Ordem milenar de Cavaleiros celebra Missa Solene na Igreja dos Mercadores esta sexta

A missa será celebrada pelo Cardeal Dom Orani Tempesta e acompanhada por coral e grande orquestra. Instituição leiga do Vaticano, a Ordem do Santo Sepulcro faz contribuições à Universidade de Belém, escolas, asilos, dispensários, hospitais e outras instituições na Terra Santa

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Missa da Reabertura da Igreja da Nossa Senhora da Lapa dos Mercadores - Foto Daniel Martins/DIÁRIO DO RIO

A Ordem Equestre do Santo Sepulcro de Jerusalém celebra Missa Solene de encerramento de suas atividades anuais, nesta sexta-feira (1/12), às 11h, na Igreja de Nossa Senhora da Lapa dos Mercadores, no Centro Histórico do Rio de Janeiro. A Missa Solene, que será acompanhada por Coral e Grande Orquestra, será presidida pelo Cardeal arcebispo do Rio, Dom Orani João Tempesta, que é também o Grão Prior da milenar ordem reconhecida pela Santa Sé, cuja lugartenência do Rio de Janeiro tem cerca de 70 membros. A cerimônia na igreja histórica que foi reinaugurada com pompa em junho deste ano será aberta ao público.

A Missa Solene terá lugar na recém-restaurada e cada dia mais visitada Igrejinha dos Mercadores, que fica na esquina da rua do Ouvidor com o Arco do Teles, conhecida por sua nave elíptica e decoração em rococó, assim como por suas missas em latim celebradas nos finais de semana ao meio-dia. A igreja foi pioneira em retomar o toque dos sinos de hora em hora e recentemente restaurou o relógio de sua torre, que ficou 101 anos completamente parado. Espera-se uma cerimônia com bonita liturgia e uma igreja lindamente decorada, como costumam ser as celebrações da Irmandade dos Mercadores. A lugartenente da Ordem do Santo Sepulcro, a advogada Isis Penido, assumiu pessoalmente a decoração do templo para a missa.

O Coral Astorga, da soprano Juliana Sucupira, irá acompanhar a Missa Solene que será celebrada pelo próprio Cardeal e concelebrada por outros padres integrantes da Ordem Equestre. Será uma rara chance de ver os cavaleiros e damas uniformizados como há séculos atrás; a organização é mundial, e em Paris, por exemplo, é incumbência dos mesmos cavaleiros fazer a guarda da coroa de espinhos de Jesus Cristo, relíquia que está guardada na Igreja de Notre Dame – e que foi salva do terrível incêndio, depois de ter sido salva da queda de Constantinopla e da Revolução Francesa.

O dia primeiro marca também o início da implementação do projeto ‘Alerta da Paz’, uma iniciativa do Vicariato Episcopal das Confrarias e Irmandades da Arquidiocese e da Associação Comercial do Rio. A partir do dia 1/12 os sinos de diversas igrejas da região do Centro Histórico irão passar a tocar juntos, ao mesmo tempo, diversas vezes por dia, para comemorar o Natal e a Revitalização da região Central, durante todo o mês de dezembro. (Abaixo)

Advertisement

Leia também

Rio terá observatórios para estudos climáticos; 1º será no Complexo do Alemão

Balão é ‘abatido’ antes de cair no Aeroporto do Galeão

Histórico de uma Organização milenar

A Ordem do Santo Sepulcro de Jerusalém, instituição leiga da Santa Sé, é uma ordem milenar honorífica de cavalaria cuja existência data do ano 1098. De acordo com a tradição, a entidade teria como origem a Ordem dos Cônegos da Santo Sepulcro, após Godofredo de Bouillon ter libertado Jerusalém do domínio mulçumano na Primeira Cruzada. Com a vitória, Cavaleiros de diversas nacionalidades firmaram votos de obediência para defender o Santo Sepulcro.

Em 1103, o rei cruzado, Balduíno I de Jerusalém, tornou-se superior da Ordem dos Cônegos do Santo Sepulcro, com prerrogativas de nomear Cavaleiros. Tal faculdade ficaria a cargo do Patriarca Latino de Jerusalém, em caso de ausência do monarca. Dentro dos quadros da Ordem cabia aos Sargentos, uma espécie de milícia eleita dentro da Cruzada, a defesa do Santo Sepulcro e dos Lugares Santos.

Com o fim da Primeira Cruzada, em 1114, Arnolfo de Choques, Patriarca de Jerusalém, obrigou os cônegos a viverem encerrados em comunidades sob a regra de Santo Agostinho, além de outras normas ditadas pelo Papa Calisto II. Ele também deu mais espaço às mulheres com a criação de uma divisão feminina.

Após o desaparecimento do Reino Cristão de Jerusalém, a Ordem ficou sem um superior, cabendo à alta autoridade religiosa na Terra Santa, a Custódia da Terra Santa, liderada pelos Franciscanos, a nomeação de novos Cavaleiros.

O Papa Inocêncio VIII chegou a extinguir a instituição, em 21 de março de 1489, através da bula Cum Solerti Meditatione, repassando os seus bens e propriedades aos Hospitalários. Em 1496, a bula de Inocêncio VIII foi revogada pelo Papa Alexandre VI, que resgatou a Ordem, que seria agora subordinada ao Vaticano. Seus bens, no entanto, não foram reavidos.

Em 1847, o Papa Pio IX restabeleceu o Patriarcado, com a entidade voltando a custodiar o Santo Sepulcro e concentrando as funções de sustento das obras do Patriarcado Latino de Jerusalém e da propagação da fé cristã.

A partir de 3 de agosto de 1888, as mulheres passaram a ter acesso à Ordem através do Braço de Damas, após a publicação das cartas apostólicas Venerabilis Frater Vicentius pelo Papa Leão XIII. Em 1098, o termo Militar foi substituído pelo Equestre no nome da Ordem.

Em 8 de julho de 1977, o Papa Paulo VI aprovou a nova constituição da Ordem Equestre do Santo Sepulcro de Jerusalém , que passou a ter os seguintes propósitos: Prática da vida cristã; Custódia e manutenção da fé cristã na Palestina; e Defesa dos direitos da Igreja Católica na Terra Santa.

O Papa João Paulo II, em 1996, elevou a dignidade da Ordem à Associação Pública de Fiéis, com personalidade canônica e civil.

Atualmente, a Ordem faz contribuições à Universidade de Belém, escolas, asilos, dispensários, hospitais e outras instituições na Palestina, mantendo efetivamente o Patriarcado de Jerusalém com doações de seus membros do mundo todo, que chegam a cerca de poucos milhares de cavaleiros e damas.

Nossa Senhora da Palestina é padroeira da Ordem do Santo Sepulcro que, assim como o Patriarcado Latino, é responsável pela manutenção de um Santuário, construído em 1928, na cidade de Deir Rafat, localizado a 30 km de Jerusalém.

A Ordem Equestre do Santo Sepulcro de Jerusalém conta, atualmente, com mais de 20 mil Cavaleiros e Damas em todo o mundo. Aos integrantes é facultado o direito de vestirem capa branca com a cruz de Jerusalém, no caso dos Cavaleiros, e capa preta e véu, no caso das Damas. Nas capas consta o bordado com o símbolo máximo de Jerusalém: a Cruz Vermelha de Jerusalém, com quatro pequenas cruzes, em recordação às chagas de Cristo. É com recursos da Ordem que são mantidas as obras católicas na Terra Santa (asilos, universidade, escolas, hospitais), região que engloba Palestina, Israel, Cisjordânia e Líbano.

A Ordem do Santo Sepulcro é a única instituição secular da Santa Sé e, juntamente com a Ordem Soberana e Militar Hospitalária de São João de Jerusalém, de Rodes e de Malta, são as únicas reconhecidas, histórica e juridicamente pelo Vaticano, como Ordens de Cavalaria.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Ordem milenar de Cavaleiros celebra Missa Solene na Igreja dos Mercadores esta sexta

Advertisement
lapa dos mercadores 2024 Ordem milenar de Cavaleiros celebra Missa Solene na Igreja dos Mercadores esta sexta
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui