Santos Dumont virou camelódromo? – Bastidores do Rio

PSDB terá candidato próprio a Prefeito do Rio; o que falta para exonerar Washington Reis; as férias não pagas na Alerj de Bacellar

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Daniel Martins/Diário do Rio

Voo solo
Com Aspásia Camargo como presidente estadual, uma coisa é certa no PSDB do Rio de Janeiro: eles não vão apoiar Eduardo Paes para prefeito do Rio em 2024.

Voo solo II
Além disso, eles pretendem lançar um candidato próprio que vá diretamente ao eleitor que vota em Paes, mesmo que seja a contragosto. Isso pode levar as eleições de 2024 para o segundo turno.

Aerocamelô
Os turistas que chegam ao Aeroporto Santos Dumont se deparam com uma feirinha que se assemelha aos camelôs da Uruguaiana, é uma situação horrível.

Aerocamelô II
Será que a desordem urbana do Centro invadiu o aeroporto?

Advertisement

Leia também

Esgarçamento da polarização direita e esquerda pode afetar eleição carioca?

Aterro Restaurado e o Fim do Pulinho de São Conrado

O que está faltando?
Não que o Ministério Público precise ou possa dar ordens ao governo, mas o que o governador Cláudio Castro está esperando para exonerar o secretário de Transportes Washington Reis?

O que está faltando II
Não consigo imaginar uma situação como essa em qualquer cidade, estado ou país minimamente sério. Espera-se um mínimo de decoro.

Férias não pagas
A Alerj não pagou as férias não usufruídas aos assessores dos deputados que não foram reeleitos.

Férias não pagas II
A prática da Casa era pagar após a exoneração, mediante preenchimento de um formulário de requisição.

Férias não pagas III
Todos fizeram isso, mas a administração de Rodrigo Bacellar acumulou uma pilha de processos para análise e até hoje não pagou um centavo.

Segurança na Tijuca
Parlamentares, especialistas em segurança pública e representantes da sociedade civil se reunirão na próxima segunda-feira (29/5), às 10h, no plenário da Alerj, para uma Audiência Pública sobre o aumento da violência na Grande Tijuca.

Segurança na Tijuca II
A coordenação está a cargo do deputado Márcio Gualberto (PL), presidente da Comissão de Segurança Pública da Casa. Foram convidados o subprefeito da Grande Tijuca, Felipe Quintans; o superintendente regional da Segov, Renato Lopes; o presidente da Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Vereadores do Rio, Rogério Amorim (PTB); e a presidente da Comissão de Cidadania da OAB-RJ, Valéria Farah, entre outros.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Santos Dumont virou camelódromo? - Bastidores do Rio

Advertisement

6 COMENTÁRIOS

  1. Esse camelódromo/aeródromo SDU não está à altura de uma metrópole como o Rio de Janeiro, no máximo uma média cidade. A solução reside na operação do Galeão em sua plenitude.

    Mas aí reclamam do Galeão, porque faltou luz uma vez (sendo que as luzes das pistas não se apagaram).

    Para os que vibraram com essa falha, sugiro: em caso de nova queda de energia, os Boeings 787 oriundos de AMS podem optar pelo pouso “em prantos” dumont. (2)

  2. https://tv.uol/1A1YQ link mostrando a pista do galeao apagada, obs : voos foram desviados e atrasados conforme reportagem,

    E alguém vai querer deixar de embarcar pelo Santos Dumont???

    É a mesma coisa que deixar de tomar Coca Cola e ser obrigado a beber Pepsi Cola

  3. Comparar a feira do SDU a camelôs no Rio de Janeiro é um enorme desparate. Podemos debater se as barraquinhas são a melhor apresentação que o SDU pode oferecer a seus visitantes sim, mas comparar essa iniciativa, que é ordenada e autorizada pelo gestor da area, comparar isso com a desordem pública que impera nas ruas do Rio é um absurdo.

    A ocupação das calçadas cariocas por camelôs é um dos grandes problemas dessa cidade, e querer o utilizar para criticar o SDU em nome de uma agenda (sabe lá financiada por quem) para fortalecer o GIG é de uma baixeza, de uma covardia, de uma irresponsabilidade que está me fazer questionar se devo seguir lendo o Diário do Rio diariamente.

  4. Esse camelódromo/aeródromo SDU não está à altura de uma metrópole como o Rio de Janeiro, no máximo uma média cidade. A solução reside na operação do Galeão em sua plenitude.

    Mas aí reclamam do Galeão, porque faltou luz uma vez (sendo que as luzes das pistas não se apagaram).

    Para os que vibraram com essa falha, sugiro: em caso de nova queda de energia, os Boeings 787 oriundos de AMS podem optar pelo pouso em prantos dumont.

  5. Melhor embarcar neste camelódromo que embarcar em um aeroporto (Galeão) que acaba a luz no momento do pouso de um avião com 350 passageiros procedente de Amsterdam. E cadê os bebedouros deixando o usuário morrendo de sede.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui