No Rio, empresas aderem ao Pacto Global da ONU

Para executivo, o grande desafio das empresas é sair da teoria à prática, ou seja, cumprir as metas estabelecidas pela Agenda 2030

Foto: Marcelo Piu (Prefeitura do Rio)

A Agenda 2030, no âmbito do Pacto Global, programa encabeçado pela Organização das Nações Unidas (ONU), é uma iniciativa destinada à adoção de estratégias de responsabilidade social e desenvolvimento sustentável por parte das empresas. No Brasil, mais 15 mil empresas já aderiram ao Pacto, entre elas a Katrium Indústrias Químicas, que assinou o compromisso em 2020.

A meta da ONU, através do Pacto Global, é fazer com que as instituições se comprometam a cumprir 17 compromissos relacionados à erradicação da pobreza, combate às desigualdades, defesa dos direitos humanos, promoção de saúde e bem-estar, combate à corrupção, gestão sustentável da água e saneamento, fomento à inovação na indústria, entre outros objetivos.

Para José Rosenberg, diretor-presidente da Katrium Indústrias Químicas, o grande desafio das empresas é sair da teoria à prática, ou seja, cumprir as metas estabelecidas pela Agenda 2030 no seu dia a dia.

 “Esse tipo de compromisso não deve se restringir apenas a uma carta de adesão, mas impõe que se apresente anualmente as contribuições de cada empresa rumo a uma sociedade mais justa apoiada na sustentabilidade,” afirmou o executivo.

A partir da sua visão, calcada na responsabilidade social, a Katrium fez uma doação de 100 mil litros de hipoclorito de sódio para a Companhia Municipal de Limpeza Urbana da Cidade do Rio de Janeiro (Comlurb), para que a companhia fizesse uso do material da forma adequada ao contexto pandêmico no qual o Rio de Janeiro estava imerso.

Segundo Rosenberg, mais 200 mil litros do produto foram doados à Comlurb, em 2021 e 2022, para combater o avanço da Covid-19, e também para combater os surtos de dengue e leptospirose, doenças comuns no Rio de Janeiro nos períodos de chuva.

 “Trata-se de uma iniciativa fundamental não apenas para minimizar o impacto e o avanço da Covid-19, mas também para combater os surtos de dengue e leptospirose que aumentaram muito durante a temporada de chuvas”, enfatizou o diretor-presidente da Katrium.

Além dos 300 mil litros de hipoclorito de sódio doados à Comlurb, a Katrium, que firmou uma parceria com a Secretaria de Esportes do Rio de Janeiro, desde 2021 tem doado 28 mil litros do material por mês para o tratamento e limpeza das piscinas das Vilas Olímpicas da cidade.

O Rio de Janeiro possui 10 complexos esportivos destinados à população, sendo que cada vila  atende mais de 10 mil crianças e adolescentes, com atividades que vão desde práticas esportivas a atividades culturais, educacionais, sociais e de saúde. Adultos e idosos também fazem uso dos espaços de forma terapêutica.

O ano de 2022 apresentou mais desafios às autoridades estaduais e municipais do Rio de Janeiro, com as pesadas chuvas caídas na região serrana do Estado. Diante deles, a Katrium celebrou um acordo com a marca Raymundo da Fonte, para a doação de 12 mil litros de água sanitária destinados  à limpeza e desinfecção de Petrópolis. A ação fez parte do projeto Rio Solidário.

“Essas e todas as outras iniciativas e seus resultados vêm sendo registrados. Quando formos apresentar à ONU os avanços conquistados, nossa ideia é não só relatar o que foi feito, mas apresentar indicadores que poderão ser usados em análises posteriores. Com objetividade e transparência, é mais fácil reunir dados que sirvam de base para outras iniciativas transformadoras e até mesmo de socorro imediato diante de acontecimentos inesperados”, explicou José Rosenberg.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui