Rio tem o maior percentual de pessoas que podem escolher o dia que trabalham de casa

62% dos trabalhadores no Rio trabalham pelo menos um dia da semana em casa,  mostra levantamento encomendado pelo QuintoAndar e pelo Imovelweb. Pesquisa da FGV diz que houve queda da produtividade

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto Cleomir Tavares / Diario do Rio

Escolher o dia em que vai trabalhar em casa é um privilégio para quase metade (48%) dos trabalhadores híbridos do Rio de Janeiro. É o que mostra uma pesquisa encomendada pela imobiliária online QuintoAndar, e pelo Imovelweb, portal paulista de classificados de imóveis na internet. 

Segundo a pesquisa, os cariocas seriam aqueles que possuem o maior poder de escolha em todo o país, em comparação com São Paulo, Curitiba, Belo Horizonte e Porto Alegre. Na capital paulista, por exemplo, somente 35% alegam poder optar completamente por trabalhar em casa ou no escritório. 

Ao todo, 36% dos trabalhadores do Rio de Janeiro ainda atuam no esquema híbrido, segundo a pesquisa. Ou seja, trabalham parte da semana em casa e outra parte no escritório. Outros 26% ainda atuam em regimes totalmente remoto. Isso significa que, de cada cinco trabalhadores na capital fluminense, três ainda trabalham fora do escritório pelo menos em algum dia da semana (62%). 

A casa foi ressignificada durante a pandemia e passou a ser um espaço também de trabalho, e não apenas um local de moradia. Apesar de as pessoas estarem voltando aos poucos aos escritórios, a casa segue com a sua importância. Antes da crise sanitária, apenas 7% faziam home office de modo exclusivo e só 15% atuavam de forma híbrida no Rio. Hoje, 56% dos entrevistados preferem trabalhar pelo menos um dia em casa”, destaca Thiago Reis, gerente de dados da empresa. 

Advertisement

O trabalho em “home office”’ é controverso. Provavelmente devido aos péssimos resultados neste regime, o Tribunal se Justiça do Rio decidiu retornar ao trabalho presencial em fevereiro último. Todavia, apesar da divulgação da decisão, advogados ainda dizem que a ordem não foi totalmente implementada. Antes da pandemia, pelo Fórum Central chegaram a transitar mais de 30 mil pessoas. Agora, tal número foi reduzido a aproximadamente cinco mil pessoas, sendo as audiências híbridas e presenciais. A comunidade jurídica tem reclamado muito do andamento dos processos, que estaria bem mais lento depois do advento do ‘home office’ judicial. Segundo informações obtidas pelo DIÁRIO, o número de estagiários no fórum cresceu sobremaneira, com os servidores mais preparados evitando o trabalho presencial. Antes da pandemia, pelo Fórum Central chegaram a transitar mais de 30 mil pessoas. O número foi reduzido a aproximadamente cinco mil pessoas, sendo as audiências híbridas e presenciais. A comunidade jurídica segue reclamando muito do andamento dos processos, que estaria bem mais lento depois do advento do ‘home office’ judicial. Segundo informações obtidas pelo DIÁRIO, o número de estagiários no fórum cresceu sobremaneira, com os servidores mais preparados evitando o trabalho presencial.

A pesquisa do QuintoAndar realizada pela Offerwise. Foram entrevistados quase 2 mil brasileiros em todas as capitais do país.

Sexta é o dia da semana em que as pessoas mais trabalham de casa no Rio, segundo o levantamento: 37% dos entrevistados afirmam que podem fazer home office nesse dia. Já trabalhar no escritório na sexta é uma realidade para 48% dos entrevistados – o dia é o menos citado entre todos da semana. 

De acordo com os dados levantados, 42% dos trabalhadores que dizem ser totalmente remotos ou híbridos afirmam que procurariam outro emprego caso fossem obrigados a trabalhar exclusivamente no regime presencial no Rio. Além disso, 63% dizem que teriam que adaptar bastante a rotina de casa para conseguir ir presencialmente.

Uma outra pesquisa, da FGV, demonstrou que em 2021, 19,4% das empresas que usaram o chamado ”trabalho remoto” apontaram redução na produtividade.

O fato é que, apesar de o home office, para alguns, ainda ser considerado uma modalidade possível de produção, há outros fatores que ainda interferem em como vemos o mercado de trabalho e as relações que nele estabelecemos no cotidiano. Foi observando a falta do olho no olho do home office que a maior startup de recursos humanos do Brasil decidiu abrir um novo escritório. Em entrevista à TV GloboMariana Dias, CEO de uma empresa disse: “As pessoas estavam querendo voltar. Muita gente falando como estava sentindo falta dessa conexão, desse brilho no olho e de coisas intangíveis também. Por exemplo, almoçar com uma pessoa que você trabalha, depois do trabalho você conseguir se conectar. Tomar um café, fazer algum happy hour.” A avaliação de executiva é referendada pela pesquisa que apontou que número de profissionais que trabalham pelo menos um dia à distância recuou de 55,5%, em 2021 para 34,1%, em 2022. É também óbvio que há uma dicotomia entre o profundo desejo dos funcionários em permanecer em casa e até onde as empresas vão tolerar a queda na produtividade para poder manter estes empregados.

Na pesquisa do QuintoAndar foram entrevistados 1.914 brasileiros, com 18 anos ou mais, de todas as classes sociais, nas 27 capitais do Brasil.  No Rio, 207 pessoas foram ouvidas. Toda a pesquisa foi feita online, o que pode significar que um certo perfil de pessoas mais afeitas a realizar tarefas no computador foi mais bem representado.  

O levantamento foi feito de 31 de agosto a 18 de setembro e tem margem de erro de 2 pontos percentuais, com um intervalo de confiança de 95%. É importante salientar que algumas questões, por permitirem a escolha de mais de uma opção, extrapolam a somatória de 100% nas respostas. Arredondamentos dos percentuais também fazem com que o total varie e ultrapasse os 100% em alguns casos.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Rio tem o maior percentual de pessoas que podem escolher o dia que trabalham de casa
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui