Wagner Victer: Aguirre, a Cólera dos Deuses’ e a Política no Brasil

Loucura e ambição em uma trajetória ideologia da buscar pelo poder absoluto é a tônica do filme que precisa ser reconhecido e assistido

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

Nos últimos anos um dos grandes prazeres que tenho exercido, em especial período de isolamento social, foi ter tido a oportunidade de, junto com meu filho Francisco, de estar sentado na televisão e poder assistir aos grandes clássicos do cinema. O que tem me trazido bastante curiosidade é que, muitas vezes, alguns clássicos, dentro do mesmo espírito de Júlio Verne nas Vinte Mil Léguas Submarinas, fizeram de maneira visionária a projeção de narrativas que tem paralelos com fatos do cotidiano, não só tecnológico, mas também econômicos, sociais e políticos.

Neste conceito, uma das obras que me chamou bastante atenção é o clássico filme criado pelo genial diretor alemão Werner Herzog com o nome original “Aguirre, der Zorn Gottes”, cujo título brasileiro foi “Aguirre, a Cólera dos Deuses”, lançado em 1972.

O filme, com fotografias belíssimas, teve locações na Amazonia, tanto no Peru e no Rio Amazonas, em um processo de construção bastante crítico, com mais de um mês de gravação, onde aconteceu o início do histórico conflito entre o diretor Herzog e o principal protagonista de muito dos seus filmes, o austríaco Klaus Kinski, ator extremamente polêmico e conhecido especialmente no Brasil por sua imagem no filme Nosferatu, no filme o ator quis abandonar as gravações e foi ameaçado de morte pelo próprio Herzog, como registra a história paralela do cinema.

O filme, que é inspirado em fatos e figuras históricas, conta a trajetória de uma expedição espanhola na América realizada em 1561 e comandada por Dom Pedro de Urzúa, tendo como protagonista o “CapitãoLope de Aguirre, encarnado por Klaus Kinski, e foi amparado em uma narrativa obtida no diário do Frei Gaspar de Carvajal, que participou de outra mítica expedição.

Advertisement

Leia também

10 coisas que só quem anda de ônibus no RJ vai entender

Polícia Militar planeja ampliar sistema de reconhecimento facial para 650 câmeras no RJ

Mais que o lado histórico, o filme mostra os efeitos mentais e emocionais sofridos por homens que têm o poder e com isso tem suas atitudes alteradas e exacerbadas, em situações limites, o que nos leva a paralelos com a situação que temos vivido na política brasileira recente.

Na trajetória, a expedição armada espanhola atravessa os Andes e monta balsas a partir do Rio Orinoco, atravessando a Amazônia em busca pela lendária El Dorado, conhecida como a “Cidade de Ouro”. A expedição é enviada pelo governador Gonzalo Pizarro e chefiada posteriormente por Dom Pedro de Urzúa, acompanhado do seu “segundo em comando”, que é o “Capitão” Lope de Aguirre. Que em sua missão se autoproclama mandatário e se rebela contra toda a coroa em um ato de loucura crescente para buscar criar o seu próprio Império.

O filme é uma jornada dentro da insanidade que muitos homens desenvolvem quando recebem o poder e lá retratada na genial visão de Herzog, pois à medida que a expedição avança, o diretor retrata o Capitão Lope de Aguirre em devaneios de grandeza, começando a brigar com todos os seus aliados e dizimando-os, um a um, na busca incessante do poder.

Sem considerar aqueles que o apoiaram, aqueles que seguem em sua jornada taxados de vilões e executados, ou que morrem pelas próprias condições da louca jornada que ele insiste em seguir no seu universo paralelo de poder, sob o comando do Capitão Aguirre que continua incólume, como se fosse um mandatário de Deus e o poder mesmo em cada derrota na sua jornada.

Em sua trajetória descendo um rio, em uma balsa, adotando práticas totalmente esdrúxulas pelo seu comandante mor Capitão Aguirre, como até a de utilizar um negro para correr nu com o objetivo de assustar as populações indígenas que moram nas áreas a serem conquistadas, numa postura, além de racista, totalmente heterodoxa e insana nas práticas de domínio de invasão — aliás uma heterodoxia que temos observado muito no Brasil atualmente.

Aos poucos, o Capitão Aguirre acirra seus trejeitos corporais de militar soberano diante da sua tropa que se esvazia progressivamente e se perde na sua própria loucura e ambição, derrubando seu próprio chefe que abandonou um cavalo que descia na balsa, matando seus aliados e terminando na célebre cena em que o Capitão Aguirre, já sozinho na balsa que desce o rio, observa o poder e o território fictício sobre seu domínio vazio, enquanto só lhe sobram combates com os micos que invadem a sua balsa e que, nesse mundo paralelo, viram seus únicos e totais companheiros e também inimigos, e que o seguem somente pela falta de discernimento.

A loucura e ambição em uma trajetória, eliminando parceiros e inimigos, numa mera ideologia de buscar deter todo poder absoluto, ungida sabe lá de onde, é a tônica do filme “Aguirre, a Cólera dos Deuses” e precisa ser reconhecida e assistida.

Infelizmente, o Brasil de hoje, na política, lembra muito as loucuras e devaneios da expedição filmada por Herzog, seus personagens em especial por seu Capitão Aguirre. Assim como na história, a tripulação da nossa balsa precisa reconhecer esses devaneios antes que essa Cólera dos Deuses nos afunde e que ainda continuem a encantar os micos.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Wagner Victer: Aguirre, a Cólera dos Deuses’ e a Política no Brasil

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui