Programa de moradias populares da Prefeitura entrega 640 unidades no Rio

Trata-se do projeto ''Casa Carioca''; ao todo, foram 540 no Complexo da Maré e 100 no Morro da Providência

Foto: Divulgação

A Prefeitura do Rio de Janeiro entregou, nesta quarta-feira (21/12), 640 casas reformadas pelo Projeto Casa Carioca, da Secretaria Municipal de Ação Comunitária, sendo 540 no Complexo da Maré e 100 no Morro da Providência. Até o momento, nesta primeira fase do programa, já foram beneficiadas mil moradias nos complexos da Penha, do Alemão, da Maré e do Jacarezinho, e na Providência e em Vila Kennedy. As intervenções vão possibilitar um ambiente seguro e saudável para famílias em situação de vulnerabilidade social.

“A casa é o lugar onde mais buscamos paz. Mas essa paz precisa de dignidade. E muitas pessoas não tinham isso nas suas moradias, sem elementos básicos como privada, revestimento e piso. A dificuldade das pessoas está muito além do que imaginamos e, com este projeto, conseguimos melhorar a vida das pessoas mais carentes do subúrbio carioca”, afirmou o subprefeito da Zona Norte, Diego Vaz, representando o prefeito Eduardo Paes.

A partir de 2023, outras comunidades receberão o programa. Estão previstas intervenções na Rocinha, na Cidade de Deus e nos complexos do Chapadão, do Lins e da Pedreira. Até 2024, o total de moradias beneficiadas pelo programa será de 20 mil.

A importância desse projeto é o resgate da dignidade das pessoas. É fazer com que sejam inseridas no restante da cidade, saindo da invisibilidade, com a Prefeitura ajudando no que necessitam. Estamos próximos do Natal, e muitos não tinham condições de melhorar suas casas. Agora, poderão ter uma ceia em suas novas casas – disse a secretária de Ação Comunitária, Marli Peçanha.

O Casa Carioca é pioneiro na quantidade de casas melhoradas com recursos de uma prefeitura. As famílias foram selecionadas pelo Instituto Pereira Passos, por meio do Programa Territórios Sociais. Para isso, precisavam ter renda mensal de até três salários mínimos e serem cadastradas no CadÚnico, além de residirem há pelo menos três anos no município e possuírem um único imóvel fora de área de risco.

Foram priorizadas famílias com mulheres como chefes de família; famílias com membros idosos; com pessoas com deficiência; com pessoas portadoras de doenças graves; com maior número de dependentes (igual ou maior que três habitantes utilizando o mesmo cômodo).

Entre as ações executadas estão troca de telhado, aumento de ventilação com a abertura de janelas e basculantes, colocação de portas, instalação de módulos hidrossanitários, adaptação em banheiros para pessoas idosas e com deficiência, instalação elétrica, pinturas e emboços.

“Essa obra foi de uma importância imensa. Restaurou a minha casa, que era bem ruim. Hoje, estou muito feliz, morando numa casa digna. Tenho certeza de que não vai cair nada, eu tinha receio do muro cair em cima de alguém”, disse a pensionista Vera Lúcia Jorge, de 66 anos, moradora do Complexo da Maré.

Favela com Dignidade

Tanto a Maré quanto a Providência também foram impactadas pelo programa Favela com Dignidade, que leva serviços e ações da Prefeitura do Rio às comunidades. A Vila do João, no Complexo da Maré, e o Morro da Providência, no Centro do Rio, tiveram a realização de obras estruturais como asfaltamento, limpeza, troca de iluminação e drenagem, iniciadas na primeira semana de dezembro.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui