Hoje em dia, se o carioca ou o turista que visita o Rio de Janeiro quiser aproveitar uma praia para afogar o calor do verão precisa ir para as Zonas Sul ou Oeste. Mas, o que muita gente não sabe é que o centro da Cidade Maravilhosa também já teve suas praias.

Até o fim do século XIX, a cidade do Rio de Janeiro era cercada de praias. No entanto, surgiram os aterros para que a cidade “ganhasse chão” e construções fossem erguidas e muitas dessas faixas de areia banhadas pelo mar sumiram. Nesse texto, O Diário do Rio aponta algumas.

Praia de Santa Luzia

Praia de Santa Luzia

Essa praia ficava em frente à igreja que tem o mesmo nome. Além do templo religioso também foi construída na extinta praia a Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, fundada em meados do século XVI e em funcionamento até hoje no mesmo local, que na época era uma região considerada isolada, devido ao Morro do Castelo.

No início do século XX, a praia de Santa Luzia era uma opção de lazer para a população carioca. Porém, em 1905, o prefeito Pereira Passos mandou construir no local garagens para os barcos dos clubes de remo. Foi o início da descaracterização do espaço.

[iframe width=”100%” height=”90″ src=”https://diariodorio.com/wp-content/uploads/2015/05/superbanner_66anos.swf-3.html”]
Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis contribui para a valorização da cultura carioca

Em 1922, com a derrubada do Morro do Castelo, foi construída a Esplanada do Castelo, mas ainda era possível nadar na praia de Santa Luzia, mesmo com a diminuição da faixa de areia. Na década de 1940, a ampliação do aterro para a construção do Aeroporto Santos Dumont eliminou o que restava da praia.

Praia da Gamboa

Praia da Gamboa

Nessa região, uma das principais atividades era a pesca. A Praia da Gamboa era vizinha da Praia da Saúde. Naquele local havia pescadores profissionais e moradores das proximidades que ali armavam “gamboas” – pequena represas com intuito de capturar peixes. Daí veio a origem do nome.

A construção do porto do Rio de Janeiro, no século XX, necessitou de uma vasta quantidade de aterro que acabou escondendo a Praia da Gamboa. Em cima desses aterros foram erguidas enormes edificações, conhecidas como trapiches ou grandes armazéns e depósitos.

Os cenários naturais e originais desapareceram, as atividades de pesca que então existiam também sumiram. Os aspectos econômicos e culturais do local mudaram. Assim o bairro foi bastante descaracterizado, mergulhando então nas feições de uma zona portuária.

Outras praias que desapareceram

7382

Além dessas duas praias citadas, outras do centro da Cidade Maravilhosa também foram extintas. Desapareceu a Praia da Ajuda por conta de aterros em frente à Cinelândia. A Praia Dom Manuel e Praia do Peixe, que ficavam uma de cada lado da Praça XV, bem como a própria praia em frente a Praça XV, que chegava próxima à Rua Primeiro de Março no início da colonização, também deixaram de existir.

Entre a Praça XV e Praça Mauá, tudo era uma faixa de praia, chamada de Prainha. Existiu também (como citado no texto que fala da Praia da Gamboa) a praia do bairro da Saúde. Outros bairros que hoje compõem a zona portuária da cidade também perderam suas praias ou enseadas, caso de São Cristóvão, por exemplo.

Alguns historiadores e pesquisadores apontam que a região do porto do Rio tinha cenários pitorescos, mas que ações como as que levaram aos aterros dessas áreas se faziam necessárias na época para o desenvolvimento da cidade. A forma como foram feitas é que são discutíveis.

8 COMENTÁRIOS

  1. Enfim a pergunta para a pessoa que fez a tal materia que é cheio de curriculo porém nao resolve essa questao ….
    PORQUE aterraram as praias????.?
    so faltou saber disso….fica a dica

  2. O mar não encolhe. A natureza aparenta ser cordata porém além de impessoal é absoluta e creio que sua trajetória é imutável. Há de se ter cuidado com os avanços nos leitos naturais. Tudo o que vemos e usamos é natureza. Vamos usá-la sem medo mas com regras.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui