Solo do terreno onde Flamengo pretende construir estádio de futebol ainda está contaminado

O local, que funcionou como centro de armazenamento e distribuição de gases por muito tempo, nunca passou por uma descontaminação completa e não se sabe o grau e os tipos de contaminantes existentes atualmente

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Vista aérea do terreno do Gasômetro onde o Flamengo deseja erguer seu estádio - Foto: Prefeitura do Rio

De 1895 até 2005, a área do Gasômetro do Rio de Janeiro, onde o Flamengo deseja que seu estádio de futebol seja construído, funcionou como centro de armazenamento e distribuição de gases. Por conta disso, o solo do terreno foi contaminado, principalmente em casos de vazamentos de tubulação durante o período de atividade mais intensa. O documento divulgado pela Prefeitura do Rio nesta terça-feira (09/07) mostra que o grau e o tipo de contaminação do local ainda são desconhecidos.

Advertisement
WhatsApp Image 2024 07 10 at 11.35.04 1 Solo do terreno onde Flamengo pretende construir estádio de futebol ainda está contaminado

Parte do documento da Procuradoria de Urbanismo e Meio Ambiente – PUMA. Órgão da Prefeitura do Rio de Janeiro

No início de tudo, em 1895, o gás era produzido a partir da queima de carvão mineral. Em 1911, sendo considerado o maior do mundo neste tipo de produção, o Gasômetro do Rio operava para fornecer 180 mil metros cúbicos de gás por dia.

Alguns trabalhos acadêmicos observaram essa questão da contaminação do solo na região do Gasômetro. Entre eles está o de Mariana Velasco Gomes de Almeida, que fez a tese de mestrado “Contaminação de áreas portuárias — um estudo de caso no porto do Rio de Janeiro”, no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana e Ambiental da PUC-Rio. No texto, apresentado em 2015, Mariana destacou que em 1997 foram feitos os primeiros estudos geoambientais na área.

Cinco anos depois, em 2002, realizaram novos estudos que detectaram no terreno produtos químicos como benzeno, tolueno, etilbenzeno e xilenos; hidrocarbonetos; chumbo, cobre, níquel, arsênio, mercúrio e cianeto. Todos acima da quantidade aceitável.

Não se sabe ao certo como esses resíduos eram dispostos no terreno, ou seja, se eram colocados em um lugar próprio ou se apenas eram deixados em contato direto com o solo do local“, frisa Mariana Velasco em sua pesquisa.

Já no ano de 2011, o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) diagnosticou o espaço como Área Contaminada sob Investigação (ACI). No ano seguinte, o terreno passou à Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto (CDURP). Na sequência, em 2013, foi apresentado outro plano de descontaminação. Mas não foi implementado. Nos processos do Inea, não consta que a área encontra-se apta para mudança de uso e ocupação do solo.

De acordo com ambientalistas consultados pela reportagem do DIÁRIO DO RIO, a poluição do solo pode causar inúmeras consequências, como perda da fertilidade da terra, desequilíbrio ecológico, problemas de saúde pública, liberação de gases poluentes, aumento da salinidade, contaminação de alimentos e contaminação de fontes de água e lençóis freáticos.

O terreno chegou a receber projetos de tratamento, porém, os trabalhos nunca foram atestados como concluídos. O DIÁRIO DO RIO tentou contato com a última empresa a atuar na descontaminação, a Haztec, mas não conseguiu falar com os responsáveis.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Solo do terreno onde Flamengo pretende construir estádio de futebol ainda está contaminado
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui