responsável pela recuperação dos manguezais do canal do Fundão, aterro de Gramacho, Lagoa Rodrigo de Freitas e Sistema Lagunar de Jacarepaguá

No último mês celebramos 1 ano do início do projeto de naturalização de uma área de 1.500 m² na Lagoa Rodrigo de Freitas, na altura do Parque do Cantagalo. Naturalização é uma técnica utilizada para recuperar espaços degradados e modificados pelo homem devolvendo a eles as condições próximas às naturais. Foi o que fizemos! Uma solução baseada na natureza para a área que sofria com constantes alagamentos e tinha uma ciclovia no meio do caminho. Mudamos o percurso da ciclovia e depois de mais de 100 anos com sucessivos aterramentos estamos fazendo a lagoa voltar a crescer. Uma iniciativa que vai ao encontro do modelo de “Cidades Esponja”, também utilizado mundo afora, para oferecer soluções para áreas inundáveis.

Advertisement

O planeta vive um cenário de mudanças climáticas e para enfrentar os desafios as cidades precisam intensificar suas ações de prevenção, além de promoverem mudanças no estilo de vida urbano. Precisamos nos adaptar à nova realidade. Segundo dados do IBGE, no Brasil 61% da população vive em zonas urbanas. São as cidades as mais suscetíveis aos impactos dos eventos climáticos e as prefeituras têm a responsabilidade de implementar medidas de mitigação e de adaptação, buscando também na natureza a solução para os problemas.

Com a premissa de que a preocupação ambiental deve caminhar junto com a qualidade de vida da população, o projeto de naturalização é um bom exemplo. Muito se fala na construção de cidades inteligentes – ou smart cities – que nada tem a ver com ideias futurísticas, mas sim com a superação de desafios considerando a realidade de cada local. Foi o que foi levamos em consideração ao optarmos pela naturalização para resolver o problema dos constantes alagamentos.

Quem passa pela lagoa já percebeu a diferença. Estamos vivendo um novo momento com o projeto de naturalização coordenado pelo biólogo Mário Moscatelli E POR SUA FILHA, A PAISAGISTA Carolina Moscatelli. Nesses últimos cem anos, a Lagoa passou por reduções de tamanho significativas com o aterramento de seu espelho d’água. Somente em 2000, quando foi declarada pelo IPHAN patrimônio histórico devido à sua importância paisagística, a lagoa passou a ter a sua geografia preservada.

A naturalização, além de acabar com trechos alagados, está devolvendo à lagoa a sua função de espaço reprodutor. Novas espécies de flora foram introduzidas, como mudas de grama de mangue, samambaia do brejo, algodoeiro de praia e mangue vermelho. Da fauna, diversas espécies têm aparecido na área, além dos já conhecidos colhereiros, capivaras, guaiamuns e saracura, uma frango d’água escolheu a área naturalizada para chocar três ovos e os filhotes da ave aquática já nasceram e circulam tranquilamente no local. Também há novos frequentadores, como as aves bate-bico, que só havia sido vista na década de 80 em Guaratiba, e o mergulhão caçador, que gosta de fazer ninho em áreas alagadas.

Com as boas iniciativas já é possível usufruir de uma nova lagoa, cada vez mais limpa, com explosão de biodiversidade e repleta de boa ocupação. Além das conhecidas atividades de lazer, um novo point de stand up paddle foi inaugurado levando dezenas de pessoasa a contemplar a paisagem de um novo ângulo, de dentro da lagoa, integrados á biodiversidade, lado a lado aos frangos d’água e outras espécies que habitam o local, resultado dos esforços pela preservação.

Viva a Lagoa Rodrigo de Freitas e as boas iniciativas que estão devolvendo aos cariocas e turistas esse patrimônio histórico do Rio!

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Naturalização da Lagoa: solução baseada na natureza para mitigação e adaptação às mudanças climáticas
Advertisement

1 COMENTÁRIO

  1. Salamaleico. Não creio que a lagoa Rodrigo de Freitas seja um sistema Lagunar. É mais uma poça como do Largo da Carioca e rua da Vala (atual Uruguaiana) ou como a poça da Lapa que virou Passeio Público. Aterrava a lagoa Rodrigo de Freitas e o Canal do Jardim de Alah. Faria um grande parque, Parque Jardim de Alah. Faria um quebra-mar no Leblon impedindo que a areia do Arpoador fosse para o Leblon, e outro quebra-mar paralelo à praia do Leblon, impedindo que em ressacas a praia invada a rua. Deste modo poderíamos restaurar as restingas na orla do praia do Leblon.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui