Foto: Reprodução MPRJ

O Ministério Público informou na tarde deste sábado (10/07) que o valor total apreendido na operação que resultou na prisão do ex-secretário estadual de Saúde, Edmar Santos, é de R$ 8,5 milhões. No total, cerca de R$ 7 milhões estavam em notas de reais e o valor restante em dólares americanos, euros e libras esterlinas. Os valores, depois de contados,foram depositados em uma conta judicial do Banco do Brasil, explicou o órgão.

A informação inicial era de que o dinheiro teria sido encontrado num dos endereços relacionados ao ex-secretário. Entretanto, neste sábado o MP informou que o montante foi entregue espontaneamente por um dos investigados, que estava acompanhado de seu advogado. Mas, não explicou qual era a relação do dinheiro com o ex-secretário, alvo da operação.

O montante era tão alto que foi necessário recorrer ao empréstimo, junto ao Banco do Brasil, de máquinas de contar cédulas. A instituição bancária também colocou à disposição agência e funcionário além do horário limite. A contagem só terminou na madrugada deste sábado.

O MP explicou que, levado para a Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ), o dinheiro foi manipulado com luvas, e contabilizado na presença do investigado e de seu advogado, com posterior depósito na conta judicial. Mas não informou quem era o investigado. Após a contabilização, todos os invólucros onde estavam as notas foram preservados para encaminhamento ao Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE), informou o órgão.

O ex-secretário de Saúde do Rio Edmar Santos foi preso na manhã de sexta-feira (10/07), em sua casa, em Botafogo, na Zona Sul do Rio. O mandado de prisão foi cumprido pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (Gaecc), com apoio da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ) e da Delegacia Fazendária da Polícia Civil, em um desdobramento da Opeçaão Mercadores do Caos.

A Justiça determinou também o arresto de bens e valores de Edmar Santos até o valor de R$ 36.922.920, que, de acordo com o MP, é equivalente aos recursos públicos do estado desviados em três contratos fraudados para aquisição dos equipamentos médicos durante a pandemia do novo coronavírus.

Após prestar depoimento na Delegacia Fazendária, Edmar Santos, que é oficial da Polícia Militar, foi levado para a Unidade Prisional da PM. no bairro do Fonseca em Niterói, onde deu entrada na tarde de sexta-feira.

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui