Quintino – Chega de Desculpas para a Segurança

Prefeito, Presidente, Judiciário, Governador, chega de fugir de suas responsabilidades, é necessária uma resposta para a Segurança do Rio de Janeiro

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Divulgação

Não dá mais, o assassinato dos médicos em quiosque na Barra da Tijuca, logo na Barra da Tijuca, é um limite que o carioca não pode mais tolerar. Já disse aqui e repito, o Rio de Janeiro é uma cidade que podemos nos sentir seguros em certas regiões, que seriam tão perigosas quanto outras metrópoles do mundo, outras partes, bem, são dominadas por um estado paralelo. Parece que os criminosos não estão de acordo e está na hora de acabar as desculpas de todas as esferas de governo.

O prefeito Eduardo Paes, tem de saber que a segurança é parte de suas atribuições. Seja porque uma cidade mais organizada é uma cidade mais segura, seja porque, com uma Guarda Municipal mais bem treinada e capaz, tira da Polícia Militar a necessidade de usar homens para crimes de baixo teor ofensivo. E além disso, é necessário ter um projeto habitacional digno para a cidade e uma ação de assistência social que não envie as pessoas para abrigos infestados de baratas e em condições precárias. Enfim, não podemos mais ignorar as questões que afetam a segurança.

E o presidente Lula, no lugar de reclamar ou simplesmente achar que o problema é do estado, deve entender que o Rio de Janeiro não produz um fuzil, ou não tem plantações de coca e, creio eu, a maconha produzida aqui seja o suficiente para o consumo. Cabe implementar uma política digna de fronteiras, mas é claro que é difícil demais. O Estados Unidos sofre com isso, mesmo tendo apenas México e Canadá como vizinhos e a marinha mais poderosa do mundo. Mas alguma coisa há de ser feita. Nem que seja nas fronteiras do Estado do Rio com outros estados e uma patrulha decente na Baía.

Os deputados e senadores precisam acordar para uma mudança no processo penal, não há como os policiais continuarem prendendo e os juízes soltando. Um amigo diz que dificilmente alguém que assalta e mata uma pessoa se tornará uma boa pessoa depois, sou obrigado a concordar. Isso vale para quem faz pequenos furtos com frequência, a fome explicaria, mas hoje temos bons projetos sociais para que não haja necessidade de atitudes tão extremas.

Advertisement

Em relação ao judiciário, estes precisam parar de pensar que estão ali como santos salvadores de almas. Algumas almas simplesmente não querem ser salvas, já diria um jurista italiano: “juiz precisa estar acima da máxima, não julgueis para não seres julgados“. Ou seja, julgue, julguem de verdade os crimes, os pequenos delitos, os médios e os grandes. Se é pego pela primeira vez, réu primário, furto, claro, há recuperação, mas se é uma segunda vez, só está deixando nossa polícia mais sobrecarregada e desmotivada.

E quanto ao governador Claudio Castro? Esse não pode fugir da questão da violência, por mais que faça questão de ter um jornal que só sirva para elogiá-lo, precisa despertar para as críticas. Sou um dos que mais defende nossa polícia, mas temos um “Plano de Segurança” com letra maiúscula? Não temos? Está ao Deus Dará! Nem digo acabar com as facções, com a milícia, isso não vai acontecer sem a ajuda das entidades que falei acima. Mas é preciso um pensamento de onde colocar seus homens em certo momento, como em frente a um hotel onde acontece um encontro de médicos do mundo todo, em uma região turística.

Ninguém mais pode fugir de suas responsabilidades neste tema, nem mesmo os “Progressistas“. Outro tema que já toquei aqui é a necessidade de uma polícia, promotoria e vara especial do Judiciário para Crimes Especiais, como o desta madrugada, contra policiais, juízes, promotores e pessoas visadas. Sim, nem todas pessoas são iguais, estas estão na frente do combate ao crime e precisam ser tratadas de forma diferente.

Enfim, não há mais desculpas para a Segurança Pública no Rio de Janeiro, alguma coisa precisa ser feita.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Quintino - Chega de Desculpas para a Segurança
Advertisement

15 COMENTÁRIOS

  1. Em relação a todos dos comentários estou solidário a todos . Apenas alguns pegaram pesado mais estão certos, o Rio de Janeiro esta igual a Cidade do México dominada por bandidos por todos os lados e a autoridades governador e prefeito etc nada fazem . Apenas observam e inventam medidas mirabolantes sem efeito algum tomem vergonha pois a cidade corre o risco de perder o que tem de bom para outros estados e cidades.

  2. Não adianta, a polícia prende o judiciário solta. A polícia tenta trabalhar mas os malditos Direitos Humanos, imprensa, parte da sociedade e outros bichos, gostam de bandidos. Vamos ver se a maldita deputada do PSOL, cujo irmão levou uns pipocos na cara, vai defender as “vítimas da sociedade” que tanto ela idolatra. Só lamento pelas outras pessoas. Quanto ao irmão da deputada…bem…a deputada tem parte da culpa.
    Se vc leu meu comentário e não gostou da minha opinião, tenho uma sugestão pra vc: se mata.

  3. Juízes santos . . . Polícia que precisa “melhorar” . . . Governador que merece algum tipo de elogio . . . Senadores e deputados que cuidam de alguma coisa que não seja seus mesquinhos e espúrios interesses . . . Onde você está? Em Marte?

  4. Enquanto não desfavelizar o estado do Rio, nada mais adiantará ! Tem que desmanchar as favelas e mandar de volta para Marte, Venus os forasteiros que o favelizam !

  5. O Rio de Janeiro já está entregue há muito tempo. Moro na Praça da Bandeira. Aqui é uma piada. Teria que vir alguém de jornal, ou sei lá, é ficar observando como eles trabalham. É de olho em celular o dia inteiro e os crakudos perturbando rodo mundo. É incrível a falta de respeito com o contribuinte de bem. Precisou gente grande morrer e na BARRA pra se coçarem. Eu acho é pouco toda pressão que colocarem sobre a PMrj. E aproveito pra denunciar o atual prefeito, que não tem o que fazer e está deixando crakudos na policlínica da rua do matoso, colocando todos em risco. Usuários e servidores, e ninguém pode falar nada. Vão lá investigar, como jornalista, pra verem o absurdo. Essa é uma receita bombástica.

  6. Apenas pela abertura onde se cobra de todas as esferas de poder atuação na segurança mostra a ponto chegamos. Falta apenas o Legislativo. Sem a criação de leis que normatizem as penas e sua aplicação nada vai funcionar. Aliás, deveria ser reformado o sistema de progressão de penas. 30 anos é o teto, mas com bom comportamento já é liberado com 6,7 anos. É bom ser bandido no Brasil.

  7. Aew! Finalmente o Quintino admitiu o óbvio: que esse jornal tem lado e político miliciano de estimação, no caso o Cláudio Castro:

    “E quanto ao governador Claudio Castro? Esse não pode fugir da questão da violência, por mais que faça questão de ter um jornal que só sirva para elogiá-lo, precisa despertar para as críticas.”

    Só tá essa consternação toda pq foram 3 médicos ricos, brancos, em area nobre assassinados.

    Quando a água bate na bunda, reclamam.

    TODO SANTO DIA morre crianças em lugares menos nobres, de pais pobres e ninguém perde as estribeiras.

    Tá certo, defendam os seus. Otario é quem defendo os interesses dos outros.

  8. Violência no Rio não é questão federal, estadual nem municipal,não adianta se iludir e enganar o povo, o que causa a violência no Rio são as centenas de favelas que estrangularam a ex-capital, o resto é bazófia, não adianta aumentar penas, aprimorar as leis e fazer aplicá-las, não se trata disso, enquanto não exterminarem as favelas NADA VAI RESOLVER! Peguem pelo amor de Deus o exemplo de Madrid, que demorou 30 anos, mas erradicou todas as favelas, tem que fazer um projeto sério, apartidário, apolítico, pelo bem do Rio, pode demorar 50 anos, mas depois que começar ninguém pode alterar, se as favelas contunuarem a matar a cidade , tudo que fizerem é enxugar gelo.

    • Países mesmo que aboliram pena de morte, em substituição por alinhamento suposto no humanismo passaram a adotar somente perpétua, com diferença entre modelos desta para o resto da vida e com liberdade condicional, nesta descumpriu medidas, volta para prisão, adota-se a pena maior para crimes covarde de assassinatos múltiplos, ou em concurso de crimes de extrema violência como abuso, estupro, sequestro seguidos de morte.
      Ainda que não capazes de trazer o ente querido de volta, os corações das famílias de vítimas sentem que mais justiçados que aquela situação em que criminosos passam uma temporada presos e em poucos anos, ou mal completam uma década já estão soltos, muitos reincidindo…
      É muito mais preferível uma jurisprudência e lei islâmica se comparada com países como nosso de base cristã católica que repercute na legislação criada e que suponhe que seja punir com a morte algo desumano e que todos merecem chance de socialização… não merece não!!!

  9. A União não deveria concentrar para si a competência de legislar sobre direito e processo penal.
    Apenas deveria para crimes federais.
    Cada estado deveria ter competência própria para os crimes comuns, considerando por exclusão aqueles não federais.

  10. O que mais necessário seria é lutar por mudança na competência para legislar sobre direito e processo penal.

    Não há lógica em punir igualmente crimes em regiões tão diferentes cada uma com particularidades distintas da outra, que considerar ainda a repercussão do crime em cada uma junto às sociedades.

  11. Claudio Castro é totalmente inábil. Sempre foi aliás. Um político medíocre de baixo clero, mesmo com todas as tentativas de reabilitar a imagem do Rio de Janeiro vem a péssima segurança pública do estado para jogar mais um balde de água fria nas relações públicas.

    E o carioca/fluminensen é o segundo culpado nessa história porque não sabe cobrar de quem é a prerrogativa de direito de cuidar da segurança pública que é O GOVERNADOR. Basta ver a quantidade de energúmenos nas redes sociais cobrando o Eduardo Paes por coisas que não são da sua competência enquanto isso o Claudio Castro segue livre, leve e solto sem ser pressionado pela opinião pública.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui