Roberto Anderson: Roda mundo, roda-gigante 

Seja no Rio, seja em Dubai, rodas-gigantes continuam a nos fascinar pela possibilidade de alcançar as alturas, pela ilusão da visão dos pássaros, e pela possibilidade de observação da paisagem em volta a ser fotografada ou guardada com carinho na memória

Em 2008 foi inaugurada no Forte de Copacabana uma roda-gigante patrocinada por uma cervejaria. Ela tinha 36 metros de altura e teria sido inspirada na London Eye, a roda-gigante de Londres aberta em 1999. Mas, ela estava longe de alcançar os 135 metros de altura da roda londrina, quase quatro vezes mais alta que a sua similar carioca.

A roda de Copacabana, numa paisagem deslumbrante, foi um sucesso. Mas sua instalação no Forte era temporária, já que a sua simples localização num bem tombado já constituía um exemplo das pressões e contrapressões que envolvem investimentos desse tipo. Há os interesses da iniciativa privada, as normas de gestão dos bens tombados e os interesses políticos. As soluções nem sempre são as ideais. 

Apesar de mais associadas a parques de diversões, as rodas-gigantes surgiram como um divertimento de adultos. E são bastante antigas. No mundo moderno, a primeira delas foi a que existiu na Exposição Mundial de Paris, em 1889. Ela influenciou a de Chicago, com 80 metros de altura, construída por George Ferris para a Exposição Mundial naquela cidade, em 1893. Nos Estados Unidos, até hoje, rodas-gigantes são chamadas de “Ferris Wheel”. A mais antiga do mundo ainda existente é a Wiener Riesenrad, em Viena, com 65 metros de altura, inaugurada em 1897. À época, não foi um grande sucesso comercial, e seu construtor quase foi à falência.

Outra roda muito conhecida é a do parque de diversões de Coney Island, em Nova Iorque, com 45 metros de altura. No Rio, o saudoso (mas com um histórico de acidentes e outros problemas) Tivoli Park também tinha a sua roda-gigante. O parque estava situado onde hoje se encontra o Parque dos Patins, e homenageava o de Copenhague, aberto em 1843. A vista da Lagoa Rodrigo de Freitas e dos demais ícones da paisagem da Zona Sul do Rio de Janeiro era o grande atrativo daquele brinquedo. 

Em se tratando de disputa pelo posto de mais alta do mundo, atualmente nenhuma supera a de Dubai, nos Emirados Árabes, com 250 metros de altura. Ela desbancou a de Las Vegas, com 167 metros, até então a mais alta. No Japão elas estão em várias cidades, sendo a de Osaka, com 123 metros, a mais alta daquele país.

Atualmente, pode-se dizer que as rodas-gigantes se autonomizaram dos parques de diversões. Ao ganharem em altura, perderam o ar de precariedade. Não mais as cadeiras balançando, o ar batendo na cara, e os gritos alegres das pessoas sendo ouvidos cá no chão. Não servem mais para as juras de amor dos casais, já que as cabines climatizadas recebem várias pessoas estranhas entre si. Mas parecem não ter perdido a atratividade. As filas na London Eye testemunham o sucesso desses equipamentos.

Elas se transformaram também num item importante dos projetos de revitalização de áreas urbanas. Seguindo os esforços de revitalização da Área Portuária, em 2019 o Rio de Janeiro ganhou ali uma nova roda-gigante, com 88 metros de altura. É a mesma altura daquela de Foz do Iguaçu. À beira da Baía de Guanabara, ela permite uma visão panorâmica nessa direção. Se a visão da baía é um ponto forte da roda carioca, a visão dos pontos turísticos mais conhecidos, como o Pão de Açúcar e o Corcovado, fica um pouco prejudicada pela distância. Outra aparente desvantagem é que, não muito longe, há edifícios até mais altos do que a roda, reduzindo um pouco a expectativa de se alcançar as alturas da cidade. Nada disso impede o fascínio de turistas e cariocas por essa nova atração.

Como não podia deixar de ser, São Paulo acaba de inaugurar a sua roda-gigante. Com três metros a mais do que a do Rio e em campo mais aberto. Mas sem uma baía à frente para gerar aquele reflexo do brilho do sol na água, que torna qualquer foto especial, ou, como se diz, instagramável.  

De qualquer forma, seja no Rio, seja em Dubai, rodas-gigantes continuam a nos fascinar pela possibilidade de alcançar as alturas, pela ilusão da visão dos pássaros, e pela possibilidade de observação da paisagem em volta a ser fotografada ou guardada com carinho na memória.

Este é um artigo de Opinião e não reflete, necessariamente, a opinião do DIÁRIO DO RIO.

Roberto Anderson é professor da PUC-Rio, tendo também ministrado aulas na UFRJ e na Universidade Santa Úrsula. Formou-se em arquitetura e urbanismo pela UFRJ, onde também se doutorou em urbanismo. Trabalhou no setor público boa parte de sua carreira. Atuou na Fundrem, na Secretaria de Estado de Planejamento, na Subprefeitura do Centro, no PDBG, e no Instituto Estadual do Patrimônio Cultural - Inepac, onde chegou à sua direção-geral.
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui