Quais foram os grandes vencedores e perdedores das eleições 2022 do Rio de Janeiro?

O PL, Cláudio Castro, Molon, PT e PSol foram vencedores das eleições 2022 do Rio. Enquanto Marcelo Freixo e o grupo de Rodrigo Maia os maiores perdedores, e quanto a Paes?

Foto: Rogério Santana

O grande vencedor das eleições do Rio de Janeiro foi o PL de Jair Bolsonaro, fez dezenas de deputados estaduais e federais, o governador, mais o senador e, apesar do que dizia a maioria das pesquisas (exceção da Prefab Future que publicamos aqui no DIÁRIO com exclusividade) o presidente do PL também venceu aqui. Altineu Côrtes passa a ser a maior liderança política do Rio de Janeiro, a grande figura por trás dos panos.

O governador Cláudio Castro, ao conquistar a própria cadeira no 1º turno, também é um grande vencedor. Terá um governo mais calmo no seu princípio, teve o referendo da população que o aprovou e às suas realizações. Fez seus compromissos? Fez, mas ainda assim pode governar com calma, pelo menos até as próximas eleições municipais. Pode manter seu excelente time técnico, coordenado pelo competente Nicola Miccione, quase uma unanimidade quando o assunto é competência.

Alessandro Molon (PSB) também é uma espécie vitorioso, brigou com toda a esquerda política para ser candidato ao Senado. Perdeu, mas acabou terminando em 2º lugar, e talvez se o PT o tivesse apoiado, hoje teria sido eleito como Senador. E isso mesmo levando a pecha de causador do bloqueio das operações da PM nas favelas. Vira uma força política para 2024, pode ser candidato contra Eduardo Paes nas eleições municipais, ou pode ser candidato ao Senado de novo em 2026. Não importa, contra tudo e contra todos, Molon conquistou seu espaço e está de parabéns.

O PT e o PSol também saíram-se bem por aqui, conquistaram várias cadeiras na Alerj e na Câmara, e devem formar uma bancada juntos para fazer oposição aqui no estado ao governo Castro. Em Brasília, bem, vamos esperar o 2º turno; a coisa está bem embolada.

Derrotados? Marcelo Freixo (PSB) sem dúvidas, ele fica menor, cada vez menor. Deixa aquela impressão de que é o ”inimigo ideal”, daqueles que estão mesmo carimbados pra perder. Simplesmente há que se reconhecer que não tem capacidade de vir para uma eleição majoritária, perdeu como candidato a prefeito até para Marcelo Crivella, ao governo não conseguiu, mesmo com todos os apoios, ir ao 2º turno. Deve vir vereador nas próximas eleições e aumentar a bancada de seu partido e voltar a ser deputado federal, talvez. Sua guinada em direção ao centro acabou deixando ele menor ainda. É um dos maiores perdedores do pleito.

Crivella é outro derrotado, com uma promessa de puxador de voto, teve pouco mais de 100 mil votos; irrisório, para um puxador de votos evangélicos. O Republicanos fez 3 cadeiras, nada demais, faria isso tendo ele como candidato ou não. Talvez se o partido tivesse cumprido o desejo dele ser candidato ao Senado, ele poderia ter sido eleito e tivesse sido melhor para o partido.

Os Maias foi outro grupo mais que derrotado, o PSDB de Rodrigo Maia não conseguiu fazer uma única cadeira para deputado federal ou deputado estadual. O grupo político agora deverá repensar todos os seus movimentos políticos, e até mesmo se continua existindo. Acabaram engolidos de forma triste e melancólica, como que por um buraco negro.

O Novo, que elegeu 2 estaduais e 1 federal em 2018, este ano não conseguiu fazer nenhuma cadeira, apesar das promessas de Carol Sponza para federal e George Neder para estadual, ambos fizeram uma boa campanha. Agora o partido precisa repensar seu modus operandi: o vereador Pedro Duarte é elogiado em todos os círculos, e é uma liderança mesmo como vereador júnior. Chegou a hora do Novo escutar o jovem.

E quanto a Eduardo Paes (PSD)? Fez 3 federais e 6 estaduais (embora 2 efetivamente ’seus’), é um vencedor ou um derrotado? Ele esperava fazer bem mais mas não conseguiu; mas ainda assim, o PSD cresceu. Daniel Soranz (PSD) salvou o dia mas meio que decepcionou na votação; apesar de ter sido o mais votado do partido, com quase 100.000 votos. Pedro Paulo também entrou, mas sem votação surpreendente. A veterana Laura Carneiro não brilhou, mas atingiu quase 50.000 votos e fez sua esperada cadeira. Parou por aqui. O queridinho Marcelo Calero naufragou feio e inesperadamente (para ele). Todo incensadinho, quase um Big Brother, mas padeceu no paredão do povo. Renan Ferreirinha até fez bonito pra alguém jovem que defende uma pauta como a da educação (quase sempre desvalorizada), mas não entrou. Chicão Bulhões, que parecia querido, teve votação bem pífia, apesar de queridinho de muitos empresários. Não atingiu nem 10.000 votos. Por outro lado, como deputado estadual conseguiu emplacar seus correligionários Guilherme Schleder e Eduardo Cavaliere e mais 4 menos próximos pro PSD, o que é um belo gol.

Paes não viu ainda surgir nenhum nome que possa avançar contra ele em 2024: há quem creia que até Molon não seria grande perigo. Freixo já deu. Quem sabe um candidato de Castro? Bem, talvez… seu partido terá 6 estaduais para tentar segurar os ímpetos do governador na capital: dois, de sua confiança.

Outros grandes derrotados são Chiquinho da Mangueira e os irmãos Picciani.

Advertisement

15 COMENTÁRIOS

  1. A maioria que entrou ( incluindo o governador é claro) parecem que querem fazer o rio andar pra frente… Boa vontade eles tem.. então, Boa Sorte!!!

  2. Nos comentários sobre Eduardo Paes, onde seu partido PSD é mencionado, o nobre articulista deixou de mencionar o Deputado Hugo Leal, que ficou em 23*lugar na bancada de 46 deputados, com mais de 50 mil votos. Leal, que foi o autor da Lei Seca, de enorme repercussão em todo o pais, tem como reduto eleitoral a região serrana do estado do Rio de Janeiro e vai para seu quinto mandato consecutivo. Some-se a isso que o atual governador Cláudio Castro, que ganhou fácil sua reeleição no primeiro turno, começou sua carreira política na equipe de assessores de Hugo Leal e é, até hoje, seu amigo pessoal. Em minha opinião, como jornalista que sou, Leal tem peso, robustez e importância política nos caminhos do partido, não só no estado do Rio de Janeiro mas, também, nacionalmente!

  3. Quandp vi o título da matéria, já sabia aue era do Quirino. Cara, qual seu problema (pessoal) com o Eduardo Paes? Não vejo UMA matéria sequer elogiando os feitos do prefeito, ao contrário, só mete o malho no cara e, por outro lado, enaltece todo e qualquer adversário.

    Outra coisa, dizer que PT e PSOL conquistaram “várias cadeiras”… Está de sacanagem, né? Ampliaram em 04 deputados suas bancadas (JUNTOS). Isso é uma “vasta ampliação???

  4. Só no mundinho paralelo do Quintino o Nicola Miccione é um bom secretário, olha o edital vergonhoso do maracanã, esvaziamento absoluto do Galeão e nenhuma estratégia concreta para retomar o protagonismo, a mesma coisa com o Claudio Castro outro incompetente, vai roubar muito o Rio de Janeiro, deve ta sorrindo de orelha a orelha.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui