Prefeitura do Rio lança ‘Programa de Controle da Hipertensão na Gestação’

Para reduzir os óbitos entre as gestantes, a Prefeitura vai disponibilizar aparelhos de pressão às mulheres que estejam fazendo pré-natal na rede municipal de saúde

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Gisele de Souza recebe aparelho de medir pressão / Foto: Edu Kapps (Prefeitura do Rio)

O Programa de Controle da Hipertensão na Gestação é a nova ação da Prefeitura do Rio de Janeiro para ampliar o Plano Municipal de Redução da Morte Materna. O programa foi lançado, nesta quinta-feira (12), e tem como um das frentes a distribuição de aparelhos digitais para medição de pressão a gestantes e puérperas (mulheres que tenham dado à luz em até 45 dias) com quadro de hipertensão prévia ou desenvolvida durante a gravidez.

A Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS), que está à frente do programa,  pretende melhorar o controle da pressão arterial das mulheres que foram diagnosticadas com hipertensão nas consultas de pré-natal, e assim, reduzir a mortalidade materna no município. A SMS comprou 5 mil aparelhos, que serão destinados às 238 unidades de Atenção Primária (clínicas da família e centros municipais de saúde) em toda a cidade.

Presente ao lançamento do programa, o prefeito Eduardo Paes (PSD) destacou a necessidade de oferecer qualidade de vida às gestantes.

“Nesse momento tão especial da vida da mulher, a gente imaginar que tem mãe morrendo é inaceitável. Gravidez não é doença. Mas tem que ter atenção, monitoramento. A gente fica muito feliz de contribuir para isso, que mais vidas sejam salvas, para que nesse momento de plenitude elas possam ter conforto, tranquilidade, saber em qual maternidade terá o filho. A gente tem que dar esse direito às pessoas. Que as crianças que vão nascer possam viver num mundo melhor, numa cidade melhor. Vocês carregam o futuro do país e nós queremos tratar isso com muito carinho”, disse Paes durante a cerimônia, na qual foram distribuídos medidores de pressão.

Advertisement

O monitoramento da pressão arterial é fundamental para uma gestação sem intercorrências, como a eclampsia, quando a pressão da gestante ultrapassa 140 x 90 a partir da 20ª semana de gravidez. A doença, que é grave, pode ser manifestada por dores de cabeça, inchaço nas pernas, dores no abdome e alterações na visão. Em casos mais graves, a mulher pode sofrer convulsões e ir a óbito.

“Hoje a Prefeitura do Rio começa a distribuir um aparelho de pressão a todas as gestantes que possam ter risco de hipertensão gestacional. Por isso é importante que essas mulheres procurem uma unidade básica de saúde para realizar o pré-natal, receber seu aparelho, as instruções para se proteger da hipertensão gestacional, que ainda é uma das principais causas de óbito na cidade. Espero que a gente consiga avançar nessa meta estratégica, que é reduzir a mortalidade materna na cidade”, afirmou o secretário Municipal de Saúde, Daniel Soranz (PSD).

Os medidores de pressão serão disponibilizados, juntamente com uma cartilha de orientação, às gestantes diagnosticadas com hipertensão e que estejam fazendo o acompanhamento pré-natal no Sistema Único de Saúde (SUS), em qualquer uma das unidades do município. As pacientes poderão ficar com aparelho até dois meses após o parto. Findado o prazo, o equipamento deve ser devolvido à unidades de saúde para que outras gestantes sejam beneficiadas com o recurso.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Prefeitura do Rio lança 'Programa de Controle da Hipertensão na Gestação'
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui