Pessoas com deficiência se manifestam pelo direito de pagar meia-entrada no transporte para o Cristo Redentor

Dezoito associações se uniram em prol da campanha alegando que idosos e crianças têm acesso ao benefício, enquanto PCDs são excluídas

Foto:Alexandre Macieira/ Rio CVB

Um abaixo-assinado envolvendo dezoito associações que atuam em defesa das pessoas com deficiência reivindica o direito à meia-entrada no Cristo Redentor, no Rio de Janeiro. Aberta na plataforma Change.org, a petição já acumula mais de 13 mil assinaturas.

Encabeçada pelo Grupo Juntos (Associação Juntos por um Mundo Inclusivo), a campanha questiona qual é o critério para a concessão do benefício, visto que alguns grupos – como idosos e crianças – têm direito à meia-entrada enquanto as pessoas com deficiência, não.

“Se foi possível abrir exceções para alguns grupos, por que deixaram de fora as pessoas com deficiência?”, pergunta a associação no texto do abaixo-assinado.

O manifesto tem participação de outras 17 entidades que apoiam pessoas com diferentes tipos de deficiência e autistas, como a ADVERJ (Associação dos Deficientes Visuais do Estado do Rio de Janeiro), o MOAB (Movimento Orgulho Autista Brasil), o Movimento Paratodos, entre outras. Leia o texto na íntegra. O manifesto segue aberto.

“Tudo o que queremos é ter nosso direito respeitado. Reflita que se no Cristo Redentor não estamos tendo esse direito, vários outros estabelecimentos também utilizam brechas, alegações e manobras para não concederem meia-entrada às pessoas com deficiência. Resolver essa questão no Cristo Redentor vai abrir portas para exigirmos respeito dos demais estabelecimentos”, pondera Carla Rocha Curi, colaboradora voluntária do Grupo Juntos.

A petição enfatiza que a meia-entrada é um direito previsto na Lei Federal 12.933/2013, mas que os administradores do monumento alegam não ser obrigados a conceder o benefício.

“A desculpa gira em torno de que a visita ao Corcovado não é caracterizada como atividade cultural, por estar sob a jurisdição do Ministério do Meio Ambiente, e não da Cultura”, fala o Grupo Juntos no abaixo-assinado. “Curioso é que o próprio site do local reconhece que o Cristo Redentor faz parte da cultura da nossa cidade maravilhosa”, completa o movimento.

O Santuário Arquidiocesano Cristo Redentor esclarece que “a gestão das bilheterias é das concessionárias. E o Santuário possui vários projetos e eventos voltados para as pessoas com deficiência. Lembrando que, inclusive, várias visitas sociais são feitas em que pessoas com deficiência sobem ao Santuário gratuitamente“.

A reportagem do DIÁRIO DO RIO tentou contato com os transportes que operam no Cristo Redentor, mas não conseguiu retorno. A matéria está aberta para esclarecimentos e atualizações.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui