‘Tijolinho’: condomínio, área de lazer e construção histórica do Rio

Símbolo de bairros como Andaraí, Grajaú e Vila Isabel, o Tijolinho já se transformou em patrimônio da Zona Norte carioca

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Condomínio Tijolinho (Foto: Reprodução Internet)

Os moradores de bairros como Andaraí, Grajaú e Vila Isabel já o conhecem bem, mas a verdade é que não é tarefa das mais difíceis achar alguém da região da Grande Tijuca, e da Zona Norte em geral, que nunca tenha ouvido falar no condomínio Solaris da Torre, ou para os mais chegados, apenas Tijolinho“.

O famoso complexo residencial, cercado por ruas como a Barão de Mesquita e a Via Láctea, é um dos principais pontos de referência da região e já se tornou um símbolo para todos que vivem nas suas adjacências. Dentro do “Tijolinho”, fica o Parque do Tijolinho, uma área de lazer comum que recebe moradores do edifício, vizinhos e visitantes de outros bairros do Rio.

Alguns chamam carinhosamente o Parque do Tijolinho de “Central Parque Carioca” pela sua versatilidade em abrigar nas suas dependências, os praticantes de esporte, os atletas de fim de semana, os ciclistas da área, os amantes de caminhada, os pais de pet ou apenas quem quer simplesmente cortar caminho pelo trecho.

Erguido na década de 1980, o Tijolinho foi concebido no terreno da extinta Fábrica Têxtil Cruzeiro (anos depois, Fábrica América) fundada em 1895, ainda com suas vilas operarias e terrenos do entorno como pano de fundo.

Advertisement

Leia também

Águas do Rio alega não saber sobre situação da Cedae mas presidente foi diretor da empresa – Bastidores do Rio

Antiga garagem da Silveira Martins é vendida por R$19,7 milhões a incorporadora

As fábricas dominaram a região até os anos de 1960, quando questões ambientais e a formação de novos polos removeram as indústrias para longe dali. Mas até hoje é possível ver resquícios dessa época na região, como as chaminés do “Tijolinho” e no “Boulevard Extra”, além da Torre do Relógio, no parque do condomínio.

Vale ressaltar que o Andaraí foi o bairro carioca onde mais se construiu fábricas, deu emprego para a população e contribuiu para o desenvolvimento econômico do Rio de Janeiro e do país, portanto, essa é uma área da cidade com um valor histórico incomensurável.

No fim do Século XIX, a região abrigava um significativo parque industrial, do qual faziam parte América Fabril, Companhia de Fiação e Tecidos Confiança Industrial, Lanifício Ideal, Indústrias Reunidas Alba, Fábrica de Projéteis de Artilharia, Vidros Escarroni e Botões Hashya, entre outras. A fábrica de tecidos Confiança era o local de trabalho de Fina, a mulher para quem Noel Rosa compôs “Três apitos”.

SERGIO CASTRO - A EMPRESA QUE RESOLVE, desde 1949
Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis – a empresa que resolve contribui para a valorização da cultura carioca

O nome da praça central, Professor Darcy Pereira, também está ligado à história do conjunto arquitetônico. Darcy liderou a mobilização dos proprietários para garantir a conclusão das obras e evitar que o empreendimento fizesse parte da massa falida da empresa.

Já o “Tijolinho”, como hoje o conhecemos, tem 8 blocos de edifícios com 14 andares, num total de 1.232 unidades habitacionais, construídos numa área de 120 mil m². Os tijolos aparentes predominantes em toda a área construída são reminiscências da antiga fábrica construída no século XIX, daí o simpático apelido.

Sem titulo 9 'Tijolinho': condomínio, área de lazer e construção histórica do Rio
Vista aérea do Tijolinho (Foto: Reprodução Histórias do Condomínio)

Toda área do que um dia foi a fábrica, é ocupada atualmente por prédios como o do clube ASBAC, do Banco do Brasil e da Escola Municipal Presidente João Goulart. Apenas algumas casas operárias da época resistem na rua Duquesa de Bragança, próximo ao Largo do Verdun, no Grajaú.

WhatsApp Image 2022 03 16 at 13.27.07 'Tijolinho': condomínio, área de lazer e construção histórica do Rio
Imagem da época em que o “Tijolinho” foi construído”

Ícone cultural do Rio de janeiro, o “Tijolinho” é muito mais do que um monte de concreto erguido aleatoriamente na cidade, é a representação de um período histórico e um espaço de lazer e convivência harmônica entre os cariocas.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp 'Tijolinho': condomínio, área de lazer e construção histórica do Rio

Advertisement
lapa dos mercadores 2024 'Tijolinho': condomínio, área de lazer e construção histórica do Rio
Advertisement

4 COMENTÁRIOS

  1. Seria interessante revitalizar a praça e cuidar do parque infantil, a reportagem está ótima, principalmente, a imagem de como era o condomínio, todo aberto, lembro bem dessa época, embora criança, lembro q era enorme e tinha festas juninas animadas.

  2. Pena que os moradores não são muito unidos. Temos uma piscina linda e refrescante na torre do lado do bloco G. Que tombou o chão em volta da piscina, mas ninguém quer contribuir com uma única parcela , só seria uma, de 50 reais, pra restaurar tudo e podermos aproveitar nosso patrimônio.
    É triste.
    E eu adoro morar aqui, mas já foi mais unido os condôminos.
    Agora está uma onda de quererem tirar árvores. Nossa, muita ignorância envolvida.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui