Rua da Constituição já foi Rua dos Ciganos

No ano de 1760, o rei Dom José I, de Portugal, determinou que os ciganos que viviam no Rio de Janeiro só poderiam morar na citada rua

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

Em agosto de 2016, a Prefeitura da cidade colocou uma referência na placa da Rua da Constituição, no Centro do Rio. O texto, embaixo do nome da via, explica como ela era chamada antes: Rua dos Ciganos.

No ano de 1760, o rei Dom José I, de Portugal, determinou que os ciganos que viviam no Rio de Janeiro só poderiam morar na citada rua. Uma decisão extremamente excludente e preconceituosa (mas muito comum na época), uma vez que o povo cigano se encontrava em muitas partes não só do Rio, mas de quase todo o território nacional na época.

Praca da Constituicao 18xx Palacio da Conceicao Rio de Janeiro RJ BN icon393061 09b 1 Rua da Constituição já foi Rua dos Ciganos

Durante as obras para a passagem do VLT, o calçamento original da Rua dos Ciganos foi encontrado. Em entrevista ao O Globo em agosto de 2016, o carioca Mio Vacite, então presidente da União Cigana do Brasil, disse, emocionado, que pôde tocar com as mãos as pedras sagradas pisadas pelos seus ancestrais.

Onde fica hoje a Praça Tiradentes existiu o Campo dos Ciganos. “No Rio de Janeiro, os ciganos se estabeleceram entre o Campo de Santana, o Valongo e o Campo dos Ciganos (atual Praça Tiradentes). Atuavam no mercado de escravos, liam a sina nas linhas das mãos, eram ferreiros, latoeiros e ourives, comercializavam cavalos e atuavam também como oficiais de justiça, os chamados meirinhos. Foram estigmatizados como supersticiosos, ladrões de crianças, golpistas e ladravazes. Ao mesmo tempo, povoam o nosso imaginário como amantes da liberdade, místicos, sabedores dos secretos da magia”, explica o historiador Luiz Antonio Simas.

Advertisement

Leia também

MP é acionado para investigar manifestantes que declaram apoio ao Hamas na frente da Câmara do Rio

Deputados propõem destinar R$15 milhões da Alerj para 10 municípios afetados por chuvas no RJ

A Rua, movimentada na época, foi citada em obras literárias. Machado de Assis usou a via como cenário em trechos de dois contos (Confissões de Uma Viúva Moça, de 1869 e A Mulher de Preto, lançado em 1869), além de um romance: A Mão e a Luva, publicado no ano de 1874.

Não muito distante da hoje Rua da Constituição, ciganos se encontravam na região da Praça Onze, formando um verdadiro caldeirão cultural com outros povos na área considerada um dos berços do samba.

Hoje em dia ainda é possível ver muitos ciganos não só na Rua da Constituição, como nas vias próximas, nos arredores do Campo do Santana, Central.

SERGIO CASTRO - A EMPRESA QUE RESOLVE, desde 1949
Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis – a empresa que resolve contribui para a valorização da cultura carioca
Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Rua da Constituição já foi Rua dos Ciganos

Advertisement

2 COMENTÁRIOS

  1. Tem um plaquinha na Rua da Carioca dizendo que ela já foi chamada de Rua do Egypto (escrito assim mesmo) e de Rua do Piolho.
    Seria interessante saber o porquê desse último nome.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui