Rio de Janeiro terá nova estação de tratamento de água no Guandu

O novo sistema vai operar em conjunto com a antiga ETA e vai produzir mais 12 mil litros por segundo (l/s) de água, beneficiando 3 milhões de pessoas

O início das obras. Foto: Felipe Lucena

A Cedae está construindo uma nova Estação de Tratamento de Água (ETA). O sistema Guandu II fica em Nova Iguaçu, próximo à antiga ETA, e vai produzir mais 12 mil litros de água por segundo (l/s), alcançando 3 milhões de pessoas na Baixada Fluminense e também em outras partes da Região Metropolitana. Caso a licitação seja aprovada em 2023, a previsão de conclusão da obra é para o segundo semestre de 2025.

Segundo a Cedae, o novo sistema vai possibilitar que toda a Baixada Fluminense seja abastecida com água potável. “Vamos resolver uma antiga demanda da região“, afirma Humberto Melo Filho, diretor responsável pelo projeto.

O sistema vai operar em conjunto com a ETA Guandu, totalizando a produção e o tratamento de 55 mil l/s para 12 milhões de habitantes na capital e na Baixada Fluminense. O Novo Guandu terá investimentos de mais de R$ 2 bilhões. Na prática, a operação será a mesma: captar do Rio Guandu e realizar todo o processo de purificação da água para que a distribuição seja realizada.

A estrutura física do novo sistema será maior que a ETA Guandu e a obra terá quatro fases. Um muro para a marcação das instalações já começou a ser erguido no local.

De acordo com Humberto Melo Filho, a Nova Estação poderá, ainda, possibilitar a Cedae a fazer manutenção ou obras na rede sem precisar interromper a produção de água, como aconteceu na última semana.

“Qualquer reforma ou manutenção hoje em dia eu não consigo fazer sem paralisar o sistema por falta desse ‘backup’. Com esse novo sistema, isso vai ser possível porque vou ter essa sobra de água”, explicou Humberto.

Aulas no Canteiro

Enquanto as obras acontecem, a Cedae realiza um projeto social com operários que estão trabalhando na construção do sistema Guandu II. Foi identificado que 38 dos 250 trabalhadores deste início de projeto são analfabetos. Diante disso, a iniciativa Aulas no Canteiro começou a funcionar.

“Contratamos professoras da região e os trabalhadores estão aprendendo a ler e escrever após o expediente. Além disso, as horas de aula são convertidas em hora extra”, detalha Humberto Melo Filho.

Advertisement

5 COMENTÁRIOS

  1. Além de tudo isso q vc mencionou, a poluição dos rios, manguezais, portos, lagoas, lagos, praias e etc…Tudo PODRE e abandonado, a CEDAE recebeu dinheiro do Japão e NUNCA sequer despoluiu um único afluente da Baía de Guanabara, que não passa de uma cloaca a céu aberto, na verdade a CLOACA MÁXIMA do Rio de Janeiro. nem na Z. Sul, onde todos os prédios jogam o cocô dos seus moradores na Lagoa Rodrigo de Freitas, os edifícios com esgoto direto nas praias, e os funcionários públicos dormindo, vai vc tentar denunciar pra ver se atendem um simples telefone.

  2. Excelente saber que a parte estatal da CEDAE seguirá cumprindo a sua missão. A outra notícia que todos os cariocas e fluminenses aguardam é a despoluição do sistema fluvial Guandu, e de todos os mananciais aquíferos do nosso Estado do Rio de Janeiro.

    • Sonhar não paga imposto, né? Não tem ninguém do governo minimamente interessado nisso, nem nas dezenas de órgãos públicos inúteis e ineficientes, que só servem de cabide de empregos.

  3. Não seria melhor fazer para os lados de Paracambi? Vou explicar. A uns 3 ou 4 anos teve uma enchente em Seropedica que inundou parte do município por dias. É uma teoria de quem não é especialista hidrológico, mas se o rio estivesse com uma vazão diminuída, por exemplo por causa de uma captação para tratamento, não teria escoado melhor a água e talvez evitado o alagamento?

  4. “Vamos resolver uma antiga demanda da região…” é de cair da cadeira!! O cara nos fala isso como se fosse bom. Não estamos falando de uma demanda antiga por Ferraris para todos. Estamos falando de ÁGUA POTÁVEL no segundo estado mais rico da federação, que a CEDAE teve mais de 50 anos para universalizar entre os fluminenses e não fez por incompetência. Não conheço ninguém que não beba água e não evacue. Receita e geração de caixa garantidas!! É uma vergonha esta demanda da região ter se acumulado e virado “antiga”.

    Fala sério!! Tudo que remete à CEDAE a gente tem que responder com pedras nas mãos. Paciência já esgotou.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui