Prestes a completar 85 anos, Cine Roxy reabre em 2023, no formato ‘dinner show’

Vendido aos empresários Alexandre Accioly e Dody Sirena, o local passa por amplas reformas para ser adequado ao novo modelo de negócio, uma casa de espetáculos

Um dos estabelecimentos icônicos de Copacabana, tradicional bairro da Zona Sul do Rio de Janeiro, o Cine Roxy retomará as sus atividades em 2023. Mas não como cinema. A casa reabrirá como um espaço de espetáculos no formato “dinner show”, no qual os frequentadores jantam enquanto apresentações artísticas acontecem. A ideia é reproduzir na cidade, o modelo de evento adotado em espaços como o histórico Moulin Rouge, na capital francesa; e a Le Extravagance, em Buenos Aires, Argentina.

Negociado pelo Grupo Severiano com os empresários Alexandre Accioly e Dody Sirena – ex-empresário do cantor Roberto Carlos – o Cine Roxy, atualmente, passa por amplas reformas para ser adequado ao novo modelo de negócio. Quem está no comando da revitalização é o arquiteto Sérgio Dias, responsável por resgatar a arquitetura original de 1937, em estilo Art Déco. O presidente do Instituto Art Déco, Marcio Roiter, festejou o empreendimento: ”manterá suas características Art Déco, projeto do Raphael Galvão de 1937. Os corrimãos que repetem os do “paquebot” L’Atlantique, inclusive. É sonho?

Os espetáculos terão direção do cenógrafo Abel Gomes e serão voltados aos turistas nacionais e estrangeiros. O cenógrafo estará à frente de uma equipe de 60 pessoas, entre bailarinos, passistas, figurantes e músicos voltados para a apresentação de espetáculos imersivos nos quais o público conhecerá o folclore, a riqueza musical e gastronômica das cinco regiões do Brasil.

Em suas redes sociais, Alexandre Accioly – sócio da rede de academias Body­tech e um dos sócios do Qualistage, casa de shows na Barra da Tijuca – destacou que, com a reabertura do espaço que está prestes a completar 85 anos, cariocas e turistas voltam a ter uma casa de espetáculos na qual será apresentado o “melhor da cultura brasileira,” com profissionalismo e respeito à “brasilidade.”

“O Rio de Janeiro que já teve os inesquecíveis e lendários Oba Oba, Plataforma e Scala, que foram vencidos por empreendimentos imobiliários, deixou sem nenhuma alternativa para cariocas, turistas nacionais e estrangeiros que visitam nossa cidade. Com certeza mostraremos o melhor da cultura brasileira com muito profissionalismo e respeito à nossa brasilidade”, disse Alexandre Accioly.

No mercado imobiliário, antes de ser negociado com os novos empreendedores, o velho cinema na esquina da Avenida Copacabana com a Rua Bolívar estava à venda por 30 milhões de reais, segundo informações obtidas pelo DIÁRIO.

Com informações da Band News Rio de Janeiro

Advertisement

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui