Pescadores artesanais reclamam de pesca predatória em Paraty

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

Na Baía de Paraty, nas regiões de Cajaiba, Calhaus, Martim de Sá e Ilha do Algodão, pescadores artesanais reclamam da presença recorrente de grandes barcos de pescas chamados de “atuneiros”, que praticam pesca predatória, desestabilizando a situação dos trabalhadores locais, que não têm estrutura para competir com as embarcações maiores.

De acordo com os pescadores, as grandes embarcações agem sem fiscalização dos órgãos municipais, estaduais e federais, capturando o patrimônio pesqueiro das comunidades artesanais de pesca sem nenhum tipo de supervisão.  Pescam toneladas de juvenis, sardinha verdadeira, boqueirão e outras espécies.

“[As grandes embarcações] carregam elevadas quantidades e operam de forma irregular na proximidades das áreas costeiras na pesca de isca vivas, operando no período noturno, tendo em nossa região geográfica ilhas, alto-fundos e tráfego intenso de embarcações“, frisam os trabalhadores da pesca de Paraty.

A ação dessas grandes embarcações foi filmada pelos trabalhadores locais. As imagens foram feitas no último dia 22/06, o que torna o problema ainda maior, pois, durante a pandemia causada pelo Coronavírus, uma série de restrições de circulação de pessoas e veículos foi imposta em Paraty.

Advertisement

Leia também

‘Guadalupe’, ‘Lobo Júnior’, ‘Fiocruz’ e mais: confira os nomes das 20 estações do BRT Transbrasil

Dengue: Ministério da Saúde envia 1º lote de vacinas enquanto RJ intensifica medidas de combate

“Queremos que os órgãos responsáveis, junto ou separadamente, ajam com a finalidade de fiscalizar, controlar e proteger as áreas de pescas da Baía de Paraty”, dizem os pescadores.

O mesmo vem acontecendo em na Baía de Sepetiba, como mostrou o DIÁRIO DO RIO há alguns dias.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Pescadores artesanais reclamam de pesca predatória em Paraty

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui