Theatro Municipal recebe monólogo ‘Traga-me a Cabeça de Lima Barreto’

Hilton Cobra celebra o centenário de morte de Lima Barreto apresentando seu premiado monólogo no Theatro Municipal do Rio de Janeiro

O Theatro Municipal do Rio de Janeiro será palco para a celebração que o ator Hilton Cobra vem dedicando ao centenário de morte do escritor carioca Lima Barreto, através do monólogo teatral Traga-me a Cabeça de Lima Barreto!. Cobra vive o escritor, cujas obras ‘Diário íntimo’ e ‘Cemitério dos vivos’, consideradas autobiográficas, servem de fio condutor para abordar temas como loucura, racismo e eugenia. Apeça, sucesso de público e crítica,que está há seis anos em cartaz, com mais de 250 apresentaçõespara cerca de 35 mil espectadores, em mais de 140 cidades de 19 estados, terá duas únicas apresentações no dia 17 de outubro (terça-feira) às 16h (para escolas) e às 19h (aberta ao público) com ingressos a preços populares: R$ 2 (inteira) e R$ 1 (meia entrada).

Escrita pelo diretor e dramaturgo Luiz Marfuz em 2017, especialmente para comemorar os 40 anos de carreira de Hilton Cobra e com direção de Onisajé (Fernanda Júlia), a peça mostra uma imaginária sessão de autópsia na cabeça do escritor Lima Barreto, conduzida por um Congresso de Eugenistas no Brasil, início do século XX.  Após a morte de Lima Barreto, os médicos eugenistas determinam a exumação do corpo, a fim de responder à seguinte pergunta: “Como um cérebro, considerado inferior pelos eugenistas da época, poderia ter produzido e publicado obras literárias de qualidade, se a arte nobre e da boa escrita deveria ser um privilégio das raças consideradas superiores?”. A partir desse embate, a peça mostra as várias facetas da personalidade e da genialidade de Lima Barreto, refletindo sobre loucura, racismo e eugenia, a obra não reconhecida e os enfrentamentos políticos e literários de sua época.

A narrativa ganha força com trechos dos filmes “Homo Sapiens 1900” e “Arquitetura da Destruição” – ambos cedidos gentilmente pelo cineasta sueco Peter Cohen – que mostram fortes imagens da eugenia racial e da arte censurada pelo regime hitlerista. O cenário, de Marcio Meirelles – um manifesto de palavras – contribui para a força cênica juntamente com o figurino de Biza Vianna, a luz de Jorginho de Carvalho, a direção de movimento de Zebrinha, a música de Jarbas Bittencourt e a direção de vídeos de David Aynan. Os atores Lázaro Ramos, Caco Monteiro, Frank Menezes, Harildo Déda, Hebe Alves, Rui Manthur e Stephane Bourgade – todos amigos e admiradores do trabalho de Cobra, emprestam suas vozes para a leitura em off de textos de apoio à cena. 

Cobra reconhece a importância de se fazer um tributo a Lima Barreto – “um autor tão pisoteado, tão injustiçado, que pensou tão bem esse Brasil, abriu na literatura brasileira ‘a sua pátria estética’, os pisoteados, loucos, os privados de liberdade – esses são os personagens do escritor. Acredito que ele deve ter sido, se não o primeiro, um dos primeiros autores brasileiros que colocaram esse ‘mundo esquecido’ em qualidade e com importância dentro de uma obra literária”.

Hilton Cobra vem pautando sua trajetória artística na discussão e enfrentamento às estruturas racistas. Ele afirma: “Existe uma urgência em frear a perpetuação das estruturas sociais e raciais no Brasil que insistem em colocar homens e mulheres pretos como cidadãos de segunda classe. As conquistas até aqui – com maior representatividade de atores e atrizes negros em papel de destaque na TV, são um reflexo ainda tímido do espaço que podemos conquistar. É fundamental entender que seremos uma sociedade plural e igualitária quando a representatividade preta estiver também em outros espaços, como na educação ou na liderança de grandes empresas” afirma o ator.

Atualmente, Hilton Cobra concilia as apresentações de “Traga-me a cabeça de Lima Barreto!” com as gravações da novela “Fuzuê”, onde interpreta o personagem Cata Ouro, um catador de recicláveis muito parecido com os personagens da pátria estética de Lima Barreto.

Ficha Técnica (Criação):

Hilton Cobra – Ator | Luiz Marfuz – Dramaturgia | Onisajé (Fernanda Júlia) – Direção | Cenário: Vila de Taipa (Erick Saboya, Igor Liberato e Márcio Meireles) | Desenho de Luz: Jorginho de Carvalho e Valmyr Ferreira | Figurino: Biza Vianna | Direção de Movimentos: Zebrinha | Direção Musical: Jarbas Bittencourt |Direção de vídeo: David Aynan | Produção executiva: Ruth Almeida | Assistente de produção: Drika Rodrigues e Thais Ferreira | Assessoria de imprensa: Target Comunicações/Marcia Vilela | Assessoria de comunicação: Adriana Baptista e Naira Fernandes | Fotos: Adeloyá Magnoni, George Magaraia e Valmyr Ferreira | Operador de áudio e vídeo: Duda Fonseca | Operador de luz: Lucas Barbalho | Participações especiais (voz em off): Lázaro Ramos, Caco Monteiro, Frank Menezes, Harildo Deda, Hebe Alves, Rui Manthur e Stephane Bourgade.

SERVIÇO

Espetáculo “Traga-me a cabeça de Lima Barreto!”

Local: Theatro Municipal do Rio de Janeiro

Praça Floriano, S/N – Centro, Rio de Janeiro – RJ

Telefone:(21) 2332-9191

Data 17 de outubro. Horários: 16h (gratuito/estudantes) e 19h

Ingressos: R$ 2,00 (inteira) e R$ 1,00 (meia entrada)

Advertisement
irmandade lapa dos mercadores Theatro Municipal recebe monólogo 'Traga-me a Cabeça de Lima Barreto'
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui