Túnel Extravasor, em Petrópolis, tem previsão de ser entregue no fim de fevereiro

Túnel, cuja função é aliviar o volume do Rio Palatinato quando chove, passa por casas e vias, especialmente no bairro Quissamã

Obras no túnel Extravasor de Petrópolis / Divulgação

As obras de reestruturação, requalificação hidráulica, desobstrução e desassoreamento do Túnel Extravasor do Rio Palatinato, em Petrópolis, na Região Serrana, têm previsão de término no final de fevereiro, de acordo com o Governo do Estado do Rio de Janeiro. Desenvolvido nos anos 1960, o sistema apresentou problemas no ano passado, após ser impactado pelas fortes chuvas que caíram na região. Com 4 metros de altura por 4 metros de largura e 3,2 km de extensão, o fundo da laje e as paredes laterais das galerias romperam, causando sérios danos às ruas da cidade serrana.

O túnel, cuja função é aliviar o volume do Rio Palatinato quando chove, passa por casas e vias, especialmente no bairro Quissamã. O sistema recebeu reforço para voltar a captar as águas em sua capacidade máxima. As obras estão orçadas em R$ 74,12 milhões

“O Túnel Extravasor era uma obra de responsabilidade federal, mas assumimos a primeira fase das obras, com caráter emergencial. É uma grande satisfação saber que estes serviços estão quase concluídos. Agora, estamos licitando a segunda e a terceira fases do projeto para transformar a vida das pessoas que moram ali. Vamos assumir a obra toda, pois não podemos deixar o problema com os moradores,” esclareceu Cláudio Castro (PL).

O bairro de Quissamã receberá ainda a obra de uma guia corrente, com a finalidade de desacelerar a água oriunda do Rio Palatinato eque desagua no Rio Itamaraty.

O vice-presidente da Associação de Moradores da Rua Quissamã, Hélito Fernandes Fraguas, que mora na região há 43 anos, afirmou que a conclusão das obras é muito importante, principalmente nos que diz respeito à mobilidade dos moradores, já que, após as fortes chuvas e o rompimento do túnel extravasor, o local ficou intransitável. 

“Trocamos muitas informações. Só os moradores sabiam onde ficava tudo por aqui. Então, em um contato muito sincero com os trabalhadores do governo, que entraram nos terrenos e conversaram com a população, mostramos como era a configuração do local e conseguimos agregar no processo. Graças ao trabalho do governo, os moradores voltaram a fazer planos,” disse Hélito Fraguas.

Com o intuito reforçar ainda mais a estrutura do túnel extravasor, o  Secretaria de Estado de Infraestrutura e Cidades prepara as próximas licitações, sendo que, na segunda etapa de intervenções, estão previstas obras nas comportas, jateamento de concreto para proteção em volta das paredes e no teto, além da concretagem no fundo do túnel.

A Cidade Imperial tem recebido atenção especial do Governo do Estado após a tragédia provocada pelas chuvas em fevereiro do ano passado. Já foram investidos R$ 700 milhões na reconstrução da cidade, inclusive na retomada de obras relacionadas aos temporais de 2011, que não haviam sido executadas e que foram entregues no ano passado pelo Governo do Estado. A administração de Cláudio Castro investiu ainda mais de R$ 255 milhões em contenção de encostas e na reconstrução de ruas.

A área social também foi uma prioridade do atual governo, que destinou recursos à população e à reestruturação do comércio local. Entre as medidas tomadas estão o lançamento dos projetos Aluguel Social, SuperaRJ, Cartão Recomeçar, Reconstruir Petrópolis, além dos repasses às unidades de saúde.

Obras do Governo do Estado na Cidade Imperial de Petrópolis / Divulgação

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui