Prefeitura do Rio abre sindicância para apurar conduta de servidor suspeito de participar de vandalismo em Brasília

O servidor municipal Odivan Betcel Bentes é apontado como um dos organizadores de caravanas que resultaram em atos terroristas no DF

Bolsonaristas sobem no Congresso Nacional, em Brasília (Foto: Afonso Ferreira/TV Globo)

Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, instaurou, nesta quarta-feira (11/01), uma sindicância para apurar o envolvimento do técnico de enfermagem, Odivan Betcel Bentes, de 54 anos, na organização de caravanas para ato antidemocrático em Brasília, no último domingo (8/01). De acordo com o portal de notícias “G1“, o homem não aparece para trabalhar há três dias.

O servidor, que atualmente trabalha no Centro Municipal de Saúde Madre Teresa de Calcutá, na Ilha do Governador, aparece em várias listas como integrante do grupo que viajou para a capital federal para praticar atos terroristas que culminaram com a destruição do Palácio do Planalto, do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal. E em pelo menos uma delas, ele aparece como organizador de uma caravana.

O processo (09/31/000 029/2023) assinado pelo secretário da pasta, Daniel Soranz, determina que o servidor terá até 45 dias, contados da data de publicação, para ser explicar a uma comissão integrada que foi instituída pela secretaria. De acordo com o poder municipal, caso seja indiciado pelo envolvimento nos atos em Brasília, Odivan estará sujeito a exoneração.

Ao ser questionado, o suspeito afirmou também que, além de ser técnico de enfermagem, ele organiza caravanas de turismo e negou que fosse um dos organizadores da caravana golpista que rumou do Rio até Brasília e que tenha ligação com a liderança do grupo antidemocrático que acampou em frente ao QG do Exército, no Centro.

Advertisement

2 COMENTÁRIOS

  1. Se é servidor, precisa esclarecer melhor…

    Sendo concursado, não pode ser exonerado, a não ser a pedido do próprio, ou esteja em estágio probatório nos 3 primeiros anos… depois que adquirida a estabilidade, só é exonerado a pedido ou demitido por processo disciplinar.

    Se ocupante de cargo exclusivamente em comissão (não concursado), então de livre nomeação e exoneração, tem que não precisa de prazo nem justificativa para exonerar… pode a qualquer tempo sem justificativa ser mandado pra casa.

  2. Se ele não aparece há 3 dias

    Se a lei prevê como abandono de cargo a falta ao serviço por 10 dias consecutivos, ou 20 dias ao longo de um ano, então, talvez nem precise desse prazo de 45 dias…

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui