Rio de Janeiro tem 10 projetos de transporte no novo PAC

As obras na ponte Rio-Niterói, possíveis por meio de recursos privados, e a adequação da linha férrea de Barra Mansa são uns dos destaques do programa no Rio de Janeiro

Barcas e Ponte Rio-Niterói - Foto Daniel Martins

Com a retomada de investimentos proposta pelo novo PAC, do Governo Federal, a infraestrutura de transportes do Rio de Janeiro deve ser incrementada com dez ações de estudos de novas concessões e obras de rodovias federais concedidas, além de investimentos em ligações rodoviárias com outros estados. As obras na ponte Rio-Niterói, possíveis por meio de recursos privados, e a adequação da linha férrea de Barra Mansa são uns dos destaques do programa no Rio de Janeiro.

No total, serão R$ 20,6 bilhões investidos nas intervenções elencadas pelo Governo Federal como prioridade para o estado – sendo R$ 16,2 bilhões para rodovias e R$ 4,4 bilhões para ferrovias. Seguindo as diretrizes da gestão, todas elas devem considerar os impactos sociais e ambientais, além de garantir melhorias na malha viária e no nível dos serviços prestados. A região Sudeste como um todo contará com R$ 96,1 bilhões em investimentos públicos e privados.

O programa é um pacto entre os entes federativos para impulsionarmos o desenvolvimento do país, com infraestrutura de qualidade e geração de emprego e renda. Investir na malha viária de qualidade também é fortalecer a economia e fomentar o bem-estar da população”, disse o ministro dos Transportes, Renan Filho.

Também fazem parte do Novo PAC as intervenções e melhorias nos serviços prestados oriundos das concessões rodoviárias previstas para o estado, como ocorre nas BR-116, BR-465 e BR-493 – que formam o Sistema Rodoviário Rio-Valadares, que liga a capital do Rio de Janeiro ao município de Governador Valadares, em Minas Gerais. Também deve ser lançado ainda neste ano o edital de licitação da BR-040/495/MG/RJ, a Rio-BH.

As obras públicas e concessões à iniciativa privada em rodovias e ferrovias somam cerca de 300 empreendimentos e aproximadamente R? 280 bilhões, sendo R? 79 bilhões em recursos do Orçamento Geral da União e R? 201 bilhões em investimentos privados.

Veja a lista de empreendimentos no estado inclusos no novo PAC:

Rodovias

  • Estudo para concessão da BR-393/RJ
  • Investimentos da concessão da BR-101/RJ – Divisa RS/ES – Ponte Rio-Niterói
  • Investimentos da concessão da BR-101/RJ – Ponte Rio-Niterói
  • Investimentos da concessão da BR-393/RJ – Volta Redonda/RJ – Divisa MG/RJ
  • Investimentos da concessão da BR-116/465/493/RJ/MG – Rio – Governador Valadares/MG
  • Investimentos da concessão daBR-116/101/SP/RJ – Rio – São Paulo e Rio – Ubatuba/SP
  • Estudo para concessão da BR-101/356/MG/RJ
  • Investimentos da concessão da BR-040/RJ/MG – Juiz de Fora/RJ – Rio de Janeiro/RJ
  • Obras das BRs-040/495/MG/RJ – Rio de Janeiro/RJ – Belo Horizonte/MG

Ferrovias

  • Obra de adequação da linha férrea de Barra Mansa/RJ

Planejamento

Lançado em 11 de agosto, o novo PAC veio para incrementar investimento, garantir infraestrutura econômica, social e urbana, melhorar a competitividade do país e gerar emprego e renda. No total, são estimados R? 1,7 trilhão em investimentos públicos e privados, com cerca de 4 milhões de empregos gerados em todos os eixos do programa.

Advertisement

11 COMENTÁRIOS

  1. Linha férrea é uma prioridade e sua reativação gera desenvolvimento para o Estado ( Ramal de Japeri até Volta Redonda, Ramal de Caxias a Itaboraí , Ramal de Campos, Ramal de Maricá, Linha 3 do Metrô, Linha 2 até Nova Iguaçu, eletrificação da linha de Magé, criação de uma nova linha até Petrópolis), Ligação com Aeroporto Internacional, Rodoviária, Aeroporto Santos Dumont. Ramal de Seropédica, Barcas em São Gonçalo, Caxias, Magé e Barra da Tijuca.

  2. Se o Governo do Estado fosse mais ativo, poderia ter inserido os seguintes projetos:
    – Duplicação ou reforma da RJ-106;
    – Ligação aquaviária Rio de Janeiro x Cabo Frio;
    – Cessão dos ramais de bitola métrica de Duque de Caxias à Rio Bonito, com a estação de Itaboraí fazendo integração com o futuro metrô (que consta em estudo).
    Seria um up e tanto na mobilidade da Região Metropolitana e na Região dos Lagos.
    Casa Fluminense, ALERJ, Conleste, e outros servem pra que? Postar foto e vídeo em rede social? publicar artigo acadêmico ou notícias?
    Menos debate e mais obras por favor!

  3. E tem trouxas que acreditam nessa qu@drilha, já vimos esse filme antes! Esse monte de obras é mais um meio de desviar bilhões, aí distribui dinheiro para as empreiteiras amiguinhas ao custo de muita propina. Obras que nunca terminam e que nunca saem do papel, enquanto isso bilhões do nosso dinheiro são desviados, e ficamos anos pagando a conta com nossos suados impostos. Enquanto isso continuamos sem hospitais, segurança pública e sem infraestrutura e a economia vai pro ralo!

  4. Mais do mesmo… E só governo federal comprando os governos estaduais pra garantir reeleição… E triste ver se repetir, não vamos nunca deixar de ser escravos da grande máquina que é ESTADO…

  5. Muitos contratos de investimentos já foram garantidos na gestão passada para dezenas de estradas, aeroportos e ferrovias, linhas de transmissão energética, portos….infelizmente vem ai a nova farra do PAC com construtoras ex-condenadas tbm.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui