Vereadores debatem políticas públicas para animais na cidade do Rio

Audiência pública, realizada na última quarta (13/12), contou com a presença, além de parlamentares, da Secretaria de Proteção e Defesa dos Animais e do Instituto de Vigilância Sanitária do Rio

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Audiência pública da Comissão de Direitos dos Animais da Câmara Municipal do Rio de Janeiro - Foto: Divulgação

Na última quarta-feira (13/12), a Comissão de Direitos dos Animais da Câmara Municipal do Rio de Janeiro realizou audiência pública para debater a implementação de políticas públicas voltadas aos animais da cidade.

Presidida pelo vereador Luiz Ramos Filho (PMN), a audiência contou com a presença dos também parlamentares Dr. Marcos Paulo (PSOL) e Vera Lins (PP), respectivamente vice-presidente e vogal da comissão; do secretário municipal de Proteção e Defesa dos Animais, Flávio Ganem; e da coordenadora de vigilância de zoonoses do Instituto Municipal de Vigilância Sanitária, Vigilância de Zoonoses e de Inspeção Agropecuária (Ivisa-Rio), Taliha Perez Mendonça.

Luiz cobrou dos gestores o cumprimento de uma ação judicial que obriga o município a ter atendimento 24 horas para os animais que estão sob a tutela da Prefeitura do Rio.

”Há tempos que estamos discutindo sobre o funcionamento 24 horas por dia da Fazenda Modelo. Em que pé está isso? Não vemos a decisão judicial sendo cumprida”, alertou o parlamentar. Ele ainda cobrou respostas sobre a implantação do Castramóvel e do hospital público veterinário na cidade do Rio.

Advertisement

”Como está o processo do nosso hospital em Irajá? Existe prazo para início das obras? Qual o orçamento?”, questionou.

Ramos Filho também direcionou perguntas para a representante do Ivisa-Rio, mostrando-se preocupado com o aumento de casos de leishmaniose na capital fluminense.

”As estatísticas confirmam que os números estão altos, eles têm crescido bastante, em especial na Zona Norte’‘, apontou.

O vereador também alertou para as subnotificações de casos da doença: ”Existem muitos casos acontecendo e eles não estão dentro do banco de dados da Prefeitura”.

O parlamentar ressaltou ainda a importância das notificações para que o Poder Executivo possa fazer uma política consistente de orientação à população.

Flávio Ganem, por sua vez, revelou que, por meio de uma emenda do ex-deputado federal David Miranda, falecido no último mês de maio, foi possível a aquisição de um Castramóvel para a cidade do Rio.

”A Prefeitura entrou com uma contrapartida, fizemos a licitação e a União pagou o Castramóvel. Agora, estamos nas tratativas para fazer o pagamento à empresa”.

O secretário garantiu que, ainda em 2023, sua pasta deverá fazer alguma ação com o equipamento pela cidade do Rio.

Sobre o hospital público, Flávio revelou que o prefeito Eduardo Paes está negociando uma contrapartida para que a unidade possa ser construída e entregue em 2024. Ganem ainda informou que, na próxima segunda-feira (18/12), a equipe irá se reunir com a Procuradoria Geral do Município (PGM) para tratar da questão do atendimento 24 horas aos animais sob a tutela da Prefeitura.

O secretário também acrescentou que todos os animais do abrigo são microchipados e vacinados e a equipe possui 44 médicos veterinários, sendo 11 voltados ao abrigo. Até o momento, foram feitos quase 47 mil atendimentos clínicos e mais de 40 mil castrações.

Representando a presidente do Ivisa-Rio Aline Borges, a coordenadora Taliha Perez Mendonça informou que existem quase 111 mil animais chipados que estão cadastrados na Prefeitura. Em relação à leishmaniose na cidade do Rio, até o início de novembro, foram diagnosticados 288 casos.

”No ano passado, foram 240 casos. Houve um aumento, mas não significativo”. Segundo a coordenadora, em reunião realizada na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), com a presença de representantes do Ministério da Saúde, entre outros, o número de casos ainda não é visto como de risco elevado.

Ao responder questionamentos de Ramos Filho sobre a prestação de serviços por dois equipamentos da Prefeitura do Rio, o Centro de Controle de Zoonoses e o Instituto Jorge Vaitsman, Taliha informou que haverá uma licitação ainda em dezembro.

”Algumas informações estão sendo definidas, mas, acreditamos que, com o novo contrato de dois anos para a gestão das unidades de pronto atendimento veterinário, teremos um aumento do atendimento de animais, com especialidades”, disse.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Vereadores debatem políticas públicas para animais na cidade do Rio
Advertisement

2 COMENTÁRIOS

  1. Vejam só que exdrúxula imposição que vereadores promovem ao Estado e os cofres públicos…
    Depois se reclama e não querem ouvir falar de aumento de impostos…

    Mas esses fazem tudo isso porque (causa animal) virou tipo alternativa ao curral eleitoral para arrumarem votos…

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui