Rio será pioneiro na compra de energia renovável como alternativa as hidrelétricas

A medida é um projeto da Secretaria Municipal de Fazenda e Planejamento, com foco no uso das energias eólica e solar, e será aplicada no abastecimento do Centro Administrativo São Sebastião (Cass), na Cidade Nova

Grátis para uso comercial - Foto: Pixabay

Em uma ação inédita, que privilegia a adoção de fontes limpas e renováveis como alternativa ao abastecimento por hidrelétricas, a Prefeitura do Rio vai comprar energia no livre mercado. Ou seja, sem intermediação de concessionária. A medida é um projeto da Secretaria Municipal de Fazenda e Planejamento, com foco no uso das energias eólica e solar, e será aplicada no abastecimento do Centro Administrativo São Sebastião (Cass), na Cidade Nova.

A expectativa de economia é de R$ 4,5 milhões ao ano nas contas públicas.

O abastecimento de energia verde será viabilizado por um pregão lançado nesta sexta-feira, (11/11), para compra direta com as geradoras, pelo período de 60 meses. A iniciativa permitirá que a Prefeitura aumente o leque de opções para esse tipo de negociação. Existem atualmente no mercado cerca de 490 empresas comercializadoras varejistas, com preços que podem levar à redução de 41% na tarifa atual.

O projeto será destaque nesta sexta-feira na programação da segunda edição do Rio Innovation Week (RIW), no painel “Eficiência Energética: primeira prefeitura a comprar energia limpa”. O evento de tecnologia, inovação e negócios acontece no Píer Mauá, no Centro do Rio.

“Todos ganham com este projeto: o município, que economiza ao abrir mais opções para compra de energia; os cidadãos, que verão a melhor aplicação do seu dinheiro pago em impostos; e o meio ambiente, com a adoção de energia limpa e renovável”, afirma a secretária de Fazenda e Planejamento, Andrea Senko.

De acordo com a subsecretária de Gente e Gestão Compartilhada da SMFP, Roberta Guimarães, o objetivo é ampliar o projeto piloto para todas as estruturas do município, como hospitais, escolas e empresas públicas. “Além da sede da Prefeitura, estamos estudando a implantação da energia verde em outros 20 equipamentos municipais, com uma estimativa de economia de R$ 32 milhões anuais”, completa Guimarães.

Advertisement

1 COMENTÁRIO

  1. Um comentário é que esta medida vai no sentido contrário do potencial energético do Estado do RJ. Bem ou mal, nosso estado tem uma vantagem competitiva sem igual contra os demais estados da federação na geração térmica! Solar e eólica não são comuns aqui porque nos demais estados há mais potencial de geração. Mas a notícia fica bonita no jornal.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui