Fazenda São Bernardino, em Nova Iguaçu, será restaurada

Serão restaurados o antigo armazém, conhecido como tulha, e o imóvel que abrigava a senzala; o espaço da Fazenda é altamente ‘instagramável’ e querido pelos moradores da região.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

A Prefeitura de Nova Iguaçu vai restaurar dois prédios da histórica Fazenda São Bernardino: o antigo armazém, conhecido como tulha, e o imóvel que abrigava a senzala. Para a reconstrução, o Município terá o apoio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), cuja administração no RJ tem lutado pela sustentabilidade dos imóveis históricos. A restauração das duas edificações dará uso público aos imóveis além de abrir caminho para a recuperação da belíssima sede da fazenda do século XIX.

Com investimentos da ordem de R$ 1,5 milhão do poder municipal, a ação contempla o projeto executivo que vai orientar as intervenções; as prospecções arqueológicas; e as obras nas edificações. As prospecções já foram finalizadas, portanto, as próximas etapas dos trabalhos são a aprovação do projeto com o Iphan e a execução da obra em si.

Além disso, Iphan, Prefeitura – através da Secretaria de Cultura e da Secretaria de Infraestrutura – e Casa Civil do Governo do Estado do Rio de Janeiro estão buscando estratégias para combater o perecimento de décadas pelo qual passa o monumento. A intenção é unir esforços a fim de captar recursos para o projeto executivo e o restauro da sede da fazenda.

Endossada por instituições de diferentes esferas, a iniciativa de recuperar a Fazenda São Bernardino representa o fim de um longo período de arruinamento e perecimento de um dos ícones mais importantes da Baixada fluminense. Este é o momento da virada na recuperação deste bem. Vamos fazer todo o possível e unir esforços para devolver este equipamento cultural importantíssimo para a população fluminense e para o Patrimônio Cultural Brasileiro”, celebra o superintendente do Iphan-RJ, Olav Schrader.

Advertisement

Leia também

10 coisas que só quem anda de ônibus no RJ vai entender

Polícia Militar planeja ampliar sistema de reconhecimento facial para 650 câmeras no RJ

Autarquia federal vinculada à Secretaria Especial da Cultura e ao Ministério do Turismo, o Iphan tombou a sede da fazenda em 1951, com a inscrição no Livro do Tombo das Belas Artes.

Construída em 1875 pelo português Bernardino José de Souza e Melo, a casa abrigava a sede da propriedade. Na fazenda se produzia café, açúcar, farinha de mandioca e aguardente. As intervenções prometem não apenas recuperar um dos principais monumentos de Nova Iguaçu, como também estabelecer um novo espaço de convivência para a população da baixada e visitantes. Atualmente, a propriedade da Fazenda é da Prefeitura de Nova Iguaçu, responsável pela gestão, administração e uso do espaço, cujas ‘ruínas’ têm cada vez mais figurado no feed de instagrammers da região.

A sede da propriedade se insere em um sítio arqueológico que salvaguarda o complexo como um todo, inclusive a tulha e a senzala. Outro bem cultural da região é o sítio arqueológico da Vila do Iguaçu, cadastrado pelo Instituto em 2004. A vila está diretamente relacionada à Fazenda São Bernardino, pois ambos remontam ao desenvolvimento e ocupação da região, que impactou não somente na história do município de Nova Iguaçu, mas também na origem de toda a baixada fluminense.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Fazenda São Bernardino, em Nova Iguaçu, será restaurada

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui