História das Pedras Portuguesas no Rio de Janeiro

É bastante comum caminhar pelo Rio de Janeiro e se deparar com as famosas Pedras Portuguesas. Esses calçamentos fazem parte do passado e do presente da Cidade Maravilhosa. A história dessas calçadas, como o nome sugere, iniciou em Portugal. Durante o reinado de Manuel I, as ruas de Lisboa foram revestidas. Isso se deu por volta do ano 1500 e, nessa época, o embrião desses calçamentos era chamado de “calçada à portuguesa”.

Calceteiros a trabalhar, Lisboa (1907).
Calceteiros a trabalhar, Lisboa (1907).

Contudo, essa primeira forma era um pouco diferente da atual. As calçadas foram evoluindo. Depois do terremoto de 1755, em Portugal, moradores do país passaram a montar, nas calçadas, desenhos que simbolizavam boa sorte, como estrelas, por exemplo, na intenção de evitar novos problemas.


[iframe width=”100%” height=”90″ src=”https://diariodorio.com/wp-content/uploads/2015/05/superbanner_66anos.swf-3.html”]
Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis sempre contribuiu para melhorias em nossa cidade, conservando o que temos de melhor

No século seguinte, em 1842, surgiu a primeira calçada, de fato, com o estilo das que vemos hoje em dia. A iniciativa foi do Governador de armas do Castelo de São Jorge, o tenente-general Eusébio Pinheiro Furtado, que organizou presidiários para fazer esse trabalho em rocha (basalto) negro e a calcita (mineral) branca.

Calçada da Praça do Rossio, Lisboa
Calçada da Praça do Rossio, Lisboa

Esse trabalho alcançou tamanho sucesso que, com o mesmo estilo de calçamento, comando e trabalhadores, trataram de cobrir os 8.712 metros quadrados da Praça do Rossio”, destaca o blog Curiosidades Cariocas.

Esse tipo de calçamento chegou à Cidade Maravilhosa durante a gestão Pereira Passos. Inicialmente para calçar a Av. Central (hoje Rio Branco) e Copacabana.

Calçada Mar Largo no Teattro Amazonas
Calçada Mar Largo no Teattro Amazonas

Tudo indica que a primeira calçada brasileira com o desenho ‘Mar Largo’ é a que circunda o Teatro Amazonas, em Manaus. Foi feita em 1900 e ainda se encontra em perfeito estado. A de Copacabana surgiu poucos anos depois”, conta o historiador Milton Teixeira.

Embora tenha esse teor de história e beleza, as chamadas Pedras Portuguesas (que após serem colocadas na Avenida Central e em Copacabana, se espalharam por toda cidade e boa parte do Brasil), também são alvos de críticas.

Calçada de Vila Isabel
Calçada de Vila Isabel

Periodicamente ocorrem movimentos contra este tipo de calçamento; dizem que necessitam de muitos cuidados de manutenção; que facilmente se desfazem, dando origem a buracos; que são responsáveis por quedas de idosos; que seus interstícios quebram os saltos finos dos sapatos femininos...”, pontua o blog Curiosidades Cariocas.

Orla de Copacabana, início do século XX

Entretanto, se há ataque, há defesa:

Claro está que o problema não se refere à escolha do tipo de revestimento, mas à falta de gestão pública do espaço urbano que não tem se mostrado capaz de assegurar o cumprimento da boa técnica de execução dos mosaicos em pedra portuguesa, nem a manutenção adequada das calçadas. Desde há milhares de anos (reparem: eu disse milhares de anos!) os mosaicos feitos com pedras calcárias multicoloridas são utilizados como revestimentos artísticos de paredes, colunas e pisos em todos os cantos do mundo. Trata-se, portanto e na melhor das hipóteses, de um julgamento apressado condenar este tipo de revestimento, cuja recorrência ao longo da história das cidades se revela de modo sistemático e persistente”, opina o arquiteto e professor Cristovão Duarte.

Calceteiro

Atualmente, o Rio de Janeiro possui cerca de 1.200 milhões de metros quadrados de calçamento em pedras portuguesas. Para fazer a manutenção, existe uma equipe de profissionais treinados para essa função. Com problemas ou não, as Pedras Portuguesas são muito cariocas.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui