Dona de prédio que ocasionou tragédia cultural no Arco do Teles ainda não tomou qualquer providência

O abandono do imóvel que desabou sobre o vizinho e sobre a rua já causou o fechamento de negócios, a perda de turistas, e agora causa mais danos ao patrimônio histórico. Enquanto isso, a ALP Participações, dona do imóvel, sequer providenciou seu escoramento, e o risco de uma tragédia ainda maior persiste

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
A foto mostra os dois sobrados destruídos, estando o que restou do telhado do número 21 com risco de desabar. A chuva entra diretamente nos dois imóveis, e começou a causar infiltrações na Igreja vizinha, que é bem tombado nacional, além da queda ter paralisado as atividades comerciais e turísticas no logradouro.

O desabamento do prédio 19 da Travessa do Comércio, mais conhecida como ‘ruazinha do Arco do Teles’, noticiada primeiro pelo DIÁRIO DO RIO no último dia 8/10, tem causando imensos transtornos à região. O sobradão de 3 andares que já foi sede da antiga indústria alimentícia Belprato acabou desabando por cima do vizinho, que ficou quase que completamente destruído, e também bloqueando por mais de 10 dias o trânsito de pedestres no beco que é referência para todos os guias de turismo e historiadores que levam visitantes para conhecer o Centro Histórico do Rio; afinal, a rua é um exemplar intocado de logradouro do Século XIX. A maior parte da fachada continua de pé, mas castigada pelas chuvas, ameaça desabar se não for feito o escoramento do belo imóvel de 1886 que é tombado pelo Iphan.

No último dia 19, pela madrugada tratores e caminhões da COMLURB finalmente removeram os destroços que ocupavam praticamente toda a frente dos imóveis 15, 16, 17, 18, 19, 21 e 23, mas a travessa do Comércio quase inteira segue com seu acesso fechado, tendo em vista a necessidade de escoramento do imóvel que causou todo o dano. Abandonado há mais de 5 anos, com o telhado e a fachada tomados por vegetação invasiva, o sobrado de 3 andares era a verdadeira “crônica de uma morte anunciada“. Sua proprietária, segundo especialistas, é responsável por todos os danos causados aos prédios vizinhos, ao logradouro e à vizinhança como um todo. Tinha 15 dias (que venceram esta semana? sem nenhuma providência tomada) para escorar o imóvel e ajudar a evitar nova tragédia.

O imóvel pertence à ALP Participações S/C Ltda., empresa estabelecida em Barra Mansa (RJ), que o adquiriu por R$ 875.000,00 num leilão público. Para Claudio André de Castro, provedor da Igreja de Nossa Senhora da Lapa dos Mercadores, a situação é absurda: “Este imóvel não recebia uma mão de tinta. Uma imensa arvore nascia na sua lateral. Pedaços da fachada caíam pela rua. A desídia e negligência deste proprietário é causadora direta dos prejuízos que toda a rua sofreu. Nossa Igreja está infestada de ratos e mosquitos desde que começou a chover dentro do imóvel, e agora, que por sua causa foi derrubado nosso vizinho, começam a surgir infiltrações na Igreja, que é bem tombado nacional”. Castro completa dizendo que o custo de consertar danos em um imóvel de 1750 pode ser altíssimo. Segundo freqüentadores do local, pode-se ouvir ainda alguns “estalos” na construção 21 quando venta e chove, e o patrimônio histórico e cultural dos cariocas segue sob risco iminente.

O DIÁRIO teve acesso à Igreja. Recentemente restaurada e totalmente pintada por dentro, agora começam a surgir pontos de infiltrações na parede colada no vizinho, justamente o prédio que foi derrubado pela queda do imóvel da ALP. Focos de infiltração já aparecem, numa área onde existe um piso de madeira bicentenário, e onde as paredes são de pedra, saibro e óleo de baleia, criando um ambiente perfeito para cupins, mofo e nascimento de vegetação invasiva. (fotos abaixo) Os últimos dias têm sido de chuva, e além dos danos diretos à igreja, também há temores de desabamento do restante da edificação, que lá está em pé, como que milagrosamente, sem qualquer tipo de escoramento.

Advertisement

A foto acima mostra que ainda existe uma parte do telhado do prédio 21, que foi derrubado pela queda do 19, e pertence à Venerável Ordem de São Francisco da Penitência e é vizinho à igreja dos Mercadores. O cenário de destruição é evidente, e o medo dos comerciantes locais é que a fachada do histórico e belíssimo 19 acabe por cair de vez no chão, destruindo junto com o que ali estiver, o sonho de uma restauração completa do Arco do Teles. Em sua matéria sobre a visita do prefeito Eduardo Paes ao local, o jornalista Quintino Gomes narrou que o representante da ALP tentou argumentar quem o imóvel fosse declarado como “demolido”, ou seja, queria jogar no chão o que restou, em vez de restaurar o imóvel que já adquiriu sabendo que fazia parte de um conjunto tombado turístico. Por sorte, uma técnica do Iphan que estava presente explicou que o prédio deve ser reconstruído.

Na mesma ocasião, a Prefeitura afirmou que daria alguns dias para que a ALP fizesse o escoramento do imóvel, o que não ocorreu até hoje. “Enquanto isso, a desídia de um único proprietário esvazia o turismo e o comércio de toda uma região“, disse Adriano Nascimento, representante de proprietários de um imóvel que está sendo restaurado na rua do Ouvidor 26, quase em frente ao ocorrido. E os males da negligência alheia começam a se espalhar. Anunciada recentemente, a abertura de uma nova filial da lanchonete Outbêco na antiga casa de Carmem Miranda, no número 13 da Travessa, foi cancelada; o empreendimento traria vida à uma região que começava a se recuperar antes da tragédia cultural, mas o imóvel foi devolvido e volta a ostentar uma placa de “aluga-se”. Uma gravação da TV Globo que ocorreria no início de novembro na bucólica ruazinha também foi cancelada. Numa matéria veiculada no SBT Rio na noite de ontem, a guia de turismo Natália Souza, que acompanhava cerca de 21 turistas estrangeiros num passeio pela região, explicou que os visitantes “ficam bem chocados com o descaso, porque no país deles estão acostumados com a preservação do patrimônio”.

A Irmandade dos Mercadores informa que já abriu processo administrativo junto ao Iphan (SEI Nº 01500.002485/2023-01) acerca dos problemas que estão sendo causados à igrejinha de 1750 por conta do ocorrido, e sua assessoria informou que o órgão federal irá vistoriar o local no dia primeiro. Uma moradora do local, que se identificou como Dirce, disse que o número de ratos e mosquitos aumentou imensamente desde a queda dos prédios, e comentou que uma antiga padaria localizada no térreo do número 21 passou a sofrer grande infiltração de água, e que o imóvel, abandonado, poderia também correr riscos.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Dona de prédio que ocasionou tragédia cultural no Arco do Teles ainda não tomou qualquer providência
Advertisement
lapa dos mercadores 2024 Dona de prédio que ocasionou tragédia cultural no Arco do Teles ainda não tomou qualquer providência
Advertisement

3 COMENTÁRIOS

  1. Uma rápida consulta e esta empresa na internet e descobre-se que seu ramo de atividade é “Corretagem no Aluguel de Imóveis”. Não me surpreenderia se isto fosse apenas uma fachada para o real objetivo da empresa: parte de um FUNDO IMOBILIÁRIO.

    Permitir a degradação de uma área, através de diversas táticas, tais como: abandono de edificações; aumento artificial da violência no local; eliminação dos pequenos comércios; precarização do transporte público no local; etc… são parte da estratégia para desvalorizar a região e depois substituir tudo por novas edificações (esses horrorosos prédios modernos de extremo mau gosto) que custam os tubos, enchendo de dinheiro os bolsos dos donos destes fundos de investimentos imobiliários. O que esses caras querem é passar o trator em cima de tudo que é “velharia” e subir no lugar torres e mais torres de vidro.

    Se o Poder Público não tomar na mão grande TODOS os imóveis ociosos, esses especuladores vão continuar deitando e rolando. Não se enganem: imóvel vazio por muito tempo é, via de regra, propriedade de especuladores que atuam nos bastidores para aumentar seus ganhos lá na frente.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui