‘Piscinão’ da Praça da Bandeira completa 10 anos de operação

Reservatório da Praça da Bandeira foi construído pela Prefeitura do Rio para reduzir as enchentes na Praça da Bandeira e entornos

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Prefeitura do Rio/Marcelo Piu

Há dez anos, o reservatório da Praça da Bandeira entrava em operação. O primeiro “Piscinão”, como é conhecido, foi construído pela Prefeitura do Rio, por meio da Fundação Rio-Águas, na Grande Tijuca, e contribuiu para reduzir as enchentes na Praça da Bandeira e entorno. A praça é um dos principais eixos viários da cidade, ligando Zona Sul, Centro e Zona Norte, e durante anos ficou conhecida pelas recorrentes e severas enchentes que ocorriam, principalmente no verão.

Para moradores, comerciantes, motoristas e transeuntes, as obras surtiram efeito. “Não se vê mais as enchentes que víamos aqui. Já peguei água pelo meio da parede do mercado. Tinha até que chamar os bombeiros para resgatar as pessoas do alagamento“, lembra Osvaldo Alves, 62 anos, morador da região há 38 anos.

O taxista André Luis Correa, 59 anos, ressalta o antes e depois dos piscinões. “Sou taxista há 15 anos. Já peguei enchente na Praça da Bandeira que a água chegava até o vidro da porta do carro. Depois da obra, melhorou muito”, destaca Correa.

O primeiro “piscinão” foi entregue em 29 de dezembro de 2013, na Praça da Bandeira, com capacidade para reservar até 18 milhões de litros de água, o que equivale a 18 mil caixas d’água de 1000 litros. O sistema criado pela primeira fase das obras contra enchentes da Grande Tijuca é composto pelos conhecidos “piscinões”, que foram construídos nos subsolos das praças da Bandeira, Varnhagen e Niterói. Juntos, os reservatórios podem acumular  até 118 milhões de litros de água, o que equivale a cerca de 50 piscinas olímpicas.

Advertisement

A construção deles foi a solução técnica encontrada pela Prefeitura do Rio para reservar as águas pluviais e dos rios, durante as fortes chuvas de verão. Os volumes são armazenados e liberados de maneira controlada, reduzindo as enchentes.

O desvio do Rio Joana também faz parte do sistema, com um dos maiores túneis de drenagem urbana do país. Foi criado um segundo deságue para esse rio, diretamente na Baía de Guanabara, por meio de um desvio de 3,4 km, em túnel subterrâneo e galeria, que passa pelo Morro da Mangueira, São Cristóvão e deságua na baía.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp 'Piscinão' da Praça da Bandeira completa 10 anos de operação
Advertisement

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui