Preços non-sense da Ponte Aérea Rio-SP seriam obstáculo para negócios e desenvolvimento

Para Associação Rio Vamos Vencer há a necessidade urgente de revisão na Política Aérea para garantir estabilidade e crescimento sustentável

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Aeroporto Santos Dumont | Foto: Divulgação

A variação de preços nas passagens da Ponte Aérea Rio de Janeiro – São Paulo, uma das rotas mais movimentadas e vitais do Brasil, tem sido um obstáculo significativo para o desenvolvimento econômico e o avanço dos negócios. Segundo levantamento feito pela Associação Rio Vamos Vencer (RVV) no último dia 24/9, o preço ida e volta do Aeroporto Santos Dumont (SDU) ao Aeroporto de Congonhas (CGH), para viajar no dia seguinte, custava até R$ 8 mil, mais do que uma passagem internacional.

Isso afasta passageiros, prejudica os negócios e cria obstáculos para o crescimento econômico do Rio de Janeiro”, enfatizou o presidente da RVV, Marcelo Conde, acrescentando que a entidade está muito preocupada com o desestímulo da vinda ao Rio, em função da variação dos preços. “Precisamos de negócios e de turismo. Esta semana, o Rio receberá a 50ª edição da Abav Expo, o maior encontro de Turismo da América Latina, e os valores exorbitantes das passagens prejudicam e até impedem que profissionais do setor venham para o evento”, reforçou Marcelo Conde.

O empresário e membro da RVV, Marco Adnet, destaca que é imperativo cobrar medidas imediatas dos governos Federal e Estadual para eliminar esse custo inviável da Ponte Aérea. “Isso pode incluir incentivos fiscais para as companhias aéreas que operam nesta rota, regulamentações que garantam preços justos e competitivos e a busca por soluções que melhorem a infraestrutura aeroportuária, reduzindo os custos operacionais”, sugere Adnet.

A vice-presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens Nacional (Abav Nacional) e integrante da RVV, Cristina Fritsch, reforça que os preços exorbitantes e voláteis das passagens afetam não apenas viajantes a negócios, mas também pessoas que precisam viajar por motivos familiares, de saúde ou outros. “Isso sem mencionar o impacto gerado nas empresas, uma vez que a incerteza nos preços das passagens afeta os custos operacionais e a mobilidade de funcionários, prejudicando a eficiência dos negócios”, acrescentou Cristina Fritsch.

Advertisement

Marcelo Conde reforça que, além do problema dos preços altos e voláteis, existem outras questões que fizeram com que a Ponte Aérea perdesse todas as características e vantagens de quando foi instituída. O dirigente ressalta ainda que, na regulamentação atual, não existe nenhum tratamento diferenciado para os voos de grande volume e frequência, como os operados na rota SDU-CGH. “A Ponte Aérea foi criada com o objetivo de oferecer passagens com o mesmo preço, horários predeterminados, facilidades para o embarque e nenhuma dificuldade para alteração de horários. E todas essas características se perderam ao longo dos anos”, salientou o dirigente.

A RVV já enviou uma correspondência para a presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), Jurema Monteiro; para a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC); para o ministro do Turismo, Celso Sabino; para o vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin, e para o ministro dos Portos e Aeroportos, Silvio Costa.

No documento, além do pedido de uma revisão na política de preços, são apontados alguns aspectos que também precisam de atenção, que incluem: endosso de passagem, malha de voos sem superposição de horários entre as companhias aéreas, definição de valores mínimos e máximos no preço das passagens, alteração de horário sem multa ou penalização do passageiro para voos no mesmo dia e facilidade no embarque.

Rogamos às autoridades competentes e às companhias aéreas que considerem seriamente a necessidade de regulamentar os preços das passagens e revisar o modelo de atuação da Ponte Aérea. Isso não se trata de limitar a liberdade de mercado, mas sim de garantir que voar entre duas das maiores cidades do Brasil seja acessível e justo para todos”, finalizou Marcelo Conde. 

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Preços non-sense da Ponte Aérea Rio-SP seriam obstáculo para negócios e desenvolvimento
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui