Para fugir do bullying, pais mudam escola na reta final

Instituição tradicional teria não resolvido após espera de mãe de aluna

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Novos professores nomeados vão trabalhar nas disciplinas de Geografia, Matemática e Língua Portuguesa. (Divulgação)

Nem precisou ser fim do ano para a busca por uma escola começar para mães, que tiveram suas filhas vítimas de bullying. A prática que já motivou regulamentações de leis específicas na Legislação Brasileira ainda não saiu do papel, inclusive em tradicionais escolas da rede particular.

M. sofreu na pele em plena Escola Parque, na Barra da Tijuca, uma das mais caras do Rio, após a filha defender outras crianças vítimas de chacota e o bullying se voltar contra ela. “Falei com muita gente e não resolveu. Tive que tirá-la de lá, instituição onde ela estava desde os 6 anos e se sentia acolhida. Em tese, os alunos parqueanos são aqueles que incluem todos os amigos, mas isso deve estar para além das palavras. Além disso, a escola precisa intervir quando necessário, porém, não foi isso que aconteceu. Vi minha filha ser isolada, sofrer, ser excluída e a escola falhar“, desabafa a mãe, que ainda conta que demorou a trocar de escola com a esperança de que o problema poderia ser resolvido.

No outro lado da cidade, a advogada E.M. teve que recomeçar o ano letivo em pleno outubro. O motivo era mais uma vez o bullying de colegas à filha de 9 anos. O material caro, que custou em março cerca de R$ 2 mil, teve que mudar em busca de paz. “Foi uma correria, mas necessária, pois não aguentava ver minha filha triste. Meu outubro virou fevereiro, nova escola, novo transporte e nova rotina. O bem-estar da minha filha compensa tudo“, relata E.M.

Procurada pela equipe de reportagem, a Escola Parque não retornou ao formulário disponível pelo site da instituição.

Advertisement

Leia também

Conheça seis motivos para investir em uma pós-graduação

Aeroporto Santos Dumont pode ser fechado durante o G20, em novembro

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Para fugir do bullying, pais mudam escola na reta final

VIAAmanda Raiter
Avatar photo
Formada em Comunicação Social desde 2004, com bacharelado em jornalismo, tem extensão de Jornalismo e Políticas Públicas pela UFRJ. É apaixonada por política e economia, coleciona experiências que vão desde jornais populares às editorias de mercado. Além de gastar sola de sapato também com muita carioquice.
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui