Volta às aulas: Lojas físicas tem 71% da preferência para compras de materiais escolares

Itens essenciais como lápis, canetas e cadernos são prioridades para os pais, representando 84%. Por outro lado, materiais como estojo, mochilas e pastas compõem 62%., aponta pesquisa

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

Com a proximidade do retorno escolar, os pais se deparam não apenas com a demanda crescente por produtos e serviços educacionais, mas também com um pico na atividade econômica do setor. As transformações significativas no ensino e na aprendizagem, especialmente em um contexto pós pandêmico, impactaram nas estratégias de consumo durante o retorno às aulas e nas decisões tomadas pelas famílias quando o assunto é educação de seus filhos.

Para relatar as expectativas e realidades enfrentadas pelos pais durante o período, a Ecglobal, empresa da Haus, plataforma de marketing do Grupo Stefanini, realizou uma pesquisa quantitativa com aproximadamente 700 participantes da plataforma ecglobal.com, com a maioria dos entrevistados entre 35 e 64 anos. Os resultados revelam, por exemplo, que 71% preferem fazer as compras de materiais escolares em lojas físicas.


Preferência de compra

Itens essenciais como lápis, canetas e cadernos são prioridades para os pais, representando 84%. Por outro lado, materiais como estojo, mochilas e pastas compõem 62%. No que diz respeito à escolha dos materiais, 66% levam em conta fatores como promoção; 56% necessidades específicas; 48% orçamento e 42% influência digital. A estética dos materiais (30%) e as recomendações pessoais (21%) ainda desempenham algum papel, embora tenham impacto menor.

A preferência de compra dos responsáveis é diversificada: além dos que 71% preferem lojas físicas, 49% optam por lojas online especializadas, 48% marketplaces, outros 30% realizam as compras em lojas de departamento, 27% em supermercados e 20% com varejistas eletrônicos. Opções menos populares como eventos locais (17%) e trocas ou vendas de usados (8%) indicam abertura para práticas mais sustentáveis.

Dentre as preferências de marcas, a Faber Castell (23%) lidera a escolha do público, seguida por Tilibra (18%), BIC (11%) e Kalunga (11%).

O estudo também aponta que 68% dos participantes irão comprar eletrônicos para a volta às aulas nos próximos três meses. Esse dado está relacionado à percepção dos pais que reconhecem o papel positivo da tecnologia na educação. Dentre os itens preferidos, 48% destacam os fones de ouvidos, 41% notebooks e laptops, 36% pen drives ou dispositivos de armazenamento, 35% calculadoras, 34% tablets e 33% smartphones. No quesito marcas, a Samsung (25%) é a marca mais lembrada, seguida por Dell (7%) e Apple (5%).

Escolha escolar
Dentre os entrevistados, 52% possuem filho em idade escolar, a maioria (68%) percebe uma diferença na qualidade do ensino entre escolas públicas e privadas, considerando o ensino da escola particular melhor. Ao planejar as matrículas, 41% efetuam ainda em janeiro, porém uma parcela significativa inicia o processo meses antes; 6% começam já em outubro e 10% em novembro. No mês de dezembro foi identificada uma concentração de 30%, sugerindo uma possível estratégia de aguardar o décimo terceiro salário para efetuar o pagamento.

A pesquisa indagou aos pais quais fatores relevantes os levam a escolher uma escola para seus filhos. A qualidade acadêmica foi eleita como critério supremo, representando 41% dos votos. A proposta pedagógica e a metodologia de ensino aparecem como 20% das preferências, enquanto a proximidade geográfica foi votada por 13% dos entrevistados. Preferências como a reputação da escola (10%), infraestrutura (5%) e material pedagógico (5%) permanecem significativas no processo de tomada de escolha.

Impactos da pandemia
As transformações no cenário educacional, sobretudo pós pandemia, influenciaram diretamente as políticas de ensino e na rotina dos alunos da educação infantil. Setenta e um por cento dos pais concordam que a pandemia afetou de forma negativa, dividindo-se entre aqueles que sentem um impacto significativo (37%).

Essa realidade influencia no processo de escolha da instituição educacional, uma vez que os pais levam em consideração as medidas adotadas pelas escolas para minimizar os impactos do ensino remoto. Nesse contexto, 64% dos pais afirmam que algumas medidas foram implementadas, mas a preocupação persiste e 14% expressam que nenhuma medida foi adotada.

“O retorno às aulas pode gerar ansiedade e desafios para estudantes e pais. As transformações no ensino pós pandemia afetaram as políticas educacionais e a forma de consumo de materiais escolares. Nesse levantamento, conseguimos ressaltar a importância de compreender o comportamento e as novas preferências dos consumidores no contexto educacional, oferecendo um panorama detalhado das tendências e necessidades que ajudam as marcas a acelerarem o crescimento e inovarem continuamente em suas estratégias de marketing e comunicação”, conclui Adriana Rocha, fundadora e CEO Global da Ecglobal.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Volta às aulas: Lojas físicas tem 71% da preferência para compras de materiais escolares
Renata Granchi
Renata Granchi é jornalista e publicitária com mestrado em psicologia. Passou pela TV Manchete, TV Globo, Record TV, TV Escola e Jornal do Brasil. Escreveu dois livros didáticos e atualmente é diretora do Diário do Rio. Em paralelo, presta consultoria em comunicação e marketing para empresas do trade.
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui