Reviver Centro está em premiação internacional por recuperação urbana

Vinte cidades do mundo tiveram projetos escolhidos por liderarem o caminho para um futuro mais verde e o Rio de Janeiro é finalista com Plano Urbano Reviver Centro. Vencedores serão anunciados em outubro na Argentina

Foto: Rafael Catarcione | Riotur

A cidade do Rio de Janeiro foi selecionada finalista da Premiação C40 Cities Bloomberg Philanthropies Awards 2022, com o Plano Urbano Reviver Centro. Na manhã desta sexta-feira (19/08) o C40, grupo de grandes cidades mundiais empenhado em debater e combater as mudanças climáticas, anunciou a colocação.

A premiação celebra os projetos mais ambiciosos e impactantes do mundo no enfrentamento da crise climática. Concebido para promover a recuperação urbana, social e econômica da área central, o Reviver Centro é um dos 20 projetos escolhidos pela premiação, que este ano tem como tema “Unidos na Ação”. Os vencedores serão anunciados no C40 World Mayors Summit, em 19 de outubro, na cidade de Buenos Aires, Argentina.

O C40 Cities Bloomberg Philantropies Awards é dividido em cinco categorias: Unidos para acelerar a ação imediata em setores críticos; Unidos para limpar o ar que respiramos; Unidos no desenvolvimento da resiliência climática; Unidos para inovar; e Unidos na construção de um movimento climático. O Rio disputa a categoria Unidos para Inovar.

As outras 19 cidades participantes são: São Paulo; Seattle, Irvine e Nova York, nos Estados Unidos; Addis Ababa, na Etiópia; Amsterdã, na Holanda; Pequim e Wuhan, na China; Dhaka North, em Bangladesh; Freetown, em Serra Leoa; Lima, no Peru; Lisboa, em Portugal; Região Metropolitana de Guadalajara, no México; Pune, na Índia; Quezon, nas Filipinas; Quito, no Equador; Renca, no Chile; Seul, na Coreia do Sul; e Tokyo-Kuala Lumpur, projeto de Japão e Malásia.

“O Reviver Centro é um programa inovador para recuperar o Centro do Rio do esvaziamento em que se encontrava. Nosso objetivo é estimular a retomada econômica, social e cultural da área. Estamos fazendo ações para atrair mais moradores e promover a diversidade de acesso à moradia. Em um ano, já temos mais de duas mil unidades residenciais entre licenças concedidas e pedidos de licenças. Este número é superior ao verificado ao longo dos últimos 10 anos”, afirmou o prefeito Eduardo Paes.

Foto: Rafael Catarcione | Riotur

E Paes aindaque complementou dizendo que o “Reviver conta ainda com um Distrito de Baixa Emissão para implementar ações para redução de emissões de Gases de Efeito Estufa. Vamos implementar, prioritariamente, ações como o incentivo ao transporte limpo, mobilidade ativa com a implantação de ciclovias, a requalificação urbana sustentável dos espaços públicos que impactarão na qualidade de vida da população. Estou muito feliz pelo nosso trabalho ser reconhecido pelo C40 e pela Bloomberg Philanthropies”.

Reviver Centro

Sancionado em 14 de julho do ano passado, o Reviver Centro quer contornar o esvaziamento progressivo da 2ª Região Administrativa (Centro e Lapa), potencializado pela pandemia do Covid 19. Com 5,72 km2 de área, a região concentra a maior rede de transporte público de alta capacidade da cidade e 800 mil empregos formais. Mas, por outro lado, possui a segunda menor densidade populacional do Rio, com apenas 41 mil moradores.

Foto: Rafael Catarcione | Riotur

O plano urbano estabelece diretrizes para a requalificação urbana e ambiental, e incentivos à reconversão e conservação das edificações existentes e à produção de unidades residenciais. A construção de novas moradias e a transformação de uso de prédios ociosos aproveitam o grande potencial de infraestrutura, colaborando na redução de deslocamentos de transporte e diminuindo a pressão para a expansão da malha urbana da cidade. Ao estimular o retrofit de edificações, o plano urbano aponta para o menor consumo de materiais pela construção civil, gerando impactos positivos em toda sua cadeia produtiva.

O plano urbano institui ainda o instrumento da Operação Interligada, com objetivo de estimular reconversões de prédios comerciais para residenciais e produzir soluções de habitação social no Centro. Empreendedores que executarem novos empreendimentos e projetos de retrofit no Centro poderão adquirir potencial construtivo na Zona Sul (Copacabana e Ipanema), Grande Tijuca e Zona Norte. Os recursos oriundos da Operação Interligada – já foram arrecadados cerca de R$ 3 milhões – serão investidos também em melhorias no Centro do Rio.

Também está em desenvolvimento, dentro do Reviver Centro, o programa de locação social, como alternativa para as famílias cuja fonte de renda e capacidade de pagamento não se enquadrem nas normas dos programas disponíveis. Além disso, está sendo planejado um programa de moradia assistida, como forma de amparar temporariamente pessoas de baixa renda e em situação de vulnerabilidade social, visando garantir a diversidade de rendas, bem como, a manutenção da população da região.

Foto: Rafael Catarcione | Riotur

Para atrair novos negócios criativos e evitar a evasão dos negócios existentes, o Reviver inclui um Distrito do Conhecimento. E inclui ainda o Distrito da Vivência e Memória Africana, para garantir o reconhecimento e preservação dos espaços vinculados à História, Arqueologia e à Cultura africana e afro-brasileira na região.

A escolha do Reviver Centro como finalista do concurso do C40 demonstra que o plano urbano tem importância não apenas para a autoestima do carioca e para economia da cidade, mas para toda a Região Metropolitana, uma vez que moradores de diversos municípios próximos convergem diariamente para o Centro do Rio. A região apresenta patrimônio histórico de importância nacional, com potencial de ampliar sua vocação turística. Essa perspectiva, associada à produção de moradias centrais e uma consequente nova gama de comércio e serviços, permite que Centro almeje um novo papel na cidade e na Região Metropolitana, mantendo seu protagonismo e referência.

Presidente do C40 Cities e prefeito de Londres, Sadiq Khan ressaltou o protagonismo das propostas finalistas. “Parabéns a todos os finalistas pela inscrição de seus projetos ousados e inovadores. Cidades, líderes locais e prefeitos estão assumindo o protagonismo no enfrentamento à emergência climática e, ao potencializamos essa ambição e visão, podemos ajudar cidades em todo o mundo a se tornarem mais verdes, justas e sustentáveis”.

Sobre o C40 Cities Climate Leadership Group

O C40 é uma rede de quase 100 cidades do mundo que estão trabalhando para concretizar as ações urgentes necessárias para enfrentar a crise climática e criar um futuro em que todos, em todos os lugares, possam prosperar. Os prefeitos das cidades participantes do C40 estão comprometidos em usar uma abordagem baseada na ciência e focada nas pessoas para ajudar o mundo a limitar o aquecimento global a 1,5 °C e desenvolver comunidades saudáveis, equitativas e resilientes. Por meio do Global Green New Deal (Novo acordo verde global), os prefeitos estão trabalhando em uma ampla coalizão de representantes dos trabalhadores, das empresas, do movimento juvenil para o clima e da sociedade civil para ir mais longe e mais rápido do que nunca.

Para obter mais informações sobre a premiação e os projetos das cidades finalistas, acesse www.c40.org/awards

Advertisement

2 COMENTÁRIOS

  1. Eu não vou falar sobre o prémio, mas sim sobre o que o Rio não pode ter de jeito nenhum: puxadinhos. São vários prédios grudados no outro que mais parece um muro extenso. Já está mais do que na hora do Rio se inventar com outros modelos de prédios, mas dinâmicos e mais altos. O Rio infelizmente fica na contramão em alguns quesitos de todas as outras capitais do País, não que tenha que fazer o que as outras fazem, mas inovar mais. O Rio não se inventa, não se inova, caiu na mesmice, cidade turística, está ficando pra traz, com muitos problemas que qualquer outra cidade tem, mas que poderia esta inovando, criando e investindo.

  2. Igual ao prêmio nobel da paz que o Obama recebeu… “pelo que ele AINDA irá fazer”. Ou seja, esse programa aí está na premiação sem ter demonstrado resultados concretos ainda para a cidade e à população. Nada como ter uma comissão internacional de premiação amiga, simpática… e nada como ter imprensa amiga!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui