Quintino – as favelas e a Síndrome de Estocolmo com os traficantes

Continuaremos a perder território para os criminosos enquanto o alvo principal de nossa indignação forem justamente as forcas da lei. Bandidos são bandidos, e infelizmente não usam uniforme e nem crachá; tem que ser encontrados onde quer que estejam, e para isso, infelizmente, é preciso agir com dureza dentro das favelas

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Divulgação

Essa semana o vídeo de um influenciador comentava sobre como está sendo uma operação policial na Favela da Maré; ele dizia que as Forças de Segurança batiam às portas da casa de sua irmã e gritavam para saber quem estava na casa. É uma situação desgraçada, ululante que é, mas de que outra forma se consegue buscar bandidos que – sabemos – se escondem nas casas de gente de bem e de gente….nem tanto, também. O que podem fazer estes homens, na situação se vive naquele Complexo?

O narcotráfico, como sabemos, não usa uniformes, não respeita leis, não diferencia quem é o bom morador do mau morador. Manda em todo mundo, e obedece quem tem juízo. Chegam a expulsar pessoas de favelas quando “muda o partido do dono”, o que já foi objeto de diversas reportagens. Há casos loucos em que se formam umas teocracias narcóticas malucas, e até religiões discriminam! Óbvio que nenhum morador pode ir às redes sociais ou à imprensa reclamar de como é tratado, dos estupros feitos pelos bandidos, do roubo de casas e objetos, da tortura e do “esculacho”. Bandido não tem Ouvidoria. Facção não responde ao Procon. Criminoso não tem departamento de atendimento ao cliente. Assassino não abre sindicância. Pelo contrário, retaliam, muitas vezes com a morte, e quando a pessoa dá sorte, é “só uma mutilação” ou uma “surra“. E, pra piorar, infelizmente creio que a maior parte da mídia não daria a mesma importância, por duas razões, uma justa (é óbvio que o bandido é um desgraçado imoral, cujo comportamento não pode ser medido pela mesma regra que rege um oficial da lei) e uma injusta (jornalista parece gostar mais de bandido que da lei, normalmente – observa-se até por alguns comentários nonsense em defesa do Hamas, ultimamente vistos na imprensa).

Mal comparando, é situação semelhante a que Israel sofre ao combater o Hamas; um exército de terroristas que diz defender os palestinos, quando na verdade os usam como escudo. Não por acaso, outro influenciador. René Silva, fez uma postagem polêmica criticando quem foi à Copacabana protestar pelas vítimas israelenses e contra o terror; para ele, quem protesta é seletivo, e não passariam de um bando de ‘arrombados‘. O mesmo René também é mais que seletivo na hora de suas denúncias, os policiais são sempre algozes e impediriam a paz nas favelas, mas nunca os terroristas do tráfico. Os culpados pelos ataques de Israel não são os terroristas do Hamas, e sim a vítima que foi agredida. Para esse pessoal, todo mundo parece ser nazista, menos quem mata judeus.

Advertisement

Há nestes ativistas de favelas uma espécie de Síndrome de Estocolmo, parece que vivem há tanto tempo sequestrados pelo Poder Paralelo, que qualquer coisa que possa trazer a mudança tão esperada por todos nós é atacada. Se policiais batem nas portas das casas, é porque os traficantes não escolhem casas marcadas com “um traficante mora aqui” para se esconderem. Não tem essa plaquinha ali. Eles vão para a casa de moradores aleatórios, ameaçam, torturam psicologicamente ou de fato, para que lhe deem guarida. Essa é a vida em favela, que o Poder Público tem que trabalhar pra mudar, antes de entrar com o resto que também é sua função; ou um professor ou médico vai querer viver a mesma situação? Sem assumir o poder naquela comunidade, como prestar todos os serviços públicos necessários ali?

Boa parte da mídia carioca, brasileira, mundial, infelizmente vive em um mundo de chantilly com algodão doce. Os casos de traficantes recuperados são irrisórios, quando seguram um fuzil, é para matar e destruir: eles tiram moradores de suas casas, incluindo crianças, para atrapalhar as incursões da Polícia. Afinal, a bala perdida parece que sempre vem da armade um policial, nunca de um traficante. Bala de traficante é inteligente, não atinge inocente? O curioso é que quando há tiroteio entre gangues de vagabundos rivais, e gente morre no meio, a indignação é pouca ou nenhuma.

Enquanto não defendermos os nossos homens de azul, ou a Polícia Civil, ou Forças Armadas, que vontade e empenho eles terão para combater o crime que tomou conta de tantas favelas, tornando-os cidadelas sob o controle de criminosos? O pior é que se expandem, hoje há diversas ruas, embaixo da favela, que passaram ao controle do tráfico: veja-se o caso do Complexo de Israel; há ruas na região, coladas na venda Brasil, que há poucos anos eram ruas normais, modestas. Agora, embora sejam no asfalto, já estão sob o controle do tráfico e detrás de suas absurdas barricadas. Esta é a realidade de localidades como Parada de Lucas, onde, por exemplo, a rua Lyrio Maurício da Fonseca se tornou uma espécie de “expansão do tráfico”, com suas barreiras. Há apenas 5 anos, era um lugar normal, parte da cidade do Rio de Janeiro.

Entendo como funciona a cabeça do morador de favela, morei na Praça Seca, hoje também cercada: o medo toma conta de você, sem contar que naquela época era muito comum ter crescido junto daquele criminoso e de sua família (agora parece que os bandidos estão sendo importados de fora, são forasteiros que acabam sequer tendo aquele “quase-afeto” pela comunidade que dominam). Mas quem nasceu no asfalto, não pode se render a este pensamento fantasioso e que acabará por condenar-mos a sermos eternos reféns desses criminosos. Nós precisamos nos unir e não nos deixar cair neste discurso fácil e burro: temos de lembrar que nesse momento do Rio, precisamos ter solidariedade, mas não misericórdia de quem tortura e oprime justamente as pessoas que mais precisam.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Quintino - as favelas e a Síndrome de Estocolmo com os traficantes
Advertisement

6 COMENTÁRIOS

  1. “ Para esse pessoal, todo mundo parece ser nazista, menos quem mata judeus.”

    Sinceramente fiquei sem entender.
    Ali no conflito mataram judeus porque seriam nazistas???

    A forma como criado o Estado de Israel foi exatamente o motivo.
    O Reino Unido e aliados tem culpa. Como em todo o canto que exerceram papel de colonizadores.
    A região que no fim do Império Otomano havia diversos povos e conviviam foi simplesmente fatiada.
    Para o Reino Unido os judeus que também viviam com outros povos teriam que ter seu estado ali como eles queriam porque estava nas escrituras, o passado etc.
    A criação simplesmente removeram pessoas indesejáveis. E prosseguiu com expansão depois, ocupando territórios e mesmo aparentemente legal, como houve e há na Cisjordaniana ocupada, além do assentamentos, a compra de áreas para reclamarem como suas.

  2. Quintino, destrambelhado como sempre.

    Quintino, essa semana roubaram 21 metralhadoras capazes de derrubar helicópteros. Me diga, onde foi? Na favela? Não, no quartel do exército brasileiro.

    No último dia 10 de outubro foi apreendido em uma MANSÃO DA BARRA DA TIJUCA 47 fuzis. QUARENTA E SETE! Foi na favela? Não, foi em um bairro nobre do Rio de Janeiro.

    4 policias foram presos ante ontem levando 16 TONELADAS de drogas para o comando vermelho.

    A realidade é maior que a sua opinião limitada, preconceituosa e higienista.

    Os abusos sempre são na favelas, mas na favela não tem payol de armas, não tem fazenda de drogas e os maiores bandidos estão fora delas.

    Vc só reproduz um senso comum.

    • Concordo com vc Maria.

      O autor não sabe do que tá falando. Não existe bandido sem o apoio e envolvimento da polícia, das forças armadas, de políticos e empresários.

      Mas a galera se delicia e se distrai com essas operações de meganhagem na favela e na periferia, enquanto isso, os chefes e principais responsáveis vivem suas vidas em paz nos seus condomínios de luxo. Batem expediente nos quartéis. Tomam drinks com jornalistas e formadores de opnião.

    • a diferença dona é que os desviantes do governo podem ser achados – e punidos com exclusão e cadeia – do governo vc pode cobrar – ja dos bandidos…e mais – esses seus exemplos são a exceção – não se faz estatisitca com exceções dona.

  3. Se a população é oprimida não existe a síndrome. Mas esperar a ação vir de fora é enxugar gelo, a população precisa se organizar, mesmo com toda a dor que isso vá gerar.

  4. Preconceituosa essa visão, ocorre que a polícia age diferente na zona sul como na Barra onde estão os grandes chefes.
    Não há interesse em modernizar as atitudes: grande aparato números insignificantes.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui