Após corte de verba de 14,5%, a UFRJ pode fechar as portas em setembro

A reitora da Instituição afirmou que não terá como pagar as contas de água, luz, serviços de limpeza e segurança; além das aulas, podem ser interrompidos os estudos relacionados a varíola do macaco, Covid-19 e funcionamento de unidades de saúde

Imagem meramente ilustrativa - Foto: Reprodução

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) poderá ser obrigada a fechar as portas, em setembro, após o bloqueio de 14,5% da verba de custeio e investimento. É o que afirma a reitora da universidade, Denise Pires de Carvalho, em coletiva de imprensa na última quarta-feira, (15/06).
Recentemente, a UFRJ subiu 36 posições no QS World University Ranking 2023 – ranking que classifica as universidades em todo mundo. Segundo a consultoria britânica Quacquarelli Symonds (QS), a Universidade saltou do 369º lugar para o 333º, permanecendo no posto de melhor federal do Brasil e ficou à frente de instituições também renomadas como a Universidade de Londres (Reino Unido), a Universidade de Lisboa (Portugal), a Universidade de Xangai (China) e a Universidade de Connecticut (Estados Unidos). Mas, seu reconhecimento nacional e internacional pode não ser o suficiente para manter a Universidade de pé.

 Foto: Raoni Alves/g1

O bloqueio foi autorizado pelo Ministério da Educação no dia 27 de maio, 2022. O governo disse que o contingenciamento foi necessário para cumprir o teto de gastos, regra que limita o crescimento das despesas públicas.

Um documento enviado às universidades, que a rede Globo teve acesso, afirma que o MEC sofreu um bloqueio de R$ 3,23 bilhões, equivalente a 14,5%, de sua verba de uso discricionário para este ano e decidiu repassar esse percentual de forma linear (uniforme) a todas as unidades e órgãos vinculados ao ministério. Ou seja, bloquear 14,5% de cada universidade, instituto ou entidade ligada ao MEC.

A reitora ainda falou que estudos relacionados a varíola do macaco e Covid-19, além do funcionamento de unidades de saúde, podem ser interrompidos como consequências.

De acordo com informações disponibilizadas na coletiva, a Universidade não terá como pagar as contas de água e luz, além de manter serviços de limpeza e segurança a partir de setembro.

“Quando a Light vai apagar a nossa luz? Não sei. Mas o dia que a Light apagar a nossa luz, a universidade fecha. Não porque seja um desejo nosso, mas sim um desejo de quem tá cortando o orçamento dessas instituições”, completou Denise Carvalho.

A reitora alega que os bloqueios de verbas podem afetar o futuro de muitas gerações. “Os cortes são muito graves. O que foi feito coloca em risco o futuro das próximas gerações. Essas ações vão ter impacto para nossos filhos e netos”, disse a reitora.

Segundo a UFRJ, o orçamento mínimo para esse ano deveria girar em torno de R$ 400 milhões. Mas, com os cortes anunciados pelo Ministério da Educação, a Universidade pública pode receber apenas R$ 305 milhões.

Eduardo Raupp, pró-reitor de Planejamento, Desenvolvimento e Finanças, comenta que essa verba não supre as necessidades da UFRJ. “É um orçamento muito longe do que a UFRJ precisa. Lembrando que, na discussão do orçamento do ano passado, a UFRJ reivindicava, pelo menos, o orçamento de 2019 corrigido pela inflação. Estamos, provavelmente, ficando com o orçamento com quase R$ 100 milhões abaixo disso. Isso trará consequências para o funcionamento da universidade”, acrescentou Raupp.

Advertisement

26 COMENTÁRIOS

  1. Tem que mudar toda a política da UFRJ, trocar estes reitores vagabundos, professores que só trabalham 2x por semana lá e ganham 20 mil e não participam de nenhuma produção científica. Estudei lá em 2002 fazendo letras, desisti pois a faculdade era um nojo, tudo quebrado, banheiro era nojento e um colega flagrou 2 caras transando sem se importar com quem entrava, tive um professor que falou que não ia dar aula mas que iria fumar um bem bolado no pátio, quem quisesse que encontrasse ele lá fora as inúmeras interrupções nas aulas pelos diversos movimentos, pessoal entrava, fazia uma algazarra e acabava a aula.
    Foi 1 semestre com nada produtivo, desisti e fui para universidade privada.
    Ainda tem os inúmeros patrimônios que ela possui que estão caindo aos pedaços, abandonados.
    Fiz varias visitechs no Palácio de São Cristóvão, não sei como aquilo não pegou fogo antes pois como pessoas que dizem amar aquilo lá fazem gambiarras nas fiações, instalam frigobar vazando umidade numa parede de quase 300 anos, tudo era feito sem cuidado. Então esse papo de amar a história e cuidar dela era tudo balela e após anos conseguiram o que queriam: destruir a história do local, o patrimômio e vai virar um grande projeto tipo a casa das ruinas, em vez de reconstruírem com era antigamente.
    O Palácio tem que sair das mãos da UFRJ com urgência.

  2. Esse é um discurso falso, puramente político e sensacionalista, onde não se fala do orçamento bilionário da UFRJ e nem das centenas de propriedades improdutivas da Universidade, que transformaram-se em passivos inúteis, porém valiosos, como o antigo Canecão e sua imensa área de terreno em Botafogo, em frente ao Shopping Rio Sul (que por diversas vezes já tentou alugá-la) numa das regiões mais cobiçadas da cidade, entre tantos outros. Além de ser uma draga de recursos públicos, a falta de competência de gestão na UFRJ não permite que a Universidade gere recursos com empresas incubadas, com a venda ou a cessão de ativos sem uso ou com produções intelectuais e materiais para micro e pequenas empresas, o que teria tudo para ser feito. O que falta na UFRJ é capacidade de gestão, competência mesmo, mais compromisso e menos mimimi.

  3. Que façam convênios com empresas, peguem parte da grana de pesquisas, façam parcerias para que seus pesquisadores possam estar ganhando salários da Viúva (União) e tb ganhando por fora! Apaguem as luzes, troquem luminarias apagadas com reatores em funcionamento. Troquem por led. Usem seu mega espaço pra investir em usina fotoeletrica. Parem de esbanjar!

  4. Comece o corte pelos estudantes profissionais que moram há anos nas repúblicas recebendo bolsas e outros auxílios. Minha mãe foi faxineira dentro de um desses campos e a maioria é vagabundo.

  5. Concordo. Entrei lá em 1978 e vi o início desta infecção esquerdalha. Estes anos só estragaram tudo. Os currículos mudaram para pior, baixando o nível da área de Humanas. Um horror!

  6. Dona Denise, as empresas estão se virando nos 30 pra se encaixarem em seus orçamentos e a Sra. acha que é fácil assim, só abrir o berreiro e pedir mais grana?! Vá trabalhar, ache contramedidas que reduzam o custeio, demita funcionários! Enquanto vocês funcionários públicos acharem que o povo lhes devem, a coisa não andará.

    Vocês é que nos devem uma gestão enxuta. Pare de chorar em público!

  7. So cortar metade das mordomias e dos gastos desnecessários.
    Queria ver se fosse privada se os custos chegariam neste numero !?
    Instituições aparelhadas por essa praga chamada esquerda, que odeia o “trabalho” e adora uma molezinha.

  8. Eu fiz o curso de Engenharia pela UFRJ. Desde a minha graduação, a UFRJ já vinha se tornando um puteiro e um antro de ESQUERDISTAS.
    Eu apoio o fechamento da UFRJ até que toda direção e quase todos professores sejam substituídos por professores competentes e não ativistas políticos de esquerda. O importante é que os alunos passem a pagar a Universidade, a não ser os melhores alunos carentes, que terão bolsa de Estudos Integral.

  9. Eu fiz o curso de Engenharia pela UFRJ. Desde a minha graduação, a UFRJ já vinha se tornando um puteiro e um antro de ESQUERDISTAS.
    Eu apoio o fechamento da UFRJ até que toda direção e quase todos professores sejam substituídos por professores competentes e não ativistas políticos de esquerda. O importante é que os alunos passem a pagar a Universidade, a não ser os melhores alunos carentes, que terão bolsa de Estudos Integral.

  10. Talvez o custo de manutenção e limpeza fosse menor se alguns de seus “estudantes” não vandalizassem a própria universidade em que estudam. Uma caminhada ao redor do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ no Largo de São Francisco, Centro do Rio de Janeiro, basta para conferir a imundície e o vandalismo (reforçada por dezenas de pixações pró-esquerda ou de palavras de baixo calão) por alguns desses indivíduos que se dizem muito preocupados com a Educação. Fora isso, não é raro ver estes mesmos “estudantes” ouvindo funk em alto volume nas portas da universidade enquanto fumam maconha sem qualquer constrangimento.

  11. Isto é mesmo uma vergonha, um absurdo!! REVOLTANTE!!!! Deixem os nossos futuros profissionais em paz!!! Não mexam no Orçamento Educacional! Deixem os jovens crescerem profissionalmente!! Peçam para os POLÍTICOS se mexerem a favor da EDUCAÇÃO UNIVERSITÁRIA!!!

    • Eu fiz o curso de Engenharia pela UFRJ. Desde a minha graduação, a UFRJ já vinha se tornando um puteiro e um antro de ESQUERDISTAS.
      Eu apoio o fechamento da UFRJ até que toda direção e quase todos professores sejam substituídos por professores competentes e não ativistas políticos de esquerda. O importante é que os alunos passem a pagar a Universidade, a não ser os melhores alunos carentes, que terão bolsa de Estudos Integral.

  12. Lamentável destruir uma universidade pública de ponta….
    Quem é contra deve ter estudado ou ainda estuda em faculdades particulares fracas e sem gabarito…..unisuam…. estácio…. Unigranrio
    Não tem noção da capacidade técnica dos professores e material físico para o conhecimento…..

    É triste ver essa decadência por falta de sensibilidade dos políticos…

  13. Conversinha de sempre… Queria ver a prestação de contas do tempo que a universidade esteva parada mas recebendo verba na mesma. Conversa pra boi dormir!!! A UFRJ é a universidade que recebe a verba mais alta em todo país e é vergonhosa a falta de capacitação em gerir esse dinheiro.

    • Bem isto e mesmo assim, TODO mundo precisa cortar gastos tanto em casa quanto nas empresas, porque uma instituição de ensino não o pode fazer? Que façam campanhas internas para economizar, rever contratos.

  14. O futuro de toda uma “geração”, mas não o de todas as pessoas dela, injustamente, sempre são colocadas em risco. Eu quero saber mesmo é dos números dos já riscados.

  15. Reitora esquerdopata. Vejam lá no Portal da Transparência quanto a UFRJ recebeu este ano de verba. Cambada de parasitas vai trabalhar, só pensam em roubar dinheiro público.

  16. As universidades ficaram meses e mais meses fechadas: e recebendo a verba habitual. Logo, perguntem à esta reitora comunista (da extrema esquerda) ONDE ELA COLOCOU O DINHEIRO RECEBIDO???!. Os campus da UFRJ estão largados desde antes da Pandemia: está tudo pichado, quebrado e sujo, um verdadeiro LIXO!. Do jeito que estes comunistas gostam!…

  17. Isso logo depois do ranking dás universidades em todo mundo eleger a UFRJ a melhor federal do Brasil,o quê não é aceitável simplesmente pôr ser do Rio de janeiro, e os inimigos tentam derrubar essa verdade quê só agora é reconhecida, e onde anda os políticos do nosso estado, quê são os mais omissos dentre todos os cariocas, eles só querem saber, dê defender suas mordomias e dos seus pares e parentes, isso é inadimissivel, é uma vergonha

    • Qual a colocação no ranking mundial mesmo?!? Não é pq ela se saiu como “melhor no Brasil” que significa ser boa… é um lixo… quer verba?!? Vende o patrimônio que já se encontra abandonado pela cidade, como o Canecão, na rua do Catete, tem dois prédios da UFRJ largados faz anos… mande servidores embora, baixe salários que são beeeem altos e etc… ajusta às contas facilmente 😉

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui