Sebrae-RJ compra sede do IRB, no Centro, por R$ 85,3 milhões

O edifício de 11.000m2 na Avenida Marechal Câmara foi vendido a R$ 7.754,00 por metro quadrado, demonstrando capacidade de recuperação da região central.

IRB / Foto: Divulgação

Construído, em 1941, o edifício-sede da IRB-Brasil Resseguros (antigo Instituto de Resseguros do Brasil) foi vendido ao Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio de Janeiro (Sebrae-RJ), nesta segunda-feira (29). O prédio fica no número 171 da avenida Marechal Câmara, logo na entrada da região central.

Tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o imóvel fica próximo à Avenida Beira Mar, no Centro do Rio de Janeiro, e é um dos grandes exemplares do modernismo brasileiro na arquitetura. O Centro tem recebido muita atenção das autoridades desde o advento do programa municipal Reviver Centro. As informações são do Valor e do Infomoney.

Com uma área construída de cerca de 11 mil m², o prédio-sede da resseguradora foi vendido por R$ 85,3 milhões, que teriam sido quitados integralmente. No jargão do mercado imobiliário, a venda do edifício foi feita a R$ 7.754,00 por metro quadrado. Segundo informações, a transação incluiu também mobiliário e equipamentos. O local será ocupado provisoriamente pelas duas instituições ao mesmo tempo, até 31 de dezembro deste ano, conforme o comunicado do IRB RE destinado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) “Assim, a companhia está avaliando os possíveis imóveis/endereços para a instalação de sua nova sede na cidade do Rio de Janeiro”, afirmou o IRB.

Foto: Divulgação

O DIÁRIO DO RIO consultou corretores para saber sobre os valores da transação, comparando-o com outros edifícios à venda. Com cerca de 24.000m2, totalmente retrofitado e com deslumbrante vista de 270 graus para a baía de Guanabara, o famoso Edifício Serrador está à venda por 165 milhões de reais, segundo informações da Sergio Castro Imóveis, especializada neste tipo de transação: o valor corresponde a R$ 6.875,00 por cada metro quadrado. “É o melhor edifício comercial de todo o Centro da cidade; isento de IPTU por força das grandes reformas que o deixaram em perfeitas condições, é um ícone carioca”, afirma Lucy Dobbin, superintendente de vendas da empresa. Na estreita Rua da Quitanda, número 80, com 5.000m2, um outro edifício ultra-moderno está à venda por R$ 40.000.000,00, ou R$ 8.000,00 por cada metro construído. A corretora afirma que o Centro voltou a ter procura, fazendo referência às recentes comercializações realizadas pela empresa na região: nos últimos meses: o Hotel Itajubá, na Rua Álvaro Alvim; o edifício Assembleia 11, na esquina da Primeiro de Março; o Hotel Rio’s Presidente, junto à Praça Tiradentes, entre outros edifícios inteiros de vulto.

Segundo a resseguradora, a transação envolvendo o seu edifício-sede faz parte de um movimento da companhia rumo à otimização das suas atividades operacionais, bem como à readequação dos seus processos de trabalho, profundamente impactados durante o período pandêmico. A transação “está inserida na estratégia de otimização da estrutura de capital da companhia, na contínua melhoria de suas despesas administrativas e operacionais, bem como na adequação de seus escritórios ao atual modelo de trabalho híbrido”.

Até 1939, os riscos das empresas nacionais eram avalizados no exterior. O IRB nasceu publico. Com a criação do IRB, no mesmo ano, o presidente Getúlio Vargas manteve as operações em território nacional, o que ocorreu até 2007, quando o Congresso Nacional, através de uma Lei Complementar, reabriu o mercado ressegurador brasileiro.  Coube à Superintendência de Seguros Privados (Susep) a regulação geral do mercado, ficando o IRB como ressegurador local.

Em 2013, o IRB passaria por mais uma transformação, com a sua privatização. Quatro anos depois, a companhia concluiu a oferta pública de ações (IPO), movimentando R$ 2 bilhões com a venda de ações dos acionistas controladores. Depois de apenas 1 ano de companhia aberta, as ações do IRB Brasil RE foram as que mais registraram valorização em 2018.

A concretização da venda da sede da instituição, no entanto, gerou um impacto negativo na transação das suas ações que “renovaram mínima histórica e fecharam em queda de 5,58%, a R$ 1,86, a poucos dias da precificação de uma oferta bilionária de ações da resseguradora, que busca reenquadramento de indicadores regulatórios” segundo o Infomoney.

Com saída do IRB RE da sua antiga sede, o Sebrae passará a ocupar o belíssimo edifício modernista, e assim deve dar curso aos compromissos assumidos, em 1972, ano da sua criação, como entidade privada de serviço social ligada ao Sistema S. A instituição, que não possui fins lucrativos, é voltada para a capacitação e dinamização do desenvolvimento econômico de micro e pequenas empresas nacionais, através do estabelecimento de parcerias com os setores público e privado, programas de capacitação, além de feiras e rodadas de negócios. O Sebrae também desenvolve projetos especiais ligados ao associativismo e à sustentabilidade.

Foto: Divulgação
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui