William Bittar: As muitas faces da Catedral de São Sebastião do Rio de Janeiro

Colunista do DIÁRIO DO RIO fala sobre a relação religiosa, histórica e urbanística do Padroeiro do Rio com a Cidade Maravilhosa

Igreja de Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé, no Centro do Rio - Foto: Cleomir Tavares/Diário do Rio

O Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro publicou, em sua edição de 17 de janeiro, a três dias da celebração do Padroeiro da Cidade, a transferência do bairro da Glória, pertencente à subprefeitura da Zona Sul, para o Centro, por motivos pouco explanados que poderão causar prejuízos culturais e econômicos para muitos agentes envolvidos, inclusive seus moradores e comerciantes.

Curiosamente, é na Praça Luís de Camões, neste bairro, que está localizada a maior escultura dedicada a São Sebastião, uma imagem de sete metros de altura, do artista Dante Croce. O monumento foi inaugurado em 1965, durante as festividades do quarto centenário da cidade, no dia dedicado ao santo que, compulsoriamente, será trocado de subprefeitura sem sair do lugar.

Monumento a São Sebastião, Praça Luís de Camões, Glória

Acervo Particular

O feriado do dia 20 de janeiro é consagrado a São Sebastião, o padroeiro da Cidade do Rio de Janeiro. No entanto, a data oficial da fundação pelos portugueses é 1º de março de 1565, que não é feriado, provocando muitas confusões na compreensão dos cariocas e afins.

Não há consenso entre os pesquisadores sobre o responsável pela escolha do orago, mas uma hipótese plausível é considerar uma opção conjunta de Estácio de Sá, o fundador, e o jesuíta José de Anchieta, conforme carta escrita ao padre Gonçalo de Oliveira, para homenagear o rei D. Sebastião, com apenas onze anos.

Padroeiro do Rio de Janeiro, a presença da fé em São Sebastião, guerreiro que foi, o coloca nos barcos lusos que lutavam contra os invasores franceses, na baía da Guanabara, naquele 20 de janeiro de 1567, quando foram oficialmente expulsos. 

A modesta capela de taipa, edificada na praia entre o Pão de Açúcar e o morro Cara de Cão, sítio original da cidade, foi transferida para o Morro do Castelo, com a primeira imagem do padroeiro consagrada num pequeno templo de adobe, com três naves, que ali permaneceu por quase quatro séculos, recebendo muitas alterações até sua demolição na década de 1920, quando o morro foi arrasado.

Em 1583, foi reconstruída por Salvador de Sá, devido ao péssimo estado em que se encontrava e passou a abrigar as principais relíquias históricas da cidade como os restos mortais de seu fundador, um monolito que foi o marco de fundação e uma pequena imagem do padroeiro, trazida de Portugal.

A igreja de São Sebastião no morro do Castelo era uma edificação austera, de grossas paredes e fachada discreta, com predomínio de cheios sobre vazios, com algum parentesco formal com templos românicos portugueses.

Igreja de São Sebastião no Morro do Castelo

  1. Malta, c. 1922

Por quase um século abrigou a matriz da cidade, que recebeu seu bispado em 1676, instalando-se ali, por empréstimo, a primeira Sé, pois até as últimas décadas do século XX, a cidade do Rio de Janeiro e sua Arquidiocese não contaram com um edifício próprio para abrigar sua catedral.

Devido à sua implantação no alto do morro e a descida do casario para várzea, o acesso tornou-se difícil e em meados do século XVII, provisoriamente, as celebrações foram transferidas para a Igreja de São José, nas imediações do convento do Carmo, na Rua Direita, onde pouco durou, pois a Irmandade local não permitiu sua permanência.

Cerca de meio século após, a catedral instalou-se na Igreja da Santa Cruz dos Militares, na mesma rua, onde permaneceu poucos anos até sua transferência para a Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito, na rua da Vala (depois Uruguaiana), onde permaneceu até 1808. Este templo também abrigava a importante Irmandade de Nossa Senhora do Rosário, responsável pela resistência e campanhas incessantes a favor do respeito e liberdade do povo preto. O edifício foi vítima de um incêndio em 1967, responsável por perdas irrecuperáveis em seu acervo e ornamentação.

Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito

Thomas Ender, 1817

Em 1747, devido ao seu caráter provisório, a diocese promoveu a escolha de um terreno para a construção definitiva do templo, localizado ao final da rua do Ouvidor, que passou a ser conhecido como Largo da Sé Nova (depois largo de São Francisco), que nunca recebeu o edifício religioso, mesmo contando com um projeto desenvolvido pelo arquiteto húngaro Carlos Mardel e o lançamento da pedra fundamental, promovido pelo governador da capitania, Gomes Freire de Andrade, em 1749. O edifício não saiu das fundações, alegando-se dificuldades econômicas, levando à paralisação das obras. 

Conta a tradição que as muitas pedras remanescentes no local foram aproveitadas para as obras do Teatro Real São João, construído logo após a chegada da Família Real, em terreno ao lado, inspirado no Teatro São Carlos de Lisboa. 

A população considerou a atitude uma heresia, atribuindo como castigo dos céus os incêndios que o teatro sofreu ao longo do século XIX.

No local do templo foi construída a Academia Militar, em 1826, obra atribuída ao arquiteto francês Pierre Pézerat, edifício adaptado para receber a Escola Politécnica e posteriormente o Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ.

Com a chegada de D. João em 1808, o Convento do Carmo foi desocupado para abrigar a Família, junto ao Paço, interligando os edifícios com um passadiço sobre a rua Direita. A igreja conventual de Nossa Senhora do Carmo foi elevada à condição de Capela Real e Catedral, devolvendo a Igreja do Rosário à Irmandade.

Este templo, com sua nova fachada neoclássica e sua única torre sineira lateral, foi cenário para as principais manifestações do período real e imperial, como a coroação e aclamação de D. João VI como Rei, em 1816; aclamação de D. Pedro I, Imperador do Brasil, em 1822; casamento de D. Pedro I e D. Amélia de Leuchteberg, em 1829; sagração de D. Pedro II, em 1841 e seu casamento com D. Teresa Cristina, em 1843.

Internamente, o tempo preservou a rica ornamentação rococó setecentista, com elementos dourados aplicados sobre fundo branco e um altar-mor com a santa padroeira e uma tela pintada por Debret, que por muito tempo ficou oculta do público.

Igreja do Carmo e da Ordem Terceira, antes das reformas republicanas.

Torres, c. 1900 – Brasiliana Fotográfica (detalhe)

Enquanto isso, em 1842, a antiga igreja de São Sebastião do morro do Castelo foi entregue aos cuidados dos frades capuchinhos até sua demolição, durante o arrasamento do morro na década de 1920.

Para abrigar o novo templo, em 1931 foi construída a igreja de São Sebastião dos Capuchinhos na Tijuca, à rua Haddock Lobo, elevada a paróquia em janeiro de 1947, que acolheu as relíquias do templo primitivo, com projeto do arquiteto Ricardo Buffa, inspirado na arquitetura bizantina.

Igreja São Sebastião dos Capuchinhos

Bilhete Postal

A República elegeu a catedral como sede da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, desde 1892, e uma grande imagem do padroeiro foi incluída num nicho, no centro da fachada principal, além de outras modificações implementadas externamente.

A antiga torre, atarracada, foi substituída por um torreão de quase 60 metros de altura, coroada por uma imagem metálica de Nossa Senhora da Conceição. A fachada neoclássica imperial recebeu novo revestimento e muitos ornamentos, com influência do ecletismo, mas a igreja da Ordem Terceira do Carmo, vizinha imediata, manteve sua fachada e interiores originais.

Igreja de Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé e Ordem Terceira do Carmo 

Acervo Particular

A cidade continuava sem um edifício projetado exclusivamente para sua catedral, o que só ocorreu na década de 1960 quando o governo do antigo Estado da Guanabara cedeu um grande terreno na esplanada de Santo Antônio onde, em 20 de janeiro de 1964, D. Jaime Câmara, Arcebispo do Rio, lançou a pedra fundamental do novo templo.

O projeto foi idealizado pelo arquiteto Edgar de Oliveira Fonseca, também autor da igreja de São José da Lagoa, que apresentou um sugestivo memorial justificativo para o partido adotado, alegando inspiração nos templos da antiguidade e seu caráter ascensional, dirigindo pensamento e orações aos céus. Uma cruz grega, disposta na laje de cobertura, prolonga-se nas fachadas em quatro vitrais que abraçam os fiéis reunidos em assembleia no grande salão curvilíneo.

A planta circular, com cerca de 100 metros de diâmetro, atendia às novas premissas apresentadas no Concílio Vaticano II, convocado pelo Papa João XXIII, que autorizava uma nova concepção para as naves e para a própria liturgia. O círculo, diferente das igrejas-salões anteriores, representava a igualdade de todos diante do divino.

Externamente, adotou um tronco de cone, com 75 metros de altura, construído em concreto aparente escalonado, vazado, permitindo a inserção de quatro vitrais coloridos monumentais do piso à cobertura.

Em dezembro de 1972, o Cardeal Eugenio Salles celebrou a Missa de Natal no canteiro de obras da nova catedral, implantada junto aos edifícios das grandes estatais construídos na Esplanada de Santo Antônio.

No final de 1976, após mais de quatro séculos, a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro assistia à transferência da Catedral para seu edifício próprio, conforme noticiava o jornal O Globo, de 21 de novembro daquele ano: “O temporal que caiu no início da tarde e as chuvas intermitentes que entraram noite adentro não afastaram os fiéis que foram participar da transferência da Catedral”.

Catedral de São Sebastião do Rio de Janeiro

Acervo Particular

Enfim, o culto ao padroeiro São Sebastião encontrava sua casa própria e definitiva, consolidando um percurso religioso com a igreja dos frades capuchinhos, na Tijuca, ilustres guardiões dessa histórica trajetória.

Carioca, arquiteto graduado pela FAU-UFRJ, professor, incluindo a FAU-UFRJ, no Departamento de História e Teoria. Autor de pesquisas e projetos de restauração e revitalização do patrimônio cultural. . Consultor, palestrante, coautor de vários livros, além de diversos artigos e entrevistas em periódicos e participação regular em congressos e seminários sobre Patrimônio Cultural e Arquitetura no Brasil.
Advertisement

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui