Operação fecha 3 postos no RJ por venda de combustível adulterado; veja locais

Investigação do Ministério Público apontou que quadrilha vendia metanol no lugar de álcool, apesar de risco de explosão nos motores dos veículos

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Bomba lacrada em posto em Niterói
Bomba lacrada em posto em Niterói (Foto: Rafael Nascimento/g1)

Uma força-tarefa do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), a Polícia Civil do RJ e a Agência Nacional do Petróleo (ANP) fecharam nesta terça-feira (26/12) três postos de gasolina na Região Metropolitana do estado. A operação ocorreu após consumidores alegarem fraude no serviço. Dois homens foram presos. Ao todo, 5 pessoas foram denunciadas.

De acordo com Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco/MPRJ), a Delegacia de Serviços Delegados (DDSD) e a ANP, os postos colocavam concentrações de metanol nas bombas muito acima do permitido:

Veja os estabelecimentos que foram fechados

  • Auto Posto Brasilândia, em Porto da Pedra, São Gonçalo;
  • Auto Posto São Judas Tadeu, em Icaraí, em Niterói;
  • Posto Boa Vista Gonçalense, em Boa Vista, em São Gonçalo.

Em julho, a ANP realizou uma vistoria técnica no Auto Posto São Judas Tadeu, onde foi constatada a presença de 92,1% de metanol no etanol. A legislação permite apenas 0,5%. Na denúncia, recebida pela 1ª Vara Criminal de São Gonçalo, o MPRJ destacou que esse excesso traz risco iminente de explosão dos motores. A fiscalização também identificou altos índices de etanol na gasolina vendida.

Os denunciados vão responder por crimes contra a ordem econômica, saúde pública, relações de consumo, falsidade ideológica, desobediência e associação criminosa.

Advertisement

A investigação do MPRJ aponta que o chefe do esquema é Carlos Eduardo Fagundes Cordeiro, o Kadu, ele se encontra foragido. No endereço dos alvos, em cumprimento aos mandados de busca e apreensão, foram apreendidas armas de fogo e diversos documentos que comprovam a adulteração.

Na última segunda-feira (18/12), o Disque Denúncia divulgou um cartaz que pede informações que levem à localização e prisão de Kadu. Ele e outras pessoas já haviam sido presas por vender e revender combustíveis adulterados.

Segundo os investigadores, mesmo após interdições, Kadu determinou a instalação de novas bombas nos postos sem qualquer autorização da ANP.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Operação fecha 3 postos no RJ por venda de combustível adulterado; veja locais
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui