ALERJ discute projeto para legalizar desordem e proteger camelôs

A notícia do projeto do deputado Alan Lopes apavorou o comércio formal, que se vê sufocado pela camelotagem clandestina e pela sensação de insegurança ocasionada pelo caos dos ambulantes nas ruas do Rio. Ele quer proibir apreensões de mercadorias e objetos dos que ocupam irregularmente o espaço público

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Camelôs de Madureira invadem as ruas | Foto: Rafa Pereira - Diário do Rio

O deputado Alan Lopes (PL) protocolou um projeto de lei para análise em regime de urgência na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Embora o Comércio Formal esteja enfrentando uma das maiores crises de sua história, e sofra com a altíssima carga tributária, custeio de alugueis e custos trabalhistas, o polêmico projeto vem em defesa não da economia formal, mas dos clandestinos: tem como objetivo proibir a apreensão de mercadorias legais, acessórios e instrumentos de vendedores ambulantes, camelôs e outros tipos de mascates que atuam ilegalmente em todo o RJ.

De acordo com Lopes, sua iniciativa seria uma resposta às denúncias supostamente feitas pelos clandestinos que alegam ter perdido sua “fonte de renda” durante as fiscalizações regulares que são conduzidas por agentes da ordem pública, que buscam resgatar a ordem urbana em pontos como Madureira e a rua Uruguaiana, cujos comércios estão à beira da falência por conta não só da competição desleal com quem não paga impostos como também pela grave sensação de insegurança trazida para as ruas onde há aglomerações deste tipo de comércio irregular. O deputado Alan Lopes preside a Comissão Especial de Combate à Desordem Urbana.

O que estamos testemunhando cada vez mais são chefes de família perdendo tudo em ações que envolvem flagrante abuso de poder por parte de agentes públicos. Nosso projeto de lei visa proteger os trabalhadores que honestamente buscam sustento para suas famílias“, explica o deputado bolsonarista. Cláudio André de Castro, membro fundador da Aliança Centro, que atua na revitalização da região, discorda: “A ALERJ tem uma Comissão de Combate à Desordem Urbana cuja proposta é destruir o que sobrou da Ordem Urbana numa cidade que foi entregue à informalidade e está sucumbindo à informalidade? Isto não pode ser sério“, reclama o empresário. “Todos os dias recebemos chaves de lojas fechando nas regiões dominadas pelo Comércio Ilegal, que todos sabemos que é grandemente abastecido pelos roubos de carga e pelo contrabando de mercadorias falsificadas. A cada loja que fecha são dezenas de empregos formais que se vão, e menos impostos arrecadados”, diz.

Valdemar Barboza, Gerente do Shopping Paço do Ouvidor, é mais específico: “tivemos de fechar um andar inteiro do Shopping porque os lojistas não sobrevivem à competição com os ilegais. O comércio de verdade está morrendo, e a cada loja que recebemos, a razão é a mesma. A camelotagem destruiu a Uruguaiana e o Largo de São Francisco. E, pra piorar, os clientes não querem atravessar a Uruguaiana. Têm medo das barracas de Compro Ouro, dos ambulantes armados e de todo o circo que se criou aqui. A tenda azul no canteiro central virou piada”, termina, lembrando que os camelôs chegam a cobrar pedágio, de quem anda de carro na rua.

Advertisement

Leia também

Rio terá observatórios para estudos climáticos; 1º será no Complexo do Alemão

Balão é ‘abatido’ antes de cair no Aeroporto do Galeão

Se for aprovado o projeto que vem para defender os ilegais, ficará proibido o confisco de qualquer meio utilizado por vendedores ambulantes para exercerem suas atividades nas vias públicas ou em logradouros públicos. Além disso, o texto enumera uma lista de itens que não poderiam mais ser apreendidos, incluindo talheres, copos, garrafas, luvas, toucas, uniformes, utensílios de cozinha, panelas, recipientes, carrocinhas ou triciclos, barracas, bujões, cestas, caixas de qualquer material, recipientes térmicos, expositores, módulos, veículos motorizados, trailers, cadeiras de engraxate e outros meios. É um verdadeiro salvo conduto para os ambulantes que tomaram de assalto a cidade do Rio.

O projeto estabelece alguns critérios para a apreensão de produtos, que passa a poder ocorrer apenas em casos de “flagrante delito, emergência ou calamidade pública”, ou quando os produtos representem riscos ao consumidor de acordo com o Código de Defesa do Consumidor ou quando os produtos industrializados não estejam acompanhados de nota fiscal ou de qualquer documento que comprove sua procedência. Lopes destaca que está trabalhando para levar o projeto à votação no plenário ainda neste ano, visando combater situações que considera covardes.

Segundo um assessor de um deputado influente na Assembléia, tudo não passaria de uma queda de braço de alguns deputados bolsonaristas com o atual Secretário de Ordem Pública da cidade, Brenno Carnevale. Pedindo anonimato, o assessor disse que com frequência tem sido comentado que há algum tipo de desavença pessoal destes deputados com Carnevale, que provavelmente não tem nada a ver com a questão dos camelôs, até porque Carnevale, segundo comerciantes do Polo das Confeitarias Tradicionais, praticamente abandonou o controle da camelotagem na região Central e em Madureira. A rua Uruguaiana está tomada de camelôs clandestinos que chegam a bloquear o acesso de pessoas e a cobrir todo o canteiro central da rua, sem praticamente nenhuma ação da prefeitura, que, algumas vezes, tem agido na região da Sete de Setembro e cercanias. O resultado é praticamente a falência de todo o comércio da região, que se tornou uma espécie de deserto formal entre o centro financeiro e a região do Saara.

As poucas apreensões que ocorrem ainda são o último fiapo de autoridade e ordem na região. O medo destas ações cada vez mais raras é a única coisa que afasta isso aqui de se tornar uma total selvageria”, disse uma comerciante entrevistada pelo DIÁRIO, com lojas no quadrante entre Uruguaiana e Rio Branco. Ela pediu para não ser identificada pois já foi atacada violentamente por ambulantes ao pedir para que retirassem uma banca de venda da porta de sua loja, que sobrevive há 45 anos no mesmo local, com 26 empregados.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp ALERJ discute projeto para legalizar desordem e proteger camelôs

Advertisement

13 COMENTÁRIOS

  1. A região do Brás também é uma baderna, camelôs por todo lado, não é possível usar as calçadas, camelô não respeita ninguém, nenhuma lei, gritam dentro do Metrô, Trem, ônibus, o ex prefeito Kassab botou ordem na cidade, aí veio o Haddad e virou uma baderna, outro dia uma senhora reclamou da presença de ambulantes na entrada do Metrô, levou um soco no rosto, ficou machucada pelo ordinário, a PM e a GCM tem a obrigação de deixar as calçadas e os meios de transporte livre de quem não paga imposto e não gera empregos.

  2. Criem empregos formais que o camelô desaparece.

    Valorize os salários que as pessoas param de fazer bicos e vender coisas pra complementar a renda insuficiente.

    Ou…descer o pau nessa gente, apreender tudo pra depois elas recomeçarem ali mesmo ou em outro lugar é a solução?

    • Verdade. Respostas fáceis eles dão: “tem que acabar, tem que coibir, tem que prender, tem expurgar, tem que fiscalizar…etc”.

      Mas, e aí? Qual é a raiz do problema?

      Desde que me entendo por gente existe camelô na Uruguiana. Não é nenhuma novidade.

      COINCIDENTEMENTE em governos fracos, com economia ruim tem mais camelôs. Que coisa, né?

      Cobrar da guarda municipal e da PM é mole. Quero ver cobrar do Prefeito e do Governador.

  3. Aí termino de ler a matéria e vejo dois comentários que saíram da cabeça de pessoas com boa parcela de culpa deste estado ser o lixo que é. São indivíduos bizarros, cujo pensamento real é: quanto mais caótico, melhor. Quanto mais uma cidade parecer a balbúrdia de um bairro indiano, melhor. Quanto mais o comércio formal for destruído, melhor.

    Essa gente bizarra, escroque e de baixíssimo nível de pensamento lógico não consegue entender que

    * se o comércio formal morre, mais informais surgem.

    * se mais informais surgem, maior a desordem pública, bagunça e feiura da cidade

    * com a diminuição da circulação de pessoas que trabalham e consomem formalmente na região, outras empresas/serviços morrem junto.

    * morrendo essas empresas/serviços, mais ruas desertas, mais crimes, mais degradação e sujeira.

    * com isso não haverá ninguém pra consumir as mer…s que esses caras vendem nas ruas. Já quem nem turistas passarão por um lugar fétido, perigoso, sem qualquer valor cultural e atrações que o valham, com gente bizarra e agressiva a tentar lhe vender bugimgangas, com cara de “se não comprar, eu te mato”.

    As pessoas que defendem esse tipo de coisa, devem viver no caos físico ou mental. Então pra eles, tá ótimo.

  4. Sempre o mesmo papinho de playboy da zona sul chamando o camelô de bandido, ilegal, querendo extorquir e tirar o sustento de vários trabalhadores que acordam cedo pra levar comida pros filhos.

    Eu nao me importo de usar roupa falsificada, é mais barato…. copiar não é roubar.

    E se o shopping fechou 1 andar inteiro, o problema é do riquinho esnobe que não baixa o aluguel, o problema é da alerj que não baixa o imposto. Não é problema meu, eu nao compro em shopping, sou eletricista e apoio os camelô.

    • Sou Guarda Municipal. A gente é pressionado por todos a barbarizar o camelô.

      Veja, eles não estão de acordo com as leis. É nossa obrigação trazer a ordem.

      Mas a ordem também deveria ser a do emprego e condições de trabalho decente. O camelô odeia o trabalho dele e a gente odeia fazer essas operações. Ninguém tá ali porque quer.

      Como foi dito ali embaixo, por que essas pessoas não estão no emprego formal? Qual a necessidade delas serem camelô e passarem por todo tipo de problema diariamente? Como ela chegou ali? O que aconteceu na vida dela?

      A nós, resta cumprir a lei.

    • Heitor, você pode comprar roupa sem marca, não há necessidade de ser falsificada, até porque todos sabem que é falsificada e se passa vergonha. Não, não tem a mesma qualidade, sim eu saberia dizer se é falsificada ou não. Há, claro, aquelas lojas bem bacanas das mesmas fábricas, mas não vende no camelô.
      Se fecha um andar inteiro de 1 shopping é um problema para a cidade, que perde empregos, logo um dia não vão estar te contratando como eletricista porque não terão dinheiro para pagar, a não ser que você baixe seu preço. O mundo dá voltas Heitor… a economia também.

  5. Toda essa palhaçada é única e exclusivamente porque o Eduardo Paes é prefeito, aí construíram essa narrativa de que os camelôs são pobres oprimidos. Aliás pode perceber que o discurso dessa gente é contradição pura, tudo pelos ganhos eleitorais, ora fala da desordem urbana ora fala que ta maltratando trabalhador. Ou seja, muita politicagem para poucos projetos concretos.

  6. “Camelotagem”. Esse termo se vê muito por aqui…

    Acho curioso um deputado do PL propor isso, há que o Satanás na terra é a esquerda e tudo de errado no RJ é culpa do finado Brizola ad eternum.

    O que eu JAMAIS vi nesse jornal é uma explicação do por quê existir tanto trabalhador informal, a qual é comumente chamado de “canelotagem” e as vezes “câncer”.

    Nunca vi uma linha explicando tanta gente no trabalho informal ao invés do trabalho formal, nas lojas e comércio legalizados.

    Quem sabe um dia alguém junte “lé com cré” e explique.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui