Visões urbanísticas conflitantes entre Paes e Fajardo pesaram na saída do urbanista do governo

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Washington Fajardo
Fajardo foi o cabeça do projeto Reviver Centro / Foto: divulgação

O prefeito da cidade do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), enviou uma mensagem ao alto escalão do seu governo oficializando a saída do secretário de Planejamento Urbano, Washington Fajardo. No comunicado Paes ressalta que ambos têm visões e pensamentos conflitantes sobre a cidade do Rio. A informação havia sido veiculada pelo jornalista Ancelmo Gois (O Globo) e repercutida pelo Diário do Rio, nesta terça-feira. A exoneração de Washington Fajardo será publicada no Diário Oficial de quinta-feira (4). As informações são dos jornais Diário do Rio e O Globo.

O urbanista, que é conhecido por ser enérgico e workaholic, travava uma luta inglória contra a desordem urbana no Centro da capital, tendo que enfrentar, inclusive, a falta de ação da subprefeitura no tocante à revitalização da região.

De acordo com o jornal O Globo, a saída do secretário teria ocorrido por vários de motivos, sendo o maior deles a apresentação de um projeto de lei autorizando a legalização dos puxadinhos, especialmente na Zona Sul, por meio do pagamento de taxas. O secretário, que tentava reorganizar a legislação urbana através da revisão do Plano Diretor, não havia sido consultado sobre a normativa. Quando a lei foi apresentada, Fajardo estava de férias. Vale lembrar que o ex-prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) já havia proposto uma lei semelhante, que foi derrubada pela Justiça.

Ainda de acordo com o veículo, Washington Fajardo teria ainda outro motivo para sair do governo Paes: o projeto que muda gabaritos na Barra da Tijuca e em Jacarepaguá para a construção de um novo parque em Inhoaíba. O projeto teria sido enviado ao Legislativo municipal sem a consulta prévia de Fajardo, que sofreu críticas do mesmo Legislativo em razão do Plano Diretor, considerado por alguns vereadores excessivamente teórico.

Advertisement

Leia também

Águas do Rio alega não saber sobre situação da Cedae mas presidente foi diretor da empresa – Bastidores do Rio

Antiga garagem da Silveira Martins é vendida por R$19,7 milhões a incorporadora

Conforme repercutiu o Diário do Rio desta terça-feira, o secretário foi o grande responsável pelo projeto Reviver Centro cuja finalidade é revitalização local, com o desenvolvimento de projetos residenciais adequado à região, que ele considera como o “berço da civilização brasileira”.

Fajardo teria, inclusive comemorado em rua rede social, nesta terça-feira, a conversão de mais um edificação em unidade residencial na Rua Gonçalves Dias, perto da Confeitaria Colombo. Segundo o Diário do Rio, “com esse, chegariam a 27 os pedidos de licenças vinculados às novas regras urbanísticas. Desse total, 18 já foram concedidos, totalizando 1.317 unidades residenciais. Os outros 9 pedidos estão em análise e preveem 573 unidades habitacionais. O total de unidades habitacionais das 27 licenças é de 1.890 unidades residenciais. (…) A ética e a competência de Fajardo farão falta ao Rio de Janeiro”.

Washignton Fajardo, que trabalhou com Eduardo Paes em seus dois primeiros mandatos, também esteve à frente do novo Plano Diretor da Cidade.

Segundo o Globo, Fajardo não quis comentar as recentes polêmicas urbanísticas. Já Eduardo Paes não respondeu ao contato tentado pelo jornal.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Visões urbanísticas conflitantes entre Paes e Fajardo pesaram na saída do urbanista do governo

Advertisement

9 COMENTÁRIOS

  1. Olha, ele poderia ser um bom secretário de planejamento urbano, mas puxadinho, não dá não. O Rio é uma cidade linda e tem que continuar assim, mas precisa de um secretário que tem visão futurista. É só olhar a cidade de Florianópolis, como ficou bonita com prédios que chegam a 70 andares, não é copiar, mas eu sempre achei que um dia haveria alguém com essa mentalidade no Rio de Janeiro, mais até agora só tem pessoas atrasadas.

    • Florianópolis, Balneário, só lugar de novo ryco. “Visão futurista” com prédios enormes é atraso, típico dessa classe média com dinheiro e pouca instrução cultural. Fajardo tá certo. Mas o Paes quer fazer caixa. Infelizmente, a cidade vive de IPTU.

  2. Grande perda, melhor secretário da administração atual. Vamos ver se com isso vão desfigurar o novo Plano Diretor na Câmara ou legalizar ainda mais o caos na Zona Oeste.

  3. Abrem-se as questões: Será o inocente útil? Será útil a inocência? Será útil não ser inocente? Será o útil tão inocente assim? Será o inútil reeleito? Será perfeito o prefeito?

  4. mas se queriam melhorar o ambiente do Centro, por que autorizar moradias no padrão “apertadinho” ou o novo cortiço, vertical, ao lado da Colombo??? As decisões do ex-secretário também não eram fáceis de entender, vinha transformando o Centro em uma Nova Copacabana com edifícios da mesma época sem o mesmo glamour e infraestrutura

    • estou de acordo, parece bem intencionado mas algumas decisões são questionáveis, assim como a velocidade de implantação e essa fixação no centro. É obvio que o centro deve ser habitado, mas e o resto da cidade ? Não vi muita ação.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui