Quase metade dos moradores de favelas do Rio ganham menos de 1 salário mínimo, aponta pesquisa

Ao todo, a Secretaria Municipal da Juventude ouviu 6.000 moradores de favelas cariocas, além de mais de 400 jovens atendidos pelo programa Pacto Pela Juventude

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Favela da Rocinha. Foto: Daniel Martins/DIÁRIO DO RIO

Seis mil moradores de favelas cariocas foram entrevistados entre 20 de fevereiro e 2 de abril de 2023, para uma pesquisa realizada pela Secretaria Municipal da Juventude (JuvRio). Também participaram a levantamento mais de 400 jovens, de 42 favelas, atendidos pelo Pacto Pela Juventude, projeto da JUV Rio em parceria com a Unesco. A pesquisa tem 95% de nível de confiança.

De acordo com o levantamento, 49% da mostra disse ganhar menos de um salário-mínimo, cujo valor atual é de R$ 1.320,00. Entre os entrevistados apenas 2% disseram ganhar acima de cinco salários. No que diz respeito à ocupação, 41% afirmaram estar desempregados.

Na avaliação por nível de escolaridade, 60% dos entrevistados declararam que concluíram o ensino médio; 17% o fundamental II e 11% o fundamental I. Ainda de acordo com o levantamento, somente 8% tem nível superior e 2% à pós-graduação. Outros 2% não responderam.

Na pesquisa também foram analisadas outras variáveis. Entre elas:  religião, acesso à cultura e ao lazer e à tecnologia.

Advertisement

78% têm acesso à internet;

69% são solteiros;

65% moram em casa própria, e 27% pagam aluguel;

38% não tem acesso ao lazer e cultura;

31% se declararam evangélicos;

30% possuem deficiência que compromete a prática de exercícios físicos.

Informações: Veja Rio

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Quase metade dos moradores de favelas do Rio ganham menos de 1 salário mínimo, aponta pesquisa
Advertisement

3 COMENTÁRIOS

  1. não entendi o que estado civil e religião tem a ver com renda? mas mudando de pato para ganso, o último resultado do pisa mostra que os brasileiros ficarão ainda muito desempregados. não por falta de vagas, mas de condições de ocupá-las.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui