Edifício histórico em Copacabana descobre “tesouro escondido”

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
O Edifício Lellis é o mais antigo prédio residencial da Orla de Copacabana.

Uma obra de rotina estava em andamento no velho Edifício Lellis, um ícone da arquitetura eclética em plena orla de Copacabana, sobre o qual até já escrevemos aqui no DIÁRIO. O condomínio havia contratado a recuperação da marquise da edificação, que começou a ser construída no final dos anos 20, e se localiza na princesinha do mar, esquina da Avenida Atlântica com uma de suas ruas mais tranqüilas, a Rua Barão de Ipanema.

Ao começar a já terminada recuperação da bela marquise cheia de detalhes e afrescos, localizada bem acima da portaria, um dos pedreiros sentiu que alguns tijolos estavam fofos, logo acima da marquise. Preferiu retirar os tijolos danificados para trocar por novos, e aí apareceu a surpresa. Uma grade quase que centenária, em estilo Art Déco, estava por trás deles (foto).

4d451b68 7c1e 4a1f aef2 e931cf93cf91 Edifício histórico em Copacabana descobre "tesouro escondido"

O edifício foi projetado pelo famoso arquiteto paulista Cristiano Stockler das Neves – que também foi prefeito de São Paulo – autor também do projeto do Palácio Duque de Caxias, aqui no Rio, e da Estação Julio Prestes, onde fica a Sala São Paulo, hoje sede da Orquestra Sinfônica Paulista. Após encontrar a bela grade original, a decoradora Kátia Peres, encarregada pelo síndico para trazer a portentosa entrada do prédio de volta à glória de outrora, conseguiu levantar no acervo de uma universidade paulista o desenho original dos portões de entrada do edifício, há décadas perdidos. Também foi possível restaurar a grade original.

A planta original revelou que a grade ficava acima dos portões de entrada e da marquise do prédio, gerando mais uma comunicação da portaria com a parte de fora do prédio, mais uma ventilação, e, claro, mais um detalhe charmoso para a quase centenária portaria.

Advertisement

Leia também

Pedro Paulo cada vez mais certo como vice de Eduardo Paes – Bastidores do Rio

10 coisas que só quem anda de ônibus no RJ vai entender

7807282e c62d 4bc6 86fe fce61eceb41e Edifício histórico em Copacabana descobre "tesouro escondido"
Foto retirada após o restauro da grade e a troca do portão existente pelo portão desenvolvido de acordo com o projeto original de Christiano Stockler das Neves, e que faz par com a grade descoberta.

A descoberta do “tesouro” animou o Condomínio a não só restaurar a grade, como também a encomendar à uma serralheria paulista a produção dos portões originais, de acordo com o projeto do famoso arquiteto. Medindo quase 3 metros de altura, os portões foram instalados há uma semana, chamando atenção de passantes, que assistiam o Lellis voltar no tempo.

46844045 2052414254845495 1508686414672297984 n Edifício histórico em Copacabana descobre "tesouro escondido"
Nesta propaganda antiga da construtora ORTENBLAD, que executou a obra do Lellis, ao ampliar-se a foto, é possível ver um retângulo preto localizado logo acima da marquise, que é a grade que foi agora restaurada.

Segundo o administrador do prédio, Adriano Nascimento, “o Lellis chama a atenção de todos que caminham pela Barão de Ipanema e pela Atlântica, e estamos tocando várias obras importantes de atualização do prédio”. Para Nascimento, os prédios de Copacabana precisam investir mais em manutenção: em breve o Lellis estuda repintar sua linda fachada. Ainda segundo ele, não foi difícil convencer os moradores a investir na confecção dos portões conforme o projeto original do edifício. A um custo de aproximadamente 30 mil reais, o Condomínio conseguiu fazer uma viagem no tempo. Uma bela viagem que deve valer a cota extra.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Edifício histórico em Copacabana descobre "tesouro escondido"

Advertisement

23 COMENTÁRIOS

  1. Onde meus pais moraram por mais de 40 anos. Edifício São Paulo. Cuidou como ninguém. Ele foi sindíco por mais de 20 anos e pintava esses prédios de cor mais clara. E por isso meu filho se chama Rian. Cinema, padaria e restaurante com esse nome. Na verdade era NAIR ao contrário. Saudades.

  2. Imagino que o projeto original do edifício está arquivado ou na Faculdade de Arquitetura da Universidade Mackenzie ou na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.
    Por que não citar o nome da Universidade?

  3. Alguns dos comentários trataram do uso de determinados materiais como a madeira nas janelas; da construção de garagens; do “blindex”. Vamos à história. O prédio foi projetado em 1928 e nessa época a liga alumínio ainda não existia; a liga só começou a ser usada a partir da década de 50 em alguns países do hemisfério norte; no Brasil, praticamente na década de 60. Quanto às garagens, vamos lembrar que “em 1919, a filial Ford da Argentina transfere um capital de 25 mil dólares para o Brasil para a criação da Ford Motor Company brasileira, que daria seus primeiros passos em nosso país a partir de um pequeno depósito de dois andares na Rua Florêncio de Abreu, em São Paulo, onde iniciou-se a montagem de automóveis Modelo T”. Nessa época, havia algum planejamento para o uso do automóvel? Na realidade, a obrigatoriedade de garagens nos edifícios condominiais foi estabelecida, no rio de Janeiro, em 1975. Finalizando: o prédio não tem estrutura externa para colocação de aparelhos de ar condicionado!

  4. Parabéns ao pedreiro que foi magnífico e sensato em levar adiante essa maravilhosa descoberta, poderia ter sido incluso seu nome também na matéria mas enfim e não esquecendo dos condôminos que levaram adiante essa belíssima empreitada, todos os envolvidos vocês foram fantásticos, parabéns.

  5. Na minha opinião, essa obra para “esconder” os elementos do projeto original da fachada deve ter sido de algum síndico alienado! O prédio teve sua construção iniciada em 1928 e concluída em 1931. Essa obra maluca de alteração da fachada deve ter ocorrida antes de 1964. Com a Lei dos Condomínios em Edificações e as Incorporações Imobiliárias (Lei 4.591, de 16/12/1964) ele não poderia alterar a fachada. Pelo Código Civil de 1916, ele não poderia alterar “a coisa comum sem o consenso dos outros”. Será que procurou obter esse consenso?

  6. Me lembro dessa grade, quando ia pra praia eu sempre admirava o prédio todo, mas tinha algo naquela grade que me deixava mais encantado, minha namorada morava na Constante Ramos e eu na Dias da Rocha, as vezes saiamos do Rian e íamos fazer lanches e tomar sorvete ali perto ou passávamos para a Colombo mas adiante, e eu olhava aquela grade curioso. Um dia passei e não vi mais. Não sei porque fecharam ali e cobriram a grade. Pensei até que tivessem retirado de vez a grade. Que boa noticia. Esse é o mais belo prédio da Av. Atlântica.

  7. Que maravilha! Linda a grade e decisão acertada dos condôminos. Parabéns ao pedreiro que andou uma milha a mais, possibilitando essa preciosa descoberta.

  8. A materia exalta a descoberta de uma grade, mas esquece de lembrar que a fachada do predio foi completamente desnaturada com aqueles blindex que até aparecem na foto. O predio nem pode ser tombado por causa desses horrores. Um dos responsáveis é o morador e sindico Claudio Castro, dono deste jornal.

  9. Muito legal poder entender mais sobre este maravilhoso lugar,Copacabana têm muito mais coisas para serem exploradas, poderiam fazer um documentário moderno sobre o bairro.rs

  10. Grade linda, que estava escondida e agora poderá ser admirada , investimento bem feito , parabéns aos moradores .que toparam investir na revitalização desta peça histórica .

  11. Delícia de matéria, Quintino!
    Um belo exemplo de preservação de prédios históricos (não necessariamente patrimônios tombados) que valorizam o imóvel e são um gesto de gentileza com a paisagem.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui