Tombamento ameaça retomada do Riachuelo Tênis Clube

Vereadores tentarão veto na Câmara para barrar medida de Márcio Ribeiro, que impediria a gestão do RTC de obter financiamento para concluir as obras necessárias

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Reprodução/Google Maps

Moradores do Riachuelo relatam que a política tem ameaçado o ressurgimento do Riachuelo Tênis Clube (RTC), um dos mais tradicionais do Grande Méier. A atração de 88 anos é uma das poucas opções do bairro que dá nome ao empreendimento e pode não reabrir caso haja o tombamento, que foi aprovado na sessão de quinta-feira, (09/03), na Câmara dos Vereadores. Localizado à Rua Marechal Bitencourt, o espaço possui um ginásio poliesportivo e uma piscina semiolímpica, que foram reformados desde o fechamento.

Um grande movimento de retomada do clube vinha se formando. Só que, para concluir a obra, segundo o presidente do Riachuelo, Emílio Alárcon, a agremiação necessitaria um empréstimo, o que fica impossibilitado com a medida. “Tive que fechar, pois quando assumi a presidência, além de não ter receita, não tinha alvará da Prefeitura e dos Bombeiros. Conseguimos regularizar tudo e só falta concluir a obra. Porém, nenhuma financeira vai emprestar a verba que falta, caso o espaço seja tombado. O que daremos de garantia se o local não puder ser vendido?”, queixa-se.

O Projeto de Lei para o tombamento é de autoria do vereador Márcio Ribeiro, da base do prefeito Eduardo Paes e que é publicamente ligado a dois outros clubes da região Magnatas e Garnier, ambos no Rocha, bairro vizinho, que teriam sido palco de campanhas eleitorais em 2022 para os hoje deputados Pedro Paulo e Guilherme Schleder. Poucos dias após a vitória de ambos nas urnas, Ribeiro criou o PL para o tombamento do Riachuelo Tênis Clube. “Recebi o vereador aqui e mostrei tudo em andamento, queria ajuda da Prefeitura. Márcio não falou nada do tombamento para mim e depois contou mentiras no plenário, inclusive sobre a regularidade de documentação, para induzir os demais parlamentares ao erro. Acredito que há interesse em favorecer os clubes mais próximos a ele, mas temos que ser democráticos e respeitar o trabalho de cada um. Eu não tenho pretensão política, só quero revitalizar o Riachuelo para a população, seja de esquerda ou direita”, completa Emílio.

Já o vereador Márcio Ribeiro afirma que o pedido de tombamento do imóvel não tem quaisquer relações politicas ou pessoais. “É pela preservação de um bem móvel, de valor cultural e importância histórica. O interesse é manter as características do imóvel, não permitindo que ele seja outra coisa que não um clube social, atendendo as demandas social, esportiva e cultural. Além disso, o valor afetivo para a população, já que é um imóvel que foi construído em 1935, que fez e faz parte da vida de muitas famílias da região”, conclui o vereador Ribeiro.

Advertisement

Leia também

Pedro Paulo cada vez mais certo como vice de Eduardo Paes – Bastidores do Rio

10 coisas que só quem anda de ônibus no RJ vai entender

De acordo com a diretoria do clube, ao assumir a presidência, além da falta de alvará da Prefeitura e dos Bombeiros, o clube estava com dívidas trabalhistas, CNPJ bloqueado, com 300 azulejos da piscina quebrados, não tinha associados e o dinheiro cobrado pelo aluguel de uma antena telefônica, no valor de R$ 7 mil por mês, teria sido desviado pelo gestor anterior que hoje responde por isso na Justiça. Para retomar as atividades, Alárcon conseguiu vender o contrato da antena e recebeu R$ 510 mil para empregar o recurso na restauração do clube, que ainda está em andamento. O Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH) garantiu que não há nada para ser tombado dentro do RTC, segundo ele.

No passado, o Riachuelo conquistou três estaduais de Basquete e conseguiu o vice Sul-Americano em 1949. Também foi referência em Arco e Flecha, além de Carnaval de Bairro, quando atraía cerca de 3 mil pessoas de várias regiões. Quando for aberto, haverá também eventos de lutas como MMA no espaço.

Para o vereador Rogério Amorim, o caminho é o destombamento do clube ou não irá sanar as dificuldades financeiras ainda existentes. “O espaço não pode ser subutilizado, o que vai acontecer caso não consiga recursos por empréstimos, por causa do tombamento, para concluir a reforma”, alerta.

O vereador Pedro Duarte agora vai unir forças para batalhar pelo veto e para mantê-lo na Câmara. Os vereadores Cesar Maia e Teresa Bergher também votaram contra o PL de Ribeiro. Duarte tem acompanhado o caso desde que viu um pedido de ajuda do presidente do clube na porta do gabinete de Ribeiro, que é vizinho ao dele e respondeu ao e-mail enviado a todos os vereadores e fez a ponte com o IRPH.

Segundo especialistas do mercado imobiliário, o tombamento de um imóvel tão horizontal desvaloriza muito a garantia e, embora não torne o imóvel sem valor algum, acaba dificultando bastante sua liquidez.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Tombamento ameaça retomada do Riachuelo Tênis Clube

Avatar photo
Formada em Comunicação Social desde 2004, com bacharelado em jornalismo, tem extensão de Jornalismo e Políticas Públicas pela UFRJ. É apaixonada por política e economia, coleciona experiências que vão desde jornais populares às editorias de mercado. Além de gastar sola de sapato também com muita carioquice.
Advertisement

2 COMENTÁRIOS

  1. Por que tem quebrar o imóvel como garantia para obter empréstimo quando poderia obter receita junto à comunidade e comerciantes local maiores beneficiados com a abertura do clube?

  2. Matéria maravilhosa!! Nós moradores da região estamos aguardando a reabertura do clube desde a nova gestão, mas infelizmente por falta de recursos financeiros ou investimentos de parceiros, as obras pararam. Sou testemunha ocular de tudo que já foi feito de melhorias no clube. A diretoria trabalhando de sol a sol, tanto na administração como no trabalho braçal. Sim, é isso mesmo!! É mão na massa!! Só tenho a reconhecer todo empenho que os senhores Emílio Alarcón (pai/filho) têm prestado ao RTC desde a sua gestão. Enquanto que o anterior “Chiquinho” nada fez pelo clube e o deixou em estado de abandono.

    Graças a Deus a nova diretoria a frente dessa empreitada está tentanto trazer de volta ao bairro Riachuelo o que tantos esperam; esporte e laser, reunião familiar, eventos diversos.

    Aí vem um vereador de plim, que não conhece nada da história do Clube e nem do bairro Riachuelo promover uma PL para tombamento do clube, faça-me o favor né!!?

    CONTAMOS COM APOIO DE OUTROS POLÍTICOS PARA DERRUMAR ESSA PL.

    POR FAVOR!!!!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui