Projeto de lei que quer diminuir proteção do Rio Paraíba do Sul provoca debate e recebe críticas de ambientalistas

Uma audiência pública sobre o tema foi realizada nesta quinta na Alerj; André Ceciliano (PT), autor do projeto, fala em benefícios econômicos e geração de empregos sem perder proteção ambiental

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Rio Paraíba do Sul (Foto: Divulgação/CETESB)

Aconteceu na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), nesta quinta-feira, 01/02, uma audiência pública sobre o projeto de lei que extingue o Refúgio da Vida Selvagem do Médio Paraíba (Revismep) – que abrange as margens do Rio Paraíba do Sul – e cria uma Área de Proteção Ambiental Estadual do Médio Paraíba (Apamep), de autoria de André Ceciliano (PT-RJ). Para moradores, ambientalistas e Instituto Estadual de Meio Ambiente (Inea), o projeto 6475 é prejudicial ao meio-ambiente.

Diferentemente de um Refúgio de Vida Selvagem, uma Apa possibilita mais ações empresariais na região onde é estabelecida.

Durante a audiência pública que aconteceu na Alerj, o deputado Flávio Serafini, do PSOL, disse que “essa unidade de conservação não pode ser dinamitada. O desenvolvimento econômico na região permaneceu harmônico com o meio ambiente graças ao Revis”.

Na mesma audiência, André Ceciliano comentou: “Treze prefeitos da região do Médio Paraíba me mandaram cartas porque atualmente existem empresas que não estão conseguindo renovar suas licenças. São mais de 60 mil empregos. O objetivo é resolver o problema das empresas, se tiver uma solução retiro o projeto”.

Advertisement

Leia também

10 coisas que só quem anda de ônibus no RJ vai entender

Polícia Militar planeja ampliar sistema de reconhecimento facial para 650 câmeras no RJ

Entre as entidades ligadas à defesa ecológica contrárias ao PL estão o Movimento Baía Viva e a Articulação de Agroecologia do Médio Paraíba do Sul (AAMPS).

Para Sérgio Ricardo, do Movimento Baía Viva “não resta dúvidas que o objetivo deste PL é desproteger e vulnerabilizar do ponto de vista legal o estratégico Rio Paraíba do Sul para atender aos interesses econômicos da extremamente poluidora Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) que mantém ilegalmente junto com a anglo-americana HARSCO METALS um enorme depósito de lixo químico (formado por escória de aciaria oriundo do seu processo de produção) com um volume de mais de 4 milhões de toneladas que está localizada a apenas 50 metros do espelho d’água deste manancial”.

Em documento, o Inea ressalta que o Decreto Legislativo 72/2022 publicado no Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro sustou os efeitos do Decreto Estadual 45.659/16 que criou o Refúgio de Vida Silvestre Estadual do Médio Paraíba e pediu o arquivamento do PL.

“Não somos favoráveis às propostas apresentadas, tendo em vista que as mesmas enfraquecem as ações de proteção deste ambiente tão biodiverso e essencial para manutenção da qualidade de vida da população sul fluminense e todos aqueles que dependem do Rio Paraíba do Sul com fonte de água, lazer, pesquisa, educação e geração de renda (principalmente negócios de matrizes sustentáveis)”, argumenta o Instituto.

O deputado André Ceciliano afirmou, também, que é possível promover desenvolvimento na região e ter proteção ambiental com a Apa: “As cidades do Sul Fluminense nasceram e se desenvolveram ao redor do Rio Paraíba do Sul. São 13 municípios que abrigam população de mais de 973 mil habitantes. Os 13 municípios possuem 855 estabelecimentos no setor de agropecuária e 1.961 estabelecimentos na indústria. Juntos, estes dois setores concentram 2.816 estabelecimentos, sendo equivalente a 16% de todas as empresas na região Sul Fluminense”, disse o deputado.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Projeto de lei que quer diminuir proteção do Rio Paraíba do Sul provoca debate e recebe críticas de ambientalistas

Advertisement

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui