Arco dos Teles por Leandro Oliveira

Com uma fama recente motivada pelas festas que vêm acontecendo em alguns de seus históricos casarões, o Arco do Teles tem muito mais histórias para contar, que vão além de noitadas e divertidas bebedeiras.

Obra do engenheiro João Fernandes Pinto Alpoim, o Arco do Teles foi construído em meados do século XVIII para ligar a antiga Praça do Carmo, hoje Praça XV, à Rua da Cruz, atual Rua do Ouvidor. O arco fazia parte da residência da família Teles de Menezes, proprietária dos prédios no local. Por isso o nome.

Arco dos Teles

A área era frequentada por toda a alta sociedade carioca, que muitas vezes era atraída pela devoção a uma imagem de Nossa Senhora dos Prazeres, colocada em um espaço no interior do Arco do Teles.

A obra provou sua força em 1790. Nesse ano, um incêndio, que segundo alguns relatos foi criminoso, destruiu a maior parte da casa dos Teles de Meneses, afetando o Arco, que acabou resistindo. Muitos documentos históricos do Senado e da Câmara, que funcionavam nos prédios vizinhos aos dos Teles, se perderam nesse caso.

Entre os papéis perdidos estavam toda a documentação referente aos primórdios da cidade, inclusive os recibos e cobranças de foros (algo parecido com o IPTU) e os registros gerais de imóveis.

O curioso – e até engraçado – é que o incêndio teria começado em uma loja térrea próxima à Rua Direita, onde existia um comércio de objetos usados chamado de “O Caga Negócios”.

Sergio-Castro-Imveis111-1-11

Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário da Cidade do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis apoia construções e iniciativas que visam o crescimento da Cidade Maravilhosa sem que as características mais simbólicas do Rio se percam.

O trágico acontecimento forçou uma reconstrução imediata. Devido a esse trabalho, muitos detalhes das construções originais foram recuperados e hoje podem ser notados por quem caminha pela área, que é toda destinada a pedestres e conserva o calçamento antigo, de pedras.

A BRUXA DO TELES

Arco dos Teles, 2

No entanto, essa não é a única passagem assustadora do Arco do Teles. Em um texto para o site Mapas Antigos, Histórias Curiosas, Carlos Serqueira conta sobre uma “bruxa” que assombrou o local.

De acordo com o artigo, Bárbara dos Prazeres (ficou conhecida assim por causa da imagem de Nossa Senhora dos Prazeres que ficava no Arco) foi uma mulher que ao chegar de Portugal com o marido, se envolveu amorosamente com um mulato. Para viver a paixão, ela matou o esposo europeu.

Tempos depois, Bárbara percebeu que o novo amor estava somente interessado em suas posses, então, ela também o matou. Com dois crimes grandes nas costas, restou à mulher o submundo da eterna fuga. Passou a se prostituir e fazia ponto exatamente embaixo do Arco do Teles, que após o incêndio passou a ser menos valorizado e virou área de malandros e mulheres da vida.

Bruxa

O tempo passou e Bárbara envelheceu. Não tendo mais clientes e já com algumas doenças sexualmente transmissíveis, a mulher recorreu à magia negra. Um dos trabalhos que fez tinha como objetivo recuperar a juventude perdida. Para conseguir isso, ela precisava ingerir sangue morno de crianças.

Não existem números exatos, mas documentos constam que foram dezenas de pequenas vítimas. Dizem que Bárbara pendurava as crianças pelos pés com uma corda, as esfaqueava e fiava embaixo delas para banhar-se no sangue. O ritual acontecia na casa onde vivia, na ainda isolada e perigosa Cidade Nova.

Em 1830, Bárbara sumiu no mundo sem avisar a ninguém. Nesse mesmo ano, um cadáver de uma mulher apareceu boiando próximo ao Largo do Paço. Embora as feições estivessem quase irreconhecíveis, alguns garantem que era Bárbara.

A assustadora criatura aparece nos registros policiais da época como Bárbara dos Prazeres e também como Bárbara “Onça” – referência à sua ferocidade. Teses defendem que nesse período surgiu a expressão: “cuidado que a bruxa está solta!”.

Arco dos Teles em um semanario do Sec XIX

“Há quem suspeite (lenda urbana?) que ela continua viva até hoje, graças ao segredo da fórmula de rejuvenescimento. E mais: teria assumido a condição de feiticeira e aplicado a receita em alguns milionários, em troca de parte de suas fortunas. Diz-se que ainda hoje, em certas madrugadas sem lua, quando já partiram os últimos garçons dos bares da Travessa do Comércio e cessou o movimento da boemia, escuta-se no beco a gargalhada de Bárbara Onça, a feiticeira, ecoando assustadoramente pelos vazios escuros do Arco do Telles” escreve Carlos Serqueira em seu artigo.

Cruzar o Arco do Teles, seja durante a semana para realizar alguma tarefa do dia ou para comer em algum restaurante local, ou em um final de semana para aproveitar uma festa, é caminhar pela história do Rio. História que pode ser divertida, trágica ou assustadora, mas que faz parte da nossa Cidade Maravilhosa.

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui