Leilão do Canecão é cancelado

UFRJ informou que o evento não aconteceu porque não houve entrega de propostas para licitação. Universidade afirma que uma nova data será definida em janeiro de 2023

Canecão já foi uma das principais casas de shows da cidade - Foto: Reprodução/Internet

Em novembro de 2022 um edital de concessão do Equipamento Cultural Multiuso em substituição ao antigo Canecão, localizado em Botafogo, na Zona Sul do Rio, foi publicado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O leilão definiria os novos gestores da casa, que reabriram o Canecão – que está fechado desde 2010. Contudo, o leilão, que aconteceria na quarta-feira, (21/12), foi cancelado.

A UFRJ informou que o leilão não aconteceu porque não houve entrega de propostas para licitação do equipamento cultural multiuso. Além disso, a universidade afirma que uma nova data será definida em janeiro de 2023.

A outorga mínima era de R$ 625 mil e, além deste valor, o concessionário que arrematasse teria também que construir uma casa de shows e realizar investimentos em infraestruturas acadêmicas que no total somam R$ 140 milhões de reais nos próximos três anos.

A nova casa de espetáculos teria capacidade para três mil espectadores, espaço para exposições (com pelo menos 320 m2) e sala de ensaios (área mínima de 270 m2). Também seria construído o Espaço Ziraldo (ao menos 430 m2), que poderá receber exposições e apresentações.

História

O Canecão foi inaugurado em 1967, entre as ruas da Urca e Botafogo, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Em poucos anos o local se tornou uma referência da cena musical nacional e, ao longo de mais de quatro décadas, foi palco de memoráveis shows e espetáculos.

Roberto Carlos, Cazuza, entre outros grandes nomes da música nacional e internacional, passaram pelo Canecão. A casa foi um marco na cultura brasileira.

Contudo, sua história começou a ser negligenciada em 2010, quando ele foi fechado. Atualmente sua estrutura física entrou em ruínas e o prédio está cada vez mais detonado.  

Advertisement

2 COMENTÁRIOS

  1. Perfeito seu comentário, neolight!
    Esses pelegos e sem noção de esquerda acredita que todos são otários e que eles são muito malandros. A velha estória, querem tudo fácil e que os outros trabalhem pra eles botarem os lucros no bolso. Cambada de bandidos!!

  2. Não precisa ser muito inteligente pra descobrir o que ocorreu. Na notícia anterior eu mesmo havia dito que seria capaz do leilão ser deserto. É ÓBVIO! Previram um pagamento à UFRJ de R$ 625 mil reais, construção de um restaurante universitário, um outro prédio acadêmico, urbanização de áreas adjacentes, arborização de locais próximos, dar de graça pra UFRJ 50 dias do espaço multiuso, 90 dias do espaço de exposições e 275 dias do espaço ziraldo (e o ano tem 365 dias). Espera-se que a concessionária seja ao final construtora, restaurante ou promoter cultural?!

    Fala sério: quem é maluco de assinar uma loucura dessas?? É tanta loucura solicitada que me parece escrita por um psolista. Parece-me escrito sob medida pra ninguém querer, para possibilitar a UFRJ continuar com sua inação e ainda falar mal da iniciativa privada ainda… “ai ai ui ui, tá vendo, eu tentei conceder mas ninguém quis!”

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui