RJ apresenta o quarto maior índice de desigualdade entre todas as Unidades Federativas do país

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua)

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Urbe Carioca

O Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) divulgou levantamento especial sobre os índices de pobreza e miséria nos estados brasileiros. O relatório considerou dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A pesquisa traz resultados do ano de 2023. Apesar da queda em relação ao número de pessoas em situação de pobreza e extrema pobreza, o levantamento aponta para uma permanência em termos da alta desigualdade econômica entre os fluminenses. Os indicadores mostram esta tendência à nível nacional.

A métrica para estimar a desigualdade econômica em um determinado grupo social é realizada através do Índice de Gini. Criado pelo matemático italiano, Conrado Gini, este é um instrumento para medir o grau de concentração de renda de uma população, apontando a diferença de rendimento daqueles mais pobres e os mais ricos. Em termos práticos, o Índice de Gini tende a comparar os 20% populacional com o maior rendimento médio mensal com os 20% de menor rendimento médio por mês.

O índice considera valores de zero a um, onde zero (0) representa situação de igualdade, e o valor um (1) expressa o oposto, onde há maior concentração de renda possível. Neste sentido, é similar a métrica utilizada pelo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). O Índice de Gini também é utilizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).

Advertisement

Os dados coletados mostram que o estado do Rio de Janeiro apresentou Índice de Gini de 0,540 em 2023. Entre todas as Unidades Federativas (UFs), o Rio esteve como quarto colocado, superando a média nacional (0,518). Em 2022, ocupou o terceiro lugar no ranking, tendo sido superado pelo Distrito Federal.

Apesar da redução significativa da população em situação de pobreza e extrema pobreza, a região fluminense apresenta um Índice de Gini consideravelmente acima dos demais estados da região sudeste. Afinal, o indicador mostra que o Rio supera o índice de desigualdade apresentado em São Paulo (0,504), Espírito Santo (0,486) e Minas Gerais (0,476). As únicas UFs que superam o Índice de Gini fluminense são o Distrito Federal (0,543), Piauí (0,552) e o estado da Paraíba (0,559).

“Com relação ao Gini, indicador sintético que reúne quatro indicadores de três dimensões, portanto menos sensível a mudanças anuais bruscas, cabe destaque a manutenção do indicador nacional (0,518) e do estado do Rio de Janeiro (0,54). Além disso, tanto a UF de maior concentração de renda (PB), quanto a de menor concentração de renda (SC) tiveram leve piora no indicador de 2022 para 2023”, aponta Jimmy Medeiros,pesquisador no Centro de Pesquisa e Documentação da Fundação Getulio Vargas (FGV/CPDOC).

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp RJ apresenta o quarto maior índice de desigualdade entre todas as Unidades Federativas do país
Advertisement

2 COMENTÁRIOS

  1. Desigualdade é uma abstração estatística que o pessoal confunde com miséria ou pobreza.

    Pode-se morar numa bela casa e você ter um gol bolinha e o seu vizinho, que ganha o mesmo que ti, ter uma casa melhor e um carro melhor. Existe desigualdade mas não existe pobreza.

  2. A mídia Fluminense não informa a população fluminense do roubo que o Brasil faz ao pegar a esmagadora parte dos lucros do petróleo e gás do Rio de Janeiro, bilhões esses que eram pra estar sendo investido aqui para o nosso povo.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui