Patrícia Neves: Humanização do Parto para Mulheres Indígenas: Respeito à Cultura e à Tradição

Diretora do Hospital Maternidade de Angra dos Reis, Patricia Neves, conta como desenvolveu um processo de aproximação com a aldeia Sapucay para humanização dos partos indígenas no hospital

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Instagram Instituto Ideias

Patrícia Neves
Diretora do Hospital Maternidade de Angra dos Reis e do Instituto Ideias

A humanização do parto é um movimento que busca valorizar a mulher como protagonista do processo de gestação, parto e pós-parto, reconhecendo seu direito à informação, escolha e a um atendimento digno e respeitoso. Quando falamos em mulheres indígenas, a necessidade de humanizar o parto vai além. Trata-se de respeitar uma cultura milenar, reconhecendo suas práticas, crenças e valores, especialmente no contexto da maternidade.

Para muitos povos indígenas, o processo de gestação e parto é carregado de significados espirituais, sociais e culturais. Os rituais, as práticas e as tradições que acompanham esse momento têm um papel crucial na vida da comunidade e na relação entre mãe, filho e a natureza.

Embora na maioria das vezes os partos aconteçam nas próprias aldeias, em algumas situações há a necessidade de que eles sejam realizados nas unidades hospitalares, para preservar a vida da mãe do bebê. Porém, sem os devidos cuidados, isso pode representar um choque cultural. O ambiente hospitalar, os procedimentos padrões e a falta de sensibilidade de muitos profissionais podem tornar a experiência do parto traumática para as mães indígenas, com consequências graves como depressão pós-parto e mesmo na recusa em dar à luz em condições seguras.

Advertisement
WhatsApp Image 2023 11 07 at 20.00.39 Patrícia Neves: Humanização do Parto para Mulheres Indígenas: Respeito à Cultura e à Tradição
Patrícia Neves, diretora do HMAR e do Instituto Ideias

Foi pensando nisso que, há pouco mais de um ano, a equipe técnica do Hospital Maternidade de Angra dos Reis (HMAR) começou a desenvolver um processo de aproximação com a aldeia Sapucay, a maior do Estado, onde segundo o Censo 2022 vivem 339 indígenas da tribo guarani, a apenas seis quilômetros de distância da BR 101 (Rodovia Rio-Santos).

Nossa intenção em nossa primeira visita não era ensinar nada, mas sobretudo aprender sobre eles, e em que poderíamos mudar em nossos processos internos para melhor acolher as indígenas que precisassem ou eventualmente preferissem fazer seus partos no hospital. E assim foi feito.

A primeira mudança foi na alimentação. Na cultura guarani, uma série de alimentos não podem ser consumidos no chamado período de resguardo, tais como café, carne vermelha, leite, farinha, mandioca, açúcar, entre outros. Por isso, adaptamos a dieta oferecida a essas mães, com uma alimentação baseada em frango novo, arroz, mingau, milho e derivados e arroz, conforme preconiza a tradição indígena.

Além disso, a parturiente guarani também tem por costume enterrar a placenta após o nascimento do bebê. No HMAR, as mães podem sair da unidade carregando sua placenta devidamente acondicionada, possibilitando esse importante ritual.

Ainda há um longo caminho a percorrer, mas a experiência do HMAR mostra que a capacitação de profissionais, a adaptação dos ambientes e a integração permanente com a comunidade é o caminho para a integração e respeito das diferentes culturas. A humanização do parto para mulheres indígenas é uma questão de direitos humanos. Respeitar os rituais desses povos é reconhecer a riqueza e diversidade do nosso país.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Patrícia Neves: Humanização do Parto para Mulheres Indígenas: Respeito à Cultura e à Tradição
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui