Prefeitura de Petrópolis aciona Justiça para desapropriação da ‘Casa da Morte’

No local, foram torturados e mortos alguns dos opositores políticos dos governos militares brasileiros

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Casa da Morte / Wikipédia

A Prefeitura de Petrópolis protocolou ação na 4ª Vara Cível da Comarca de Petrópolis para a desapropriação da “Casa da Morte”, imóvel onde foram torturados e mortos alguns dos opositores políticos dos governos militares brasileiros. Com a desapropriação da casa, que é tombada pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac), a Prefeitura pretende criar o Memorial de Liberdade, Verdade e Justiça, destinado à preservação histórica, para que crimes como os ali cometidos não mais ocorram.

O Ministério dos Direitos Humanos (MDH) apoiará a desapropriação através da disponibilização de recursos financeiros para a conclusão do processo. Na última semana, representantes da Prefeitura e do MDH participaram de um encontro para tratar do assunto.

“A desapropriação dessa casa usada para assassinar e torturar cidadãos e cidadãs brasileiros é uma luta que começou lá atrás, mas por falta de recursos não conseguimos concretizar. Agora, com o comprometimento do Ministério dos Direitos Humanos estamos confiantes que o processo será finalizado e que vamos conseguir instalar naquele local um memorial para as vítimas da ditadura para que esta parte triste da nossa história nunca mais se repita”, repercutiu o prefeito Rubens Bomtempo (PSB).

O secretário de Governo, Marcus São Thiago, que participou do encontro, ressaltou que o pedido de desapropriação da “Casa da Morte” representa um marco histórico levado à diante pelas mãos Procuradora Vanessa Seguezzi, do Ministério Público Federal (MPF). São Tiago ressaltou ainda que, depois de tantos anos de luta, é necessário que o local seja gerido por uma instituição independente, para que não haja descontinuidade.  

Advertisement

Leia também

Águas do Rio alega não saber sobre situação da Cedae mas presidente foi diretor da empresa – Bastidores do Rio

Antiga garagem da Silveira Martins é vendida por R$19,7 milhões a incorporadora

“Nossa intenção é que a Universidade Federal Fluminense (UFF) possa assumir a gestão do Memorial a ser criado, assim garantiremos que continue funcionando independentemente de governos e cumprindo o seu papel, que é a preservação e resgate da memória de um tempo sombrio e autoritário da nossa história, para que as atuais e futuras gerações conheçam as atrocidades cometidas por um governo ditatorial e preservem a nossa democracia!”, comentou São Thiago.

O procurador Geral do Município, Miguel Barreto, destacou que as administrações petropolitanas sempre tiveram interesse em desapropriar a “Casa da Morte”, para, no local, edificar um projeto voltado para a defesa dos Direitos Humanos e da democracia.

“É uma luta de muitos anos onde contamos com o apoio de várias entidades e principalmente do Ministério Público Federal. Sempre foi interesse do município desapropriar o imóvel e tornar o local público para as pessoas conhecerem a necessidade da defesa intransigente dos direitos humanos e do estado democrático de direito”, disse o procurador Geral.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Prefeitura de Petrópolis aciona Justiça para desapropriação da 'Casa da Morte'

Advertisement

2 COMENTÁRIOS

    • Concordo plenamente!
      O que fizeram na redivisão dos royalties foi um assalto!
      Fosse num outro país formado por federação de estados como os EUA não ocorreria.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui